SIGA O EM

PF abre inquérito para investigar tragédia com barragem em Mariana

De acordo com a PF, a abertura de inquérito aconteceu porque os rejeitos atingiram o Rio Doce, que é bem da União, já que banha mais de um Estado

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 961456, 'arquivo_grande': '', 'credito': ' Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press', 'link': '', 'legenda': 'Inqu\xe9rito vai investigar danos ambientais provocados pela trag\xe9dia', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2015/11/17/709001/20151117174742827246e.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}]

postado em 17/11/2015 17:39 / atualizado em 17/11/2015 17:51

João Henrique do Vale

 Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press

O rompimento da barragem de rejeitos de mineração da Samarco, que é controlada pela Vale e a BHP, será investigado também pela Polícia Federal (PF). O pedido de apuração por parte da corporação foi feito pelo Ministério Público Federal (MPF). O inquérito foi aberto nesta terça-feira para verificar os crimes ambientais provocados pela tragédia. Paralelamente, a Polícia Civil também abriu inquérito para investigar as causas do rompimento da mina de Fundão.

De acordo com a PF, a abertura de inquérito aconteceu porque os rejeitos atingiram o Rio Doce, que é bem da União, já que banha mais de um Estado. A corporação vai apurar os possíveis crimes previstos no artigo 54, § 2º, incisos I, II e III, e 62, da Lei nº 9.605/98, que trata de delitos ambientais.

A lama de rejeitos de mineração segue causando devastação por cidades banhadas pelo Rio Doce. Para tentar amenizar a situação, o governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel (PT), decretou situação de emergência para todos os municípios atingidos diretamente com a tragédia na Região do Rio Doce. Com isso, os Municípios podem realizar compras sem licitação e os moradores resgatarem o Fundo de Garantia. O decreto é válido por 180 dias.

Com a passagem da lama, municípios banhados pela Rio Doce vêm sofrendo as consequências. Peixes estão morrendo e o abastecimento comprometido. Em Governador Valadares, a situação é a mais tensa. Por causa do corte no abastecimento, longas filas se formaram na cidade para os moradores receberem doações de água mineral. Confusões são registradas diariamente por causa da situação.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
Ramon
Ramon - 18 de Novembro às 09:11
Agora é tarde Federal !
 
João
João - 17 de Novembro às 18:38
O Ministério Público Federal deve punir com rigor os responsáveis por essa tragédia monumental. A empresa deve ser punida civil e os responnsáveis devem ser punidos criminalmente!