SIGA O EM

Visão do Rio Doce tomado pela lama choca passageiros do trem da Vale entre BH e Vitória

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 972841, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Ramon Lisboa/EM/D.A Press', 'link': '', 'legenda': 'O trem atravessa uma das pontes no Rio Doce. Cen\xe1rio que atra\xeda turistas hoje s\xf3 causa tristeza e raiva', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2015/12/13/716762/20151213073535345206e.jpg', 'alinhamento': 'left', 'descricao': 'O trem atravessa uma das pontes no Rio Doce. Cen\xe1rio que atra\xeda turistas hoje s\xf3 causa tristeza e raiva'}, {'id_foto': 972842, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Ramon Lisboa/EM/D.A Press', 'link': '', 'legenda': 'Dona L\xeddia Marquioli conta que em Resplendor, sua cidade, a \xe1gua agora \xe9 captada no Rio Barroso', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2015/12/13/716762/20151213073855393784u.jpg', 'alinhamento': 'left', 'descricao': 'Dona L\xeddia Marquioli conta que em Resplendor, sua cidade, a \xe1gua agora \xe9 captada no Rio Barroso'}, {'id_foto': 972843, 'arquivo_grande': '', 'credito': '', 'link': '', 'legenda': '', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2015/12/13/716762/20151213084518607313o.jpg', 'alinhamento': 'left', 'descricao': ''}]

postado em 13/12/2015 06:00 / atualizado em 13/12/2015 08:45

Mateus Parreiras - Enviado especial

 

Ramon Lisboa/EM/D.A Press

Aimorés, Baixo Guandu e Governador Valadares – Nos assentos à direita do vagão de passageiros, quem estava acordado cutucava a pessoa ao lado e até a acordava se preciso fosse. Em poucos minutos de comentários consternados, todas as janelas já estavam tomadas de gente atônita, com os rostos pregados nos vidros. Do outro lado do corredor, os demais passageiros ficaram de pé, esticando o pescoço para ver. Alguns, tão assustados que apoiavam o queixo sobre as mãos, como se acabassem de receber uma notícia triste. “Nossa Senhora, mataram nosso rio!”. “Será que essa água amarela nunca vai parar de descer?” Os comentários que se seguiram foram uma reação espontânea dos passageiros da Estrada de Ferro Vitória Minas (EFVM) que viam pela primeira vez o Rio Doce depois de o curso d’água ter sido inundado por milhões de metros cúbicos de lama e rejeitos minerários da Barragem do Fundão, em Mariana, em 5 de novembro.


Antes dessa tragédia socioambiental, a visão dos montes arredondados e cobertos pela mata atlântica e do manancial que forma o Vale do Rio Doce – e que serviu de homenagem até para nomear a companhia mineradora que atualmente opera os trens – era aguardada com ansiedade pelos passageiros, que queriam admirar a paisagem no trajeto entre Minas Gerais e o Espírito Santo. “O rio tinha os remansos, as pedras, os animais do mato, as criações, as fazendas e os sítios nas suas margens. Como o trem vai devagarinho, dava para ver as coisas com mais detalhes. Quando você está de ônibus é tudo muito rápido. Daí dá para imaginar a pessoa no cavalo. Para onde vai, passando na beira do rio levando as criações para beber água? Isso acabou, porque ninguém mais leva gado para beber dessa água”, observou o aposentado José Liberato Alves, de 70 anos, que seguia a trabalho de Belo Horizonte para Governador Valadares e pela primeira via os trágicos resultados do rompimento da barragem pertencente à mineradora Samarco.

É depois de curvas fechadas onde ficam estacionadas as composições carregadas com as bobinas de aço da Usiminas, em Ipatinga, no Vale do Aço, que as águas do Rio Doce se tornam visíveis pela primeira vez no percurso BH-Vitória. Voltando para sua cidade, Resplendor, um dos municípios banhados pelo Rio Doce e que tem uma estação própria, a dona de casa Lídia Marquioli Nicole, de 80, estava inconformada. Tinha ido à capital para fazer um tratamento oftalmológico e confessa que nem o fato de estar enxergando melhor aliviou a tristeza de ver o curso d’água daquela forma. “O Doce era um rio valente, que dava gosto de ver ultrapassando os vales e a natureza. Desde nova, vejo que cortaram muito as matas, mas a gente ainda tinha esperança de que um dia isso iria parar. Nunca imaginei que ia piorar com essa lama toda”, reclama.

Ramon Lisboa/EM/D.A Press

NATUREZA DESTRUÍDA Lídia se lembra de quando os rejeitos invadiram as águas em seu município, onde vive na zona rural. Como vários daqueles passageiros, a viagem de trem não foi a primeira experiência com a lama, mas nem por isso foi menos triste. “A gente não aceita. Quando veio aquele caldo grosso e marrom, deixando a água do rio escura e vermelha, as pessoas começaram a chorar. Agora, na nossa cidade, não estamos mais bebendo da água do Doce. Tiveram de fazer uma ligação com o Rio Barroso”, conta. Vários pontos, antes admirados, se tornaram locais desolados. A Cachoeira Escura e as quedas de água entre Governador Valadares e Resplendor deixaram de ser belos cenários que tiravam o fôlego de Lídia. O cenário natural refletido no espelho d’água em seguida dava espaço à força das quedas d’água. Hoje, restou apenas um líquido barrento e sem beleza.

A passagem do trem por Resplendor assusta. No local, o Rio Doce corre largo, como se fosse uma lagoa com um casario às margens. Hoje, a água está imunda e o que mais se vê nas ruas da cidade são caminhões-pipa estacionados às dezenas, se revezando no carregamento e descarga de água potável para a população. Ao passar por lá, a comerciante Maria José Vaz, de 47, disse que mesmo tendo recebido água tratada, preferiu não bebê-la. “Já tem casos de crianças com manchas e caroços pelo corpo. A gente não confia mesmo. É preferível lutar para receber a água mineral, que é pouca, mas não faz mal”, disse.

Uma das formas de aproveitar ao máximo a viagem era desembarcar nas estações de algumas cidades, passar o dia por lá e retomar a viagem no dia seguinte. “Descia muito mais gente no meio do caminho para dormir numa pousada ou saborear a comida mineira. Minha cunhada mesmo tinha acabado de comprar um restaurante acima do rio e está desesperada. Não vai mais ninguém lá. E quando o rio enchia era bonito ver as pacas, os patos e as capivaras por lá”, conta a empresária Vânia Almeida, de 50.

O impacto no turismo também foi sentido pelo taxista de Baixo Guandu (ES) Anderson Tomaz da Silva, de 33. “Tem menos gente buscando a viagem pelas belezas que dava para ver antes. Essa lama afugentou os turistas e ainda trouxe pânico, já que a gente aqui teve de buscar água em outros rios e foi aquela corrida das pessoas para comprar caixas d’água e fazer estoque”, conta. Com os olhos pesados, a doméstica Isaurina Gouveia Rodrigues, de 62, quase desabou em choro. Ela conta que cresceu à beira do rio e por isso não acreditava no tamanho da devastação. “Sou nascida e criada em Tumiritinga. Tomava banho nesse rio e as águas eram clarinhas. Até pouco tempo, até o prefeito vinha nadar, bebia até sem filtrar. A saudade que eu tenho mais é do rio, não é nem da minha cidade”, desabafou.

 

 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
Thiago
Thiago - 14 de Dezembro às 08:22
É muita pena que esse não será o último desastre ambiental, pois se depender do homem e do capitalismo, grandes catástrofes acontecerão!
 
Plinio
Plinio - 13 de Dezembro às 20:34
Esta agua suja de lama não é mais da Samarco e sim das chuvas que estão ocorrendo. Todos os rios nesta região estão assim.
 
Sérgio
Sérgio - 13 de Dezembro às 13:59
A Samarco é a única responsável pelo desastre ambiental. Esperamos que sejam tomadas as devidas providências já. Por fim, estou farto de tanta alienação e futilidade. Lancei o Blog dos Letrados Desalienados com o intuito de despertar o senso crítico das pessoas. O Jornal Estado de Minas não permite a divulgação do link do blog. Então, sugiro que digitem no google "Blog dos Letrados Desalienados". Os textos estão disponíveis para reflexão. Gostaria de contar com a participação e divulgação dos leitores. Desejo lhes felicidade acima de tudo. Sérgio Lopes