SIGA O EM

Em domingo de folia em toda BH, Alcova Libertina leva 40 mil à Avenida dos Andradas

O bloco teve o desfile marcado pelos clássicos do rock em versão carnavalesca e por críticas políticas

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 999459, 'arquivo_grande': '', 'credito': ' Ramon Lisboa/EM/D.A Press', 'link': '', 'legenda': '', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/02/07/732404/20160207232109896394i.JPG', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}]

postado em 07/02/2016 23:18 / atualizado em 08/02/2016 00:04

Marcelo Ernesto

 Ramon Lisboa/EM/D.A Press

O Bloco Alcova Libertina desfilou na tarde deste domingo de carnaval e empolgou cerca de 40 mil pessoas, segundo estimativa da Polícia Militar. Já a organização estimou em 60 mil presentes. Com muitos fãs, o grupo garantiu o maior público do dia. Mistura de boa música, o bom e velho rock, reinterpretados com pegada de carnaval. Não tem como não agradar. Amy Winehouse, Beatles, Led Zeppelin, Elvis, além de Raul Seixas e Mutantes, “chutaram” a família mineira no trio junto ao Alcova.

Diferentemente do ano passado, quando seguiu da Zona Leste em direção à Praça da Estação, neste ano o Alcova seguiu o caminho contrário na Avenida dos Andradas. Partindo de próximo da estação Santa Tereza do metrô e finalizou a brincadeira carnavalesca próximo à Avenida Silviano Brandão, no Bairro Pompeia.

O desfile do Alcova foi marcado por crítica política e um convite à ocupação da cidade pela população. Um dos vocalistas de cima do trio conclamou foliões e foliãs: "BH é uma das poucas cidades do Brasil que reúne 60 mil pessoas (no carnaval) sem patrocínio. Nós fazemos para vocês e vocês fazem pra nós". Na sequência, foi feita uma chamada, citando os vários blocos da cidade que fazem o carnaval do amor (e de luta) na capital mineira.



O prefeito Marcio Lacerda (PSB) também não foi poupado de críticas. Segundo o bloco, foi feito o pedido para que as a´rvores do trejeto fossem podadas, o que não ocorreu. Por diversas vezes os integrantes tiveram que se abaixar para passar por debaixo dos galhos. Os recentes episódios de confronto entre foliões e a Polícia Militar também foram lembrados durante o desfile.

Uma demonstração de que o Alcova está com moral foi a superação da meta do financiamento coletivo feito para viabilizar o carnaval deste ano. A meta de R$ 25 mil foi batida sendo arrecadados R$ 26 mil.

Ao longo do dia

Mais cedo, em percurso de quase seis quilômetros em um bairro mais afastado do Centro de Belo Horizonte foi o cenário escolhido pelo bloco Pena de Pavão de Krishna para entoar sua batida zen no carnaval deste ano. O bloco, que encanta pela beleza estampada no corpo com a cor azul, mais uma vez reuniu uma multidão. Ao som de mantras indianos e afoxé, os foliões seguiram debaixo de um sol forte até a cidade vizinha de Sabará, na Região Metropolitana. Cerca de 5 mil pessoas participaram da festa, segundo estimativas da Polícia Militar.

Já a escola de samba 'Unidos do Samba Queixinho' escolheu a Pampulha como cenário para o desfile deste ano. Com sete anos de trajetória, o bloco inovou na opção pela madrinha da bateria: Esmeralda, a veraneio vermelha usada pelo Grupo Galpão nas apresentações de rua da peça Romeu e Julieta, foi quem abriu alas para o grupo passar.

Na Região Nordeste, o bloco Tico Tico Serra Copo arrastou centenas de foliões pelas ruas do Bairro Ribeiro de Abreu, na tarde deste domingo de carnaval. Os foliões juntaram a folia com a questão ambiental. Neste ano, o grupo uniu a folia com a questão ambiental ao apoiar o projeto Deixa o Onça Beber Água que luta pela revitalização do Córrego do Onça, que passa pelo bairro.

 Com informações de Thiago Lemos
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600