SIGA O EM

Alerta por telefone não funciona e expõe falha de comunicação em Mariana

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 24/11/2015 06:00 / atualizado em 24/11/2015 14:58

Sandra Kiefer /

Paulo Filgueiras/EM/D.A Press
Mariana – "Recebi o rapaz da Comunicação da Samarco, Rafael, que me disse assim: 'Sandra, tentei te ligar no XXXX-3556! Ô, Rafael, tem um ano que não tenho mais esse telefone lá em casa...". A revelação de Sandra Domertides Quintão, de 43 anos, é apenas mais um dos indícios que confirmam como o aspecto de segurança vinha sendo relegado em Mariana. Com jeito carismático e, ao mesmo tempo, firme e direto, ela havia tornado o Bar da Sandra a principal referência de Bento Rodrigues de 2000 até 5 de novembro, quando a comunidade foi soterrada pela lama da Samarco/Vale/BHP Billinton. Chorando e fazendo coxinhas, sem parar um minuto, Sandra conta que tinha cortado a linha do fixo havia mais de um ano. “Eles estavam desatualizados. Não fiquei sabendo, não tive comunicação nenhuma. Senão, sairia buzinando por Bento com meu carro, porque em Bento todo mundo é unido. Ninguém lá quer o mal um do outro”.

Sandra conversou com a reportagem do Estado de Minas enquanto preparava unidades em série da sua coxinha de frango com catupiry, entremeada de tabuleiros de pés de moleque, na cozinha emprestada a ela pela gerência do Hotel Providência, no centro histórico de Mariana. Já os clientes da cocada vão ter de esperar mais tempo. A máquina de fatiar o doce perdeu-se na lama. É o que a ajuda a se distrair das lembranças da tragédia, dia do rompimento da barragem do Fundão: “Meu bar era o centro das atenções. O pessoal procurava o Bar da Sandra, que ficava ao lado da igreja, das duas mangueiras”.

Depois de interromper as atividades culinárias por minutos, para abraçar a filha, Ana Amélia, de 2 anos, Sandra volta ao fogão e conta em detalhes como o povoado foi avisado do rompimento da barragem graças a uma faxineira, indicada por ela própria para trabalhar na empresa terceirizada que cuidava do viveiro de mudas da Samarco: “Ela escutou que a barragem tinha estourado na rádio da caminhonete e saiu correndo para avisar. Eles ainda tentaram convencê-la a não ir, porque ela teria de atravessar a ponte do Rio de Santarém. Mas ela saiu na moto dela buzinando. Graças a Deus, eu estava na porta da minha casa, vi e acreditei no que ela disse”.

SEM ACREDITAR Já a irmã de Sandra, Terezinha, responsável pelo tempero do frango ao molho pardo, confirma que, inicialmente, desconfiou da veracidade da informação. “Minha irmã não acreditou, achou que era poeira. Sempre havia muita poeira lá, mas daquele jeito não era normal. Eu me preocupei em pegar a chave do carro, tirar da garagem e colocar dentro minha filha e uma senhora que tinha operado o fêmur, com dificuldade para andar. Estava passando um menino que sabia dirigir e falei com ele: ‘Some com esse carro e vai para o alto do morro. Salva essa gente!’” Chorando nesta parte do depoimento, Sandra emendou que correu atrás da irmã e do irmão, foi a pé em direção à mata e, quando a lama chegava perto, pulou dentro da caminhonete de um amigo, a tempo de ver a própria casa, centenária, do tempo dos tropeiros, boiando na lama: “Foi questão de 10 minutos”.

Assista ao vídeo com depoimento de moradora de Bento Rodrigues

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
Marcelo
Marcelo - 24 de Novembro às 14:30
Não tem de ter plano de emergência. Não pode é desabar. Ninguém faz plano em caso de um prédio cair... Não pode cair!!!!