SIGA O EM

Corredor da São Silvestre faz protesto pacífico contra a tragédia de Mariana

O atleta José Márcio Zanetti correu a prova com uma réplica da barragem de Fundão na cabeça. Ele disse que a ''intenção é fazer um alerta ao país''

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 983311, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Luiz Ribeiro/EM/DA Press', 'link': '', 'legenda': 'Jos\xe9 M\xe1rcio Zanetti correu com r\xe9plica da barragem na cabe\xe7a', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2015/12/31/721308/20151231130228513964e.jpg', 'alinhamento': 'left', 'descricao': ''}, {'id_foto': 983312, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Luiz Ribeiro/EM/DA Press', 'link': '', 'legenda': 'Muitos atletas amadores mineiros correram homenageando suas cidades', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2015/12/31/721308/20151231131442480670u.jpg', 'alinhamento': 'left', 'descricao': ''}]

postado em 31/12/2015 12:51 / atualizado em 31/12/2015 13:15

Luiz Ribeiro

São Paulo - A revolta contra os danos ambientais provocados pela tragédia de Marina chegou à Corrida de São Silvestre, a mais tradicional prova do atletismo brasileiro, disputada nessa manhã, nas ruas de São Paulo, com 30 mil participantes.

O protesto contra os estragos pelo rompimento da barragem de rejeitos de minério da Samarco foi levado para a corrida pelo motorista José Márcio Zanetti, de 56 anos, natural de Ribeirão Preto (SP). Ele participou da prova carregando na cabeça uma réplica da barragem de Fundão, que rompeu no dia 5 de novembro, devastou o distrito de Bento Rodrigues e provocou destruição ao longo do Rio Doce em Minas Gerais no Espírito Santo.

Luiz Ribeiro/EM/DA Press


''A minha intenção é fazer um alerta ao país. A tragédia de Mariana foi o maior desastre ambiental dos últimos tempos. Devastou um ecossistema que vai demorar séculos para ser recuperado. Estou protestando para que providências sejam retomadas a fim de que uma tragédia como essa não se repita'', disse Zanetti. Ele fez a réplica da barragem de Fundão com o uso de isopor e outros materiais recicláveis.

Morador de Vitória, o aposentado Jair da Conceição, de 66 anos, que trabalhou na Vale como técnico em mecânica durante mais de 20 anos, também participou da Corrida de São Silvestre e elogiou a iniciativa do protesto na prova de atletismo, ''Lamentavalmente, os danos provocados pelo desastre em Mariana também atingiram o meu estado, o Espirito Santo. Acho que a culpa pela ocorrência de uma tragédia ambiental dessa é do sistema político, que é corrupto. Os mesmos políticos que criam as leis para fiscalizar as mineradoras recebem doações das empresas para suas campanhas'', afirmou Conceição.

A corrida de São Silvestre também contou com a participação de muitos mineiros, dominados apenas pelo espírito esportivo e pela alegria. Foi o caso das amigas Ines Batista e Liliana Gurilem, que ''disputaram'' a prova com uma grande faixa com o nome da cidade onde residem, Itabirito. ''Vim a São Silvestre pelo quarta vez seguida. É muito bom encerrar o ano correndo e com alegria'', disse Inês.

Luiz Ribeiro/EM/DA Press
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600