SIGA O EM

Polícia Federal recolhe amostras de rejeitos de barragem rompida em Mariana

Trabalhos realizados na manhã desta quarta-feira tiveram o apoio de uma equipe do Corpo de Bombeiros na cidade

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 974605, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'CBMG/Divulga\xe7\xe3o', 'link': '', 'legenda': '', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2015/12/16/717846/20151216140935962380a.jpg', 'alinhamento': 'left', 'descricao': ''}, {'id_foto': 974606, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'CBMG/Divulga\xe7\xe3o', 'link': '', 'legenda': '', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2015/12/16/717846/20151216140943855889a.jpg', 'alinhamento': 'left', 'descricao': ''}]

postado em 16/12/2015 14:02 / atualizado em 16/12/2015 17:46

Cristiane Silva

CBMG/Divulgação

Uma equipe da Polícia Federal recolheu amostras de rejeitos do rompimento da Barragem do Fundão em Mariana, na Região Central do estado. Os trabalhos foram realizados na manhã desta quarta-feira. No mês passado, a PF abriu um inquérito para apurar as circunstâncias da tragédia, que deixou 17 mortos e dois feridos.

Segundo o Capitão Thiago Miranda, da assessoria de imprensa do Corpo de Bombeiros, os policiais foram levados em um helicóptero Arcanjo, acompanhados de uma equipe de militares, a diferentes pontos da região para recolher as amostras. Conforme o capitão, a corporação não tem detalhes das investigações.

O pedido de apuração por parte da Polícia Federal foi feito pelo Ministério Público Federal (MPF). De acordo com a PF, a abertura de inquérito aconteceu porque os rejeitos atingiram o Rio Doce, que é bem da União, já que banha mais de um Estado. A corporação vai apurar os possíveis crimes previstos no artigo 54, § 2º, incisos I, II e III, e 62, da Lei nº 9.605/98, que trata de delitos ambientais.

Em nota, a Polícia Federal em Minas Gerais informou que está realizando perícias no local do incidente, para apurar a causa e a extensão dos danos ambientais ocorridos.
CBMG/Divulgação
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600