SIGA O EM

Prazer em ajudar

Estudantes lideram rede de solidariedade para ajudar vítimas de tragédia

Tragédia em Bento Rodrigues mobiliza pessoas, entidades e instituições de ensino em BH. Campanha visa atender população do subdistrito e de outros municípios na Bacia do Rio Doce

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 25/11/2015 06:00 / atualizado em 25/11/2015 10:48

Gustavo Werneck

Charles Albert/Divulgação
Na frente do supermercado, no caixa eletrônico do banco, na porta do banco, no balcão da farmácia e nos quadros de aviso das universidades. Por onde o belo-horizontino passa, nas últimas semanas, vê um pedido de doação em prol da campanha SOS Mariana, para ajudar as vítimas do trágico rompimento da Barragem do Fundão, no subdistrito de Bento Rodrigues. No melhor espírito “unidos, venceremos”, a sociedade civil se mobiliza em campanhas a fim de atender a outros municípios da Bacia do Rio Doce, castigado pela lama dos rejeitos do minério de ferro.

No dia seguinte à tragédia que não para de aterrorizar a Bacia do Rio Doce, o estudante do Centro Universitário UNI-BH Felipe Brandão Costa, de 25 anos, começou a arrecadar doações no câmpus Estoril, onde cursa engenharia civil. "Sou de Ouro Preto, cidade vizinha a Mariana, e de imediato pensei nessa atitude solidária. Tenho amigos que trabalham na mineradora, conheço gente em Mariana, então pensei nas dificuldades de cada um. De início, pensei em arrecadar apenas água, mas foram chegando também roupas e alimentos, e consegui mandar tudo de imediato, conseguindo também um transporte solidário de uma empresa de ônibus", conta o rapaz.

Esta não é a primeira vez que Felipe tem oportunidade de ajudar quem precisa, embora em situações bem diversas. Quando estudava no Instituto Federal de Minas Gerais (IFMG), em Ouro Preto, ele participou de uma "pelada" para arrecadar recursos e comprar presentes de Natal para crianças carentes. "Desta vez, quero agradecer a meus colegas de faculdade e à coordenadora-adjunta do curso de engenharia civil, Rafaela Baldi Fernandes", ressalta.

Felipe Costa/Divulgação
Na PUC Minas, o trabalho de arrecadar donativos está a cargo da pastoral da universidade, em parceria com a Secretaria de Cultura e Assuntos Comunitários da instituição de ensino. Segundo o coordenador-geral da pastoral, professor Edmar Avelar de Sena, a campanha que se desenvolve em todas as unidades, no estado, tem Mariana como símbolo. "Arrecadamos donativos, principalmente água e produtos de higiene pessoal, para os municípios atingidos, como Barra Longa, Belo Oriente, Governador Valadares e outros ao longo do Rio Doce", afirma Edmar. A primeira remessa, num caminhão, para distribuição tem aval da Arquidiocese de Belo Horizonte e da Defesa Civil.

"As pessoas estão sensibilizadas pelo tamanho dessa tragédia, que envolve a vida humana e os lados social e ecológico. Na PUC Minas, a educação humanitária, o meio ambiente e os aspectos social e político são muito valorizados, e acreditamos que a situação gere debates e discussões", afirma o coordenador da pastoral da universidade. Em todas as campanhas, como a do Serviço Voluntário de Assistência Social (Servas), tem trabalhado não só para atender à demanda, mas também para evitar o desperdício na distribuição de alimentos.

DIREITOS Há outros aspectos em que as instituições têm ajudado. Logo de início, a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB)/MG criou um grupo de apoio às vítimas do rompimento da barragem da mineradora Samarco em Bento Rodrigues. Advogados voluntários prestaram orientação gratuita aos desabrigados, familiares de desaparecidos e feridos na cidade da Região Central do estado. A instituição também acompanha as investigações sobre as causas do desastre.

Já a Escola Superior de Direito Dom Helder Câmara criou uma comissão interdisciplinar, composta por juristas, professores e alunos da instituição, para reparação dos danos e proteção dos direitos fundamentais das vítimas. Está em andamento uma campanha para arrecadação de água e mantimentos. "Uma das necessidades primárias fundamentais nesse momento de tragédia é água potável. Por isso, abrimos as portas da nossa instituição e pedimos a colaboração de todos para que possamos socorrer os que mais precisam neste momento", disse o reitor Paulo Stumpf. Além de água, materiais de limpeza, higiene pessoal e alimentos não perecíveis também são aceitos. As doações estão sendo recebidas diariamente na portaria da Dom Helder Câmara (Rua Álvares Maciel, 628, Bairro Santa Efigênia, em Belo Horizonte).

Segundo o reitor, a Escola Superior de Direito Dom Helder Câmara tem a prerrogativa legal de ajuizar ações civis públicas, auxiliando o Ministério Público estadual nas ações relativas ao incidente, "e se coloca à disposição da comunidade, em parceria firmada com a Arquidiocese de Mariana. As vítimas que necessitarem de apoio devem acionar os meios legais por meio do Ministério Público, que estará mobilizado junto à comissão para atendimento à população".

Enquanto isso... Amor aos bichos

Os animais também são contemplados nas campanhas de recolhimento de donativos para as vítimas do rompimento da barragem da mineradora Samarco, em Bento Rodrigues. Em meio ao trabalho para enviar água, produtos de higiene pessoal e alimentos não perecíveis, a Caixa de Assistência dos Advogados de Minas Gerais, em Belo Horizonte, recebeu um bom estoque de ração para cães, suínos e bovinos. O carregamento seguirá para Governador Valadares antes do dia 30.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600