SIGA O EM

ONU critica Brasil por tragédia de Mariana

Organização alega em informe que as autoridades e a Samarco não deram uma resposta suficiente para lidar com o desastre causado pelo rompimento da Barragem do Fundão

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 1045704, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Leandro Couri/EM/D.A Press - 25/04/2016', 'link': '', 'legenda': 'Distrito de Bento Rodrigues foi devastado pela lama em novembro de 2015', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/06/15/772796/20160615091339475104e.jpg', 'alinhamento': 'left', 'descricao': ''}]

postado em 15/06/2016 08:19 / atualizado em 15/06/2016 09:14

Agência Estado

Leandro Couri/EM/D.A Press - 25/04/2016
A resposta das autoridades brasileiras e da Samarco não foi suficiente para lidar com o desastre do rompimento da barragem de Mariana, em 2015, e o governo federal tem uma capacidade "limitada" para garantir a segurança nas demais barragens do País. Essa é a conclusão de um informe produzido pelo Grupo de Trabalho da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre Direitos Humanos e Empresas Multinacionais, que visitou o Brasil em dezembro para avaliar o impacto do desastre.

O documento será apresentado no Conselho de Direitos Humanos da ONU ainda neste mês. O informe revela que o Brasil não está preparado para lidar com tais incidentes e projetos no Senado vão no sentido contrário ao que seria desejável, reduzindo o número de controles para licitações de obras.

Em março, a Samarco e as autoridades brasileiras chegaram a um acordo sobre as compensações. Mas a ONU alerta para a importância de se realizar uma "compensação adequada para cada pessoa afetada".

A Secretaria de Estado de Meio Ambiente de Minas afirmou ter "tomado todas as medidas cabíveis". Conforme a Samarco, após a "visita, em dezembro de 2015, novas ações foram e continuam sendo implementadas, visando a reparar os danos causados pelo acidente".

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600