SIGA O EM

EM vence Prêmio Chico Lins de Jornalismo

Cobertura da tragédia de Mariana ficou em 1º lugar em premiação da Associação Mineira do Ministério Público. Trabalho que denunciou farra de diárias em câmaras municipais foi o 3º colocado

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 992100, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Reprodu\xe7\xe3o', 'link': '', 'legenda': 'Capa do dia seguinte da trag\xe9dia em Mariana', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/01/18/726122/20160118151107374695i.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}]

postado em 18/01/2016 14:56 / atualizado em 18/01/2016 16:03

Estado de Minas

Reprodução
A cobertura intensa do Estado de Minas sobre a maior tragédia socioambiental do país, provocada pelo rompimento de barragem da Samarco em Mariana, venceu a quarta edição do prêmio de Jornalismo Promotor de Justiça Chico Lins. O trabalho mobilizou mais de 100 profissionais da empresa – entre repórteres, repórteres fotográficos, editores, ilustradores, diagramadores e motoristas.

Veja toda a cobertura do maior desastre ambiental do país



O terceiro lugar da premiação foi de outra reportagem do Estado de Minas: “O combate das farras das diárias e ao empreguismo no serviço público”, dos repórteres Luiz Ribeiro Santos e Maria Clara Prates. O trabalhou abordou abusos em câmaras municipais do estado.

O promotor que dá nome ao prêmio, Francisco José Lins do Rêgo Santos, era secretário da Promotoria de Defesa do Consumidor, o Procon Estadual, quando foi assassinado, em 25 de janeiro de 2002. Chico Lins, como era conhecido pelos colegas, foi morto com sete tiros durante investigação da máfia dos combustíveis em Minas Gerais.

A premiação será no dia 25, quando se completa mais um ano da morte do promotor. O objetivo do prêmio, segundo a Associação Mineira do Ministério Público, é estimular a publicação de matérias relacionadas com a atuação do Ministério Público brasileiro e reconhecer e premiar trabalhos jornalísticos que se destaquem por tornarem acessíveis ao público informações sobre o MP.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600