Publicidade

Estado de Minas

Chegada da lama faz Colatina suspender captação de água do Rio Doce

Prefeitura, Defesa Civil, Corpo de Bombeiros e Exército instalaram pontos de distribuição de água na cidade. A lama deve chegar a Linhares, onde fica a foz do Rio Doce, no fim de semana


postado em 18/11/2015 19:48 / atualizado em 18/11/2015 20:03

Reservatórios de 10 mil litros de água são usados para abastecer carros-pipa(foto: Agência Brasil)
Reservatórios de 10 mil litros de água são usados para abastecer carros-pipa (foto: Agência Brasil)

A lama que toma conta do Rio Doce, decorrente do rompimento da barragem do Fundão, em Mariana, no dia 5 de novembro, chegou nesta quarta-feira a Colatina, no Espírito Santo, suspendendo a captação de água do rio. O município de 120 mil habitantes começou a adotar medidas alternativas para o abastecimento.

A prefeitura, a Defesa Civil, o Corpo de Bombeiros e o Exército instalaram pontos de distribuição de água na cidade. “Estamos com caixas sendo colocadas no município. Em vários bairros temos reservatórios que serão abastecidos com carros-pipa”, disse o prefeito de Colatina, Leonardo Deptulski.

Além do abastecimento por meio de caminhões-pipa, tanques de armazenamento e distribuição de água, a prefeitura faz a captação em lagoas da região, perfura poços artesianos e constrói adutoras para amenizar o problema. Mesmo com as ações, a expectativa é de que o abastecimento alternativo atinja somente 30% da necessidade da população. Não há previsão de quando a água voltará a ser captada do Rio Doce.

“Temos que poupar muita água. Ninguém sabe quando vai ser normalizado. Mas acredito que vai demorar muito para o rio ser recuperado. A gente também não tem certeza da qualidade de água”, disse a estudante Angélica Rodrigues.

Colatina é a segunda cidade capixaba com o abastecimento interrompido após a onda de lama que se formou com o rompimento da barragem em Mariana e contamina o Rio Doce. Em Baixo Guandu, a captação foi suspensa na manhã dessa segunda-feira. Segundo a prefeitura, o abastecimento de água na cidade foi normalizado depois que a companhia de abastecimento fez obras para a captação de água de outros rios.

Uma das cidades mais prejudicadas foi Governador Valadares. O município mineiro está em situação de calamidade pública há mais de 10 dias. Cerca de 280 mil pessoas ficaram sem acesso à água potável por uma semana. A população, pega de surpresa, fez filas para comprar água mineral.

“Aos poucos, o abastecimento começa a se normalizar. Mas ainda estamos economizando ao máximo e muita gente tem que recorrer às garrafas de água mineral distribuídas em vários pontos da cidade”, disse a moradora Danni Farias. A lama deve chegar a Linhares, onde fica a foz do Rio Doce, no fim de semana.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade