SIGA O EM

Imagens de suspeitos de furtar maquinário usado para limpeza da lama em Mariana são divulgadas

O prejuízo causado pelo crime ultrapassa R$ 2 milhões. Além das máquinas, os criminosos deram golpes em postos de combustíveis em um hotel e uma locadora de veículo, que teve levado uma caminhonete

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 990956, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Lafaete Loca\xe7\xf5es/Divulga\xe7\xe3o', 'link': '', 'legenda': 'Os criminosos levaram quatro m\xe1quinas usadas na limpeza de cidades atingidas', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/01/14/725037/20160114125333385301a.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}]

postado em 14/01/2016 12:46 / atualizado em 14/01/2016 15:19

João Henrique do Vale , Tetê Monteiro /Estado de Minas

Lafaete Locações/Divulgação

O roubo cinematográfico de máquinas usadas para limpar cidades atingidas pelo rompimento da Barragem do Fundão, em Mariana, na Região Central de Minas, está sendo apurado pela Polícia Civil. Dois homens que se hospedaram em uma pousada de Ouro Preto, se apresentando como representantes de uma empresa do Rio de Janeiros que queria ajudar nos trabalhos, estão sendo procurados. Eles chegaram a prestar serviços por alguns dias antes do roubo. O prejuízo causado pela dupla ultrapassa R$ 2 milhões. Além de roubar as máquinas, os criminosos deram golpes em postos de combustíveis, em um hotel, lavanderia e em uma locadora de veículos, que teve uma caminhonete roubada.



O prefeito de Mariana, Duarte Júnior, divulgou detalhes do roubo nesta quinta-feira. Segundo ele, os dois homens se hospedaram na Pousada Arcádia Mineira, em Ouro Preto, em 4 de janeiro. No local, se identificaram como Anderson Vieira e Lucas Cunha, e disseram ser funcionários de uma empresa do Rio de Janeiro. Relataram que queriam prestar serviços para ajudar na abertura de estradas nas regiões atingidas, como os distritos de Paracatu e Pedras.

Em dezembro, os dois homens já haviam entrado em contato com a Prefeitura de Mariana e apresentaram documentação da empresa do Rio de Janeiro, que é legal, mas que não tem relação com o caso. Um contrato com o município foi feito. Já em Belo Horizonte, a dupla fez a locação de maquinário de construção pesada na empresa Lafaete - Locações de Máquinas e Equipamentos para Obras. Foram alugados 11 equipamentos. Desses, 10 foram enviados para Mariana. Os suspeitos coordenaram os trabalhos nas comunidades de 4 a 10 de janeiro. As máquinas eram operadas por moradores da região, que também não receberam pelo serviço, segundo o prefeito.

Após perceber que os equipamentos de localização instalados nas máquinas não davam mais sinais, a empresa Lafaete entrou em contato com a prefeitura, que constatou o sumiço das maquinas na segunda-feira. Foram levadas três escavadeiras hidráulicas de grande porte e uma retroescavadeira. Seis foram recuperadas em Mariana – três máquinas e três caminhões. Elas estavam estragadas. Segundo Rogério Marques, controller da Lafaete, a suspeita é que os homens podem ter tentado quebrar os rastreadores dos veículos, provocando causando pane. A empresa de locação afirmou que o prejuízo com o roubo do maquinário é estimado em R$ 2 milhões.

Além disso, os dois homens deixaram de pagar uma dívida de R$ 1,7 mil em um hotel, R$ 90 mil de uma locadora de veículos, onde roubaram uma Ranger do proprietário do estabelecimento. Prejuízos também foram dados em um posto de combustível e em uma lavanderia. Marques informou que acredita que a dupla não está longe da cidade, pois, para transportar o maquinário, precisa de rampas e veículos especiais.

De acordo com o delegado Rodrigo Bustamante, foi aberto inquérito para apurar o caso, mas a investigação ainda está no início. “Tomamos ciência dos fatos e instauramos o inquérito policial. As versões apresentadas pelo prefeito ainda não estão dentro do inquérito policial, pois não foi feita nenhuma oitiva”, explicou o policial.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600