SIGA O EM

Integrantes do MST protestam no complexo da Vale em Catas Altas

Mulheres cobram novo modelo de extração mineral e pedem justiça para as vítimas da tragédia de Mariana. Segundo a Vale, instalações foram depredadas pelo grupo

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 1012240, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'MST/Divulga\xe7\xe3o', 'link': '', 'legenda': 'Grupo da regi\xe3o Sudeste chegou por volta das 6h e n\xe3o h\xe1 previs\xe3o para o fim do protesto', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/03/08/741348/20160308091355768984o.jpg', 'alinhamento': 'left', 'descricao': ''}, {'id_foto': 1012241, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'MST/Divulga\xe7\xe3o', 'link': '', 'legenda': '', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/03/08/741348/20160308091401201325o.jpg', 'alinhamento': 'left', 'descricao': ''}]

postado em 08/03/2016 09:12 / atualizado em 08/03/2016 11:08

Cristiane Silva

 Mulheres que integram o Movimento dos Trabalhadores Ruais Sem Terra protestam na manhã desta terça-feira na Mina Fazendão, em Catas Altas, na Região Central de Minas Gerais. A mina faz parte do Complexo de Mariana, que pertence à Vale. De acordo com a empresa, há registro de depredação no local.

Segundo uma das integrantes que participa do movimento, 1,5 mil militantes de Minas, São Paulo e Espírito Santo ocuparam as dependências bloqueando a MG-129, os trilhos e a entrada do escritório da mina. Elas chegaram ao local por volta das 6h. Não há previsão para o fim do protesto.

Conforme as manifestantes, elas pedem um novo modelo de extração que priorize a população local e pedem justiça no caso do rompimento da barragem de rejeitos em Mariana, que deixou 17 mortos e dois desaparecidos em novembro do ano passado. A ação foi organizada em conjunto com o Movimento pela Soberania Popular na Mineração, e integra a Jornada Nacional de Lutas das Mulheres Camponesas, marcando as celebrações de 8 de março, Dia Internacional da Mulher.

Por meio de nota, a Vale confirmou o protesto na mina. Segundo a empresa, ao contrário do que foi informado pela entidade, 500 pessoas estão no local. A Vale também afirma que a instalação foi alvo de vandalismo. “Elas picharam e sujaram a portaria e a rodoviária interna da unidade. Os invasores também paralisaram e depredaram o ramal ferroviário da Estrada de Ferro Vitória a Minas (EFVM) que dá acesso a mina da Vale na região”, diz a empresa, por meio de nota.

Ainda segundo a Vale, serão tomadas todas as medidas cabíveis para retomar a normalidade na unidade de Catas Altas.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
fernando
fernando - 08de Março às 10:07
Gostaria de saber quem pagou a Mortadela ?