SIGA O EM

Impasse de abastecimento de água em Cachoeira Escura continua após reunião na ALMG

Distrito é uma das localidades afetadas pelo rompimento da Barragem do Fundão, em Mariana

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[]

postado em 11/03/2016 18:56 / atualizado em 11/03/2016 22:57

Estado de Minas

Representantes da mineradora Samarco e do Grupo Vale se reuniram nesta sexta-feira com integrantes do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) que representa parte das vítimas do rompimento da Barragem do Fundão, em Mariana, em 5 de novembro de 2015. A reunião, que terminou em impasse, ocorreu na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG). O encontro foi marcado como condição para desobstrução do tráfego nas linhas férreas de propriedade da Vale, no distrito de Cachoeira Escura, que pertence ao município de Belo Oriente (Vale do Rio Doce), nessa terça-feira.

Cachoeira Escura tem cerca de 12 mil habitantes, segundo o MAB, e enfrenta grave escassez de água, que foi uma das questões emergenciais apresentadas à empresa pelo movimento social. Segundo a assessoria da ALMG, o coordenador de Desenvolvimento Socioinstitucional da Samarco, Stanislau Klein, assumiu o compromisso de acelerar o detalhamento do projeto de engenharia para nova captação alternativa de água em Cachoeira Escura, mas não aceitou – pelo menos de imediato - enviar carros-pipa ao distrito até que sejam tomadas medidas definitivas.

De acordo com um dos integrantes da coordenação do MAB que participaram da reunião, Joceli Andrioli, os moradores de Cachoeira Escura estão ficando doentes em razão do consumo de água contaminada. Ele afirma que a empresa tem adiado a discussão de todas as reivindicações, argumentando que só poderá discuti-las a partir da homologação do acordo firmado com o governo federal no início deste mês. Já o dirigente da Samarco presente à reunião, Stanislau Klein, argumentou que a empresa não pode deixar de avaliar questões técnicas, ouvir autoridades locais e de alinhar suas ações com políticas públicas já implementadas, e por isso não podia assumir compromissos imediatos.

Para a próxima semana, devem ser agendadas uma reunião do MAB com a Advocacia-Geral do Estado e outra com representantes do governo federal, para discutir as reivindicações do movimento. A entidade quer que essas exigências sejam consideradas em uma revisão do acordo firmado entre a União e as empresas.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600