SIGA O EM

Samarco diz que Barragem do Fundão não será reconstruída

Segundo a empresa, não há intenção de reconstruir a estrutura, rompida em novembro. Dezessete pessoas morreram e outras duas ainda estão desaparecidas

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 981723, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Juarez Rodrigues/EM/D.A Press - 06/11/2015', 'link': '', 'legenda': 'Distrito de Bento Rodrigues foi varrido pela lama em 5 de novembro', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2015/12/26/720363/20151226162456967859i.jpg', 'alinhamento': 'left', 'descricao': ''}]

postado em 26/12/2015 16:15 / atualizado em 26/12/2015 16:25

Cristiane Silva

Juarez Rodrigues/EM/D.A Press - 06/11/2015

A Samarco não deve reconstruir a barragem de rejeitos do Fundão, que rompeu em 5 de novembro, causando 17 mortes e deixando duas pessoas desaparecidas em Bento Rodrigues, na cidade de Mariana, Região Central do estado. A informação foi confirmada neste sábado pela assessoria de imprensa da mineradora, informando que "não há intenção" de reconstruir o dique.

"A empresa esclarece que as investigações sobre o acidente estão sendo realizadas pelos órgãos competentes e está colaborando ativamente neste processo", informou a empresa, por meio de nota.

Nesta semana, a mineradora já havia comunicado a execução de obras para reforço das estruturas remanescentes da Barragem do Fundão, bem como a construção dos diques de contenção de rejeitos. Conforme a empresa, as obras estão dentro do cronograma previsto, e as barragens se encontram estáveis, monitoradas 24 horas por dia.

Em 23 de dezembro, o presidente da Samarco, Ricardo Vescovi, na sede da Polícia Federal (PF) em Belo Horizonte. Detalhes da oitiva não foram divulgados.

A corporação abriu inquérito para investigar crimes ambientais provocados pela tragédia com a Barragem do Fundão, que rompeu em 5 de novembro e deixou 17 mortos e dois desaparecidos. Um dos crimes que pode ser imputado aos investigados, com pena prevista de um a cinco anos de prisão, é “causar poluição hídrica que torne necessária a interrupção do abastecimento público de água de uma comunidade”, como aconteceu em Governador Valadares.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600