SIGA O EM

Pedestres e motoristas ganham ajuda para desviar das ladeiras da capital

Moradores de BH relatam vantagens e desvantagens de viver em algumas das vias mais íngremes. Estudo da UFMG e BHTrans sobre ladeiras pretende auxiliar pedestres e motoristas

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 1053722, 'arquivo_grande': '', 'credito': '', 'link': '', 'legenda': 'Leandro Couri EM DA Press', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/07/09/781731/20160709073009567597i.jpg', 'alinhamento': 'left', 'descricao': ''}]

postado em 09/07/2016 06:00 / atualizado em 09/07/2016 07:52

Paulo Henrique Lobato /


O designer Marcelo Hermeto, de 41 anos, mora na parte alta da Rua Matipó, no Bairro Santo Antônio, na Região Centro-Sul de Belo Horizonte. A vista da cidade que tanto encanta o rapaz também arranca suspiros em quem o visita. “É uma vantagem para quem reside aqui.” Mas também há desvantagem: a via, bastante íngreme, exige grande esforço de quem necessita subi-la a pé. A vida nas ladeiras da capital é feita, literalmente, de altos e baixos.

A inclinação máxima na Matipó é de 54%, segundo o Mapa de Declividades de Belo Horizonte, elaborado pelo Instituto de Geociências da Universidade Federal de Minas Gerais (ICG/ UFMG) em parceria com o Instituto de Políticas de Transporte e Desenvolvimento (ITDP Brasil) e BHTrans. Na última terça-feira, o ICG divulgou o mapa, mas os pesquisadores encontraram algumas imperfeições que serão corrigidas nos próximos meses.

Uma das ideias, explica o professor Rodrigo Nóbrega, do IGC, é assessorar motoristas e pedestres na mobilidade urbana. “Alguém com dificuldade de locomoção pode planejar um caminho desviando-se de morro. Empresas transportadoras também podem ver qual o melhor caminho para caminhões”, explicou, acrescentando que a inclinação média na cidade é de 12,51%.

Mas os dados permitem muito mais. Permitem entender, por exemplo, o porquê de alguns imóveis não encontrarem compradores com tanta facilidade. “Naquele prédio, há apartamentos à venda há bastante tempo”, endossou Marcelo, o morador da Matipó. Vizinho dele, o engenheiro eletricista Marcos Alberto, de 66, conta que a inclinação da via o levou a mudar um hábito.

Ele faz caminhadas diárias na Avenida Prudente de Morais. Para chegar lá, Marcos descia a Matipó a pé. Depois do exercício físico, encarava a ladeira na volta para casa. “Eu chegava aqui em cima com a língua para fora. Decidi mudar. Agora, para fazer as caminhadas, vou e volto de carro. Esse morro cansa”, disse o engenheiro. De tão íngreme, o tráfego de caminhões é proibido na Matipó.

Caminhões também não sobem ou descem a Rua Geraldina de Almeida, no Bairro Serra, onde a inclinação máxima é de 50%. Resultado: os caminhões da Superintendência de Limpeza Urbana (SLU) também não transitam na via. “A gente coloca um lixo na caçamba de outra rua”, conta Paulo Carvalho, de 20, que ganha a vida num lava a jato da região. Ele não dispensa a moto para descer e, principalmente, subir a via em que mora desde que nasceu.

Do alto, porém, ele diz que a vista é maravilhosa. Mas também é de lá que muitos moradores já testemunharam carros que não conseguiram subir a rua, nem com a marcha mais lenta, e derraparam para trás. “Teve um que bateu na grade daquela casa. Deveria ter uma placa de sinalização informando do perigo”, recomendou o moço.

O trecho que mais se parece um tobogã da Avenida Santa Terezinha, no Bairro Taquaril, na Região Leste, conta com o aviso. “Caminhão não pode passar por aqui”, interpreta Letícia Maria Ferreira, de 15. Ela é mãe de Nicole, de 8 meses, e mora na via há três anos. A via tem inclinação máxima de 35%.

“Subo a rua escorando nos muros. Quando chove, a pista fica escorregadia para carro e para quem passa a pé. O pai de minha filha, quando a levo no posto de saúde, que fica na parte alta do bairro, precisa até me empurrar. Do contrário, volto para trás”, conta a adolescente, com um sorriso.

Dona Carolina Santos, de 30, sabe bem o que é subir e descer diariamente o tobogã da Santa Terezinha: “Morro abaixo, todo santo ajuda. Já morro acima... Quem dera se houvesse uma escada rolante, né? Eu subo de uma vez só, porque se eu parar para descansar fico com preguiça e custo a chegar no alto”.

RANKING A revisão do mapa deverá ocorrer até o fim do ano, quando as informações sobre as declividades mínima, máxima e média de 51.713 trechos das ruas e avenidas da capital permitirão aos pesquisadores elaborarem o ranking da inclinação viária na cidade.

O estudo divulgado quarta-feira apurou que a declividade média de BH é 12,51%. Os trechos mais suaves estão na Pampulha, onde há a menor média (8,69%). A Centro-Sul lidera o ranking entre as regionais (16,17%). Isso permite dizer que todas as regionais da cidade têm média acima da inclinação máxima recomendada pela Lei de Acessibilidade, que prevê rampa com até 8,33%.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
Fernando
Fernando - 09 de Julho às 14:10
Essas ladeiras absurdas tem nome: ocupação desordenada e irresponsável.