SIGA O EM

Roda de Timbau agita pré-carnaval de BH no Viaduto Santa Tereza

Bloco carnavalesco que nasceu de um grupo de estudo sobre o timbau, instrumento muito usado na cultura africana e em rituais religiosos como no candomblé e umbanda

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 998666, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Tulio Santos/EM/DA Press', 'link': '', 'legenda': 'Bloco agita a noite no palco abaixo do Viaduto Santa Tereza', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/02/04/731656/20160204203008845010a.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}]

postado em 04/02/2016 20:30 / atualizado em 04/02/2016 22:17

Pedro Ferreira


Depois do trabalho, hora de cair na folia. O bloco Roda de Timbau anima o carnaval na noite desta quinta-feira debaixo do Viaduto Santa Tereza, no Centro de Belo Horizonte.

A cor vermelha é a marca registrada do bloco carnavalesco que nasceu de um grupo de estudo sobre o timbau, instrumento muito usado na cultura africana e em rituais religiosos como no candomblé e umbanda. A pedagoga Priscila Bahiense, de 29 anos, está vestida de melindrosa, tudo vermelho, até a peruca.

A estudante Ariana Ribeiro, de 25, usa um enorme turbante vermelho e se diverte com o ritmo baiana do Timbau. "Tenho vários conhecidos tocando. Muitos são de outros blocos e criaram o Roda de Timbau" disse Ariana.

No palco em concreto construído com a reforma do viaduto, há alguns anos, o grupo toca também surdo, repique e caixa, mas o timbau reina absoluto.

Quem olha a placa "El Grande Pinto de Graça" pode até pensar maldade, mas não é. O restaurador Ronie Nogueira Carvalho, de 49 anos, pinta rosto, braços e outras partes do corpo se o folião quiser.

O auditor de vendas Ekson Wallace Carvalho, de 23; ganhou uma pintura tribal no rosto e no braço. Já o designer gráfico Lucas Henrique Pereira, de 19, ganhou uma pintura egípcia no rosto.  "Até hoje os índios usam a pintura em suas festas. Traz uma energia muito boa , contagiante" disse.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600