SIGA O EM

No carnaval de Belo Horizonte, se existe rotina é a de pular de bloco em bloco

Até a noite cair ou o dia raiar, o que o fôlego permitir: blocos animam segundo dia de carnaval em Belo Horizonte

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 999517, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Paulo Filgueiras/EM/D.A Press', 'link': '', 'legenda': 'Os azuis do Pena de Pav\xe3o de Krishna abriram o domingo de festa e depois se espalharam por toda a cidade', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/02/08/732423/20160208070144246252e.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}, {'id_foto': 999518, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Cristina Horta/EM/D.A Press', 'link': '', 'legenda': 'Foli\xf5es que come\xe7aram o dia no PPK esticaram no Ordin\xe1\xe1\xe1\xe1rios: f\xf4lego de sobra', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/02/08/732423/20160208070149353121i.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}, {'id_foto': 999519, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Sidney Lopes/EM/D.A Press', 'link': '', 'legenda': 'Mortos muito vivos foram atra\xe7\xe3o \xe0 parte na pra\xe7a da bandeira', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/02/08/732423/20160208070153841991o.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}]

postado em 08/02/2016 06:00 / atualizado em 08/02/2016 08:11

Estado de Minas



Paulo Filgueiras/EM/D.A Press

Roteiro fixo? Esquece! Hora pra voltar? Nem pensa. Um ritmo só? Não, mesmo. No carnaval de Belo Horizonte, se existe rotina é a de pular de bloco em bloco, até a noite cair ou o dia raiar – o que o fôlego permitir. Foi por isso que ontem era possível observar “avatares” de um colorido já meio desbotado se divertindo até a noite no bloco Alcova Libertina, um dos últimos a sair. Isso depois de começar o dia no Pena de Pavão de Krishna, conhecido por seus homens e mulheres azuis e por um ritmo zen que nem combina muito com o tom roqueiro da Alcova. Mas, combinar pra quê?
Cristina Horta/EM/D.A Press

No carnaval da diversidade, o Tchan dança com Raul, enquanto seres transcendentais com vestes alternativas quebram tudo ao som de axé, funk e – por que não? – até marcha fúnebre, levada à Praça da Bandeira por zumbis, fantasmas, vampiros e aparentados. Quer mais mistura? Pois prepare-se para o desfile do Baianas Ozadas, que promete ser dos maiores e vai levar hoje para a última tendência do carnaval da capital memórias do Clube Diabos de Luneta, que desfilou em 1899 pelas ruas e avenidas da recém-criada BH. Pra temperar, axé e ousadia. Sempre.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600