SIGA O EM

Deputados são escolhidos para investigar tragédia em Mariana

Foram escolhidos nesta segunda-feira, o presidente e o vice da Comissão Extraordinária das Barragens, instalada na Assembleia. O vice, João Magalhães, além de financiado por mineradoras em campanhas eleitorais, responde a dezenas de processos na Justiça

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 16/11/2015 11:03 / atualizado em 16/11/2015 12:08

Iracema Amaral

Euler Júnior/EM/D.A Press  e Pollyanna Maliniak

Os deputados Agostinho Patrus Filho (PV) e João Magalhães (PMDB) foram escolhidos nesta segunda-feira presidente e vice-presidente, respectivamente, da Comissão Extraordinária das Barragens, que irá analisar as causas da tragédia provocada pelo rompimento de duas  barragens da Samarco em Bento Rodrigues, distrito de Mariana, na Região Central e Minas. Os parlamentares pretendem ainda analisar as condições de mais de 700 barragens no estado em função da atividade de extração mineral.

A comissão extraordinária vai funcionar no lugar de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), apesar de os autores do requerimento terem obtido número superior de assinaturas exigido pelo Regimento Interno da Casa. Ou seja, 26 assinaturas. Foram recolhidos para a CPI  das barragens 39 assinaturas. No entanto, a Mesa Diretora da Assembleia Legislativa de Minas Gerais rejeitou a instalação da CPI, que tem mais poder de investigação que uma comissão extraordinária, entre eles a quebra de sigilos ( fiscal, telefônico e bancário) e de convocação de investigados, com o uso de força policial se houver negativa em comparecer.

Deputado

A comissão extraordinária instalada no Legislativo mineiro desde a quinta-feira passada (12) é composta por 11 deputados efetivos e 11 suplentes. Dos 77 deputados estaduais, de acordo com dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), apenas 25 não receberam recursos de doação das mineradoras para as campanhas eleitorais.

O vice-presidente da comissão, deputado João Magalhães, além de receber doação de empreiteiras para se eleger, responde a vários processos na Justiça. Somente na Justiça Federal de Governador Valadares, que concentra a maioria das cidades onde o parlamentar tem base eleitoral, ele foi acusado pelo Ministério Público Federal em 33 ações civis públicas. Desse total, foi absolvido em duas delas. Todas as outras ainda estão em andamento. A mais antiga tramita há sete anos, sem decisão até agora. A mais recente é de 2009.

Ida a Mariana

Nesta segunda-feira, a Comissão de Direitos Humanos realiza em Mariana audiência para discutir a assistência às famílias afetadas pelo rompimento das duas barragens da mineradora Samarco. A comissão se reúne às 14 horas, no Teatro do Sesi, no município.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
alvaro
alvaro - 17 de Novembro às 11:25
Esses putados querem e outra coisa, precisamos e de técnicos que entendam do caso
 
CARLOS
CARLOS - 17 de Novembro às 10:19
nós já conhecemos esta COMI$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$ÃO.
 
Marcelo
Marcelo - 16 de Novembro às 20:53
Político fiscalizando alguma coisa; eles não têm moral para tal. Aposto que logo,logo, irão fazer uma viagem ao primeiro mundo para ver como funciona a coisa por lá. Bem a Dilma, o lulla, o Fhc, não param de viajar às custas do Erário, Assim os "nobres e honestos" deputados também têm o direito. Marcelo Lopes
 
CARLOS
CARLOS - 16 de Novembro às 20:50
tá faltando ai o gustavo correa nessa comi$$$$$$$$$$$$$ão.
 
CARLOS
CARLOS - 16 de Novembro às 20:49
cara desses dois pilantras. só querem $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$ das mineradoras e mamar nas tetas do poder público. quem são os fdp que escolheram esses vermes.?
 
laiston
laiston - 16 de Novembro às 19:23
O FULL,pelo andar da carruagem o pessoal de Mariana pode arrumar um local para invadirem,pois entrou politico na jogada,então o dinheiro ira SUMIR!!!
 
ednelson
ednelson - 16 de Novembro às 18:57
kkkkkkk, só nos resta rir, este país é uma piada, que figuras escolhidas, kkkkk
 
laiston
laiston - 16 de Novembro às 18:21
E pelo andar da carruagem,os habitantes desta sofrida região irão ficar sem suas indenizações tambem!!!!KKKKKKKKKKKKKKKKK
 
Full
Full - 16 de Novembro às 16:37
Se tem "comissão", escolheram o cara certo: João Magalhães. A Polícia Federal o conhece bem, desde os tempos da operação sanguessuga.
 
Gilzim
Gilzim - 16 de Novembro às 15:45
Quem elegeu essas jóias ai fomos nós mesmos. Porém agora, ninguém votou neles né... Enquanto elegermos politico como torcedores vamos ter sempre essas cenas que resultam em nada.
 
laiston
laiston - 16 de Novembro às 15:29
AIAIAIAI,este pilantras não sabem serem politicos,vão entender de rompimento de barragens,e ai que o dinheiro das indenizações irão começar a ser desviado,deixem so o prefeito de Mariana resolver isto!!
 
Angelo
Angelo - 16 de Novembro às 14:27
A lama das Barragens já atingiram a AL de minas gerais , rejeitaram a CPI e formaram uma comissão extraordinaria das Barragens , tudo do jeito que a Vale do Rio Doce exigiu ! e se ão bastasse elegeram como vice da comissão o notório dos mal-feitos e corrupto DEP João Magalhães , o poder financeiro quando quer faz o que quer inclusive compra até a alma !
 
marco
marco - 16 de Novembro às 13:23
Essa assembleia é uma piada mesmo, e a mesma coisa de colocar o Fernandinho beira-mar numa comissão para investigar o trafico de drogas, essa comissão nao vai investigar nada, ta chegando o fim de ano, recesso parlamentar, depois natal, depois carnaval e por ai vai, e o povo vai acabar esquecendo, esse é o pensamento de todo politico no país, em todas as esferas, municipal, estadual e federal, infelizmente!
 
Geraldo
Geraldo - 16 de Novembro às 13:18
Em Minas o licenciamento ambiental ainda se concentra nas mãos da SEMADE, que por sua vez não consegue exercer a atividade a contento, muito menos fiscalizar os empreendimentos licenciados. A solução passa pelo compartilhamento dos processos com os municípios, os conhecem e convivem diariamente com aquilo que é de impacto local, tendo maiores condições de licenciar e fiscalizar os empreendimentos, isto é fato.
 
Geraldo
Geraldo - 16 de Novembro às 13:17
Em Minas o licenciamento ambiental ainda se concentra nas mãos da SEMADE, que por sua vez não consegue exercer a atividade a contento, muito menos fiscalizar os empreendimentos licenciados. A solução passa pelo compartilhamento dos processos com os municípios, os conhecem e convivem diariamente com aquilo que é de impacto local, tendo maiores condições de licenciar e fiscalizar os empreendimentos, isto é fato.
 
Fernando
Fernando - 16 de Novembro às 13:03
Comissão de deputado pra investigar? Alguma vez alguma investigação coordenada por políticos resultou em alguma coisa? E investigação realizada por deputados cujos partidos são financiados pela Vale? Tudo não passa de teatro. E um teatro que vai custar caro para os cofres públicos, porque esses deputados vão receber muita $$$ para participar dessa comissão.
 
MUDA
MUDA - 16 de Novembro às 12:18
É uma piada !!! ou pior, nós fazem de besta em todas as situações. MUDA BRASIL !!