SIGA O EM

Bombeiros cogitam encontrar corpo em caminhão soterrado na área da tragédia de Mariana

Veículo estava soterrado em Bento Rodrigues, um dos distritos mais atingidos pela lama de rejeitos da barragem de Fundão. Militares tentam acessar o veículo

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[]

postado em 15/12/2015 18:06 / atualizado em 15/12/2015 18:15

João Henrique do Vale

As buscas por três funcionários terceirizados da Samarco, responsável pela mina que se rompeu em Mariana, na Região Central de Minas Gerais, continuam. Na tarde desta terça-feira, militares do Corpo de Bombeiros de Ouro Preto encontraram um caminhão nas proximidades da Barragem de Fundão, em Bento Rodrigues. Há a possibilidade de ter vítimas dentro da cabine. Um desencarcerador foi levado ao local e a perícia da Polícia Civil foi acionada.

Desde 5 de novembro, dia da tragédia, foram confirmadas 16 mortes. O último corpo encontrado foi do morador de Bento Rodrigues, Antônio Prisco de Souza, de 74 anos, o Totó. Ele morava com uma irmã em uma das primeiras casas atingidas. Um problema de coração o obrigou a aposentar precocemente e, por isso, pouco saía de casa, limitando-se a cuidar das galinhas e dos cachorros. O corpo dele estava em um local de difícil acesso próximo ao distrito de Camargos.

Ainda seguem desaparecidos os funcionários Ailton Martins dos Santos, de 55, Vando Maurílio dos Santos, de 37, e Edmirson José Pessoa, de 48.

Investigações

As apurações sobre as causas e responsabilidades do rompimento da barragem em Mariana, que além das mortes causou a maior tragédia ambiental do Brasil, continua sendo feita pelas polícias Civil e Federal, além dos ministérios públicos Federal e Estadual.

O Delegado regional de Ouro Preto, Rodrigo Bustamante, já ouviu mais de 48 pessoas, entre elas o diretor-presidente presidente da Samarco, Ricardo Vescovi, profissionais responsáveis por áreas técnicas da mineradora, funcionários terceirizados que estavam trabalhando no local no dia da tragédia e familiares das vítimas. A Polícia Civil conseguiu na Justiça dilação de 30 dias no prazo para a conclusão do inquérito.

Aguarde mais informações
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600