SIGA O EM

Justiça amplia prazo do inquérito que apura tragédia de Mariana

Solicitação foi feita pelo delegado regional de Ouro Preto, Rodrigo Bustamante, que comanda as investigações policiais

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 968644, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Ramon Lisboa/EM/D.A Press', 'link': '', 'legenda': 'Rodrigo Bustamante argumentou que o inqu\xe9rito \xe9 muito complexo e que a investiga\xe7\xe3o exige a realiza\xe7\xe3o de in\xfameras dilig\xeancias e per\xedcias', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2015/12/04/714312/20151204123250798570u.jpg', 'alinhamento': 'left', 'descricao': 'Delegado regional de Ouro Preto, Rodrigo Bustamante'}]

postado em 04/12/2015 11:53 / atualizado em 04/12/2015 12:33

Estado de Minas

Ramon Lisboa/EM/D.A Press

A Justiça autorizou a Polícia Civil a ampliar o prazo do inquérito que apura as circunstâncias do rompimento da Barragem do Fundão, pertencente à mineradora Samarco, em Mariana, em 5 de novembro. O prazo legal de 30 dias se encerraria neste sábado, mas o delegado regional de Ouro Preto, Rodrigo Bustamante, responsável pelo caso, se antecipou em pedir mais tempo, relatando ao juiz Frederico Esteves Gonçalves, da Comarca de Mariana, a série de motivos que justificam a necessidade da prorrogação. “Nosso objetivo era garantir que os trabalhos tivessem prosseguimento, sem interrupção no ritmo das apurações”, destacou.

O policial argumentou que o inquérito é muito complexo e que a investigação exige a realização de inúmeras diligências e perícias, consideradas imprescindíveis para a apuração das circunstâncias do acidente e as responsibilidades dos envolvidos. No momento, o inquérito se encontra em fase de instrução, com a coleta de depoimentos de testemunhas e investigados.

Paralelamente à Polícia Civil, a Polícia Ferderal (PF) também investiga a tragédia.  O pedido de apuração por parte da corporação foi feito pelo Ministério Público Federal (MPF). O inquérito foi aberto no dia 17 de novembro para verificar os crimes ambientais provocados  pelo rompimento da barragem de rejeitos de mineração da Samarco, que é controlada pela Vale e a BHP.

De acordo com a PF, a abertura de inquérito aconteceu porque os rejeitos atingiram o Rio Doce, que é bem da União, já que banha mais de um Estado. A corporação vai apurar os possíveis crimes previstos no artigo 54, § 2º, incisos I, II e III, e 62, da Lei nº 9.605/98, que trata de delitos ambientais.

A lama de rejeitos de mineração causou devastação sem precedentes por cidades banhadas pelo Rio Doce, além de ter devastado distritos de Mariana como Bento Rodrigues e Paracatu. 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600