SIGA O EM

Vazão do Rio Doce diminui e lama fica mais concentrada em Governador Valadares

Quantidade menor de água que entra na Usina Hidrelétrica de Baguari carrega resíduos da mineração mais concentrados.

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 12/11/2015 11:35 / atualizado em 12/11/2015 17:27

Guilherme Paranaiba

Gladyston Rodrigues/EM/D.A.Press

A lama que devastou povoados e castiga o Rio Doce por conta do rompimento de duas barragens da Samarco em Bento Rodrigues, distrito de Mariana, segue assolando Governador Valadares, a maior cidade da Bacia Hidrográfica do Rio Doce, com cerca de 280 mil pessoas. O gerente-geral da Usina Hidrelétrica de Baguari, Walter Leite, informou que a vazão do manancial diminuiu e agora a impressão é que os resíduos da mineração estão ainda mais concentrados na água.

"Comparando a situação de hoje e ontem, a situação está um pouco pior em virtude da maior concentração da lama. Nesse momento a vazão do Rio Doce é de 126 metros cúbicos por segundo", afirma o gerente. O pico registrado na usina chegou a 760 metros cúbicos por segundo. A primeira onda de lama mais densa chegou em Baguari por volta das 9h20 da última segunda-feira e gastou 16 horas para entrar na zona urbana de Governador Valadares.



Isso significa que a situação da captação de água em Valadares ainda está longe de ser resolvida. Testes do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE) municipal mostraram que a concentração de ferro bateu 10 mil vezes acima do permitido para tratamento. A prefeitura tem usado caminhões-pipa para garantir o abastecimento dos locais prioritários e aguarda a chegada de uma locomotiva da Vale, uma das operadoras da Samarco, para usar vagões-tanque no transporte de água para a população.

A Polícia Federal da cidade suspendeu, ness quarta-feira o expediente por conta da falta de água. Segundo a assessoria de imprensa da corporação, apenas o plantão está funcionando e os serviços normais só serão retomados quando o abastecimento estiver normalizado.

MAIS PROBLEMAS O Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Doce está reunido neste momento em Governador Valadares para avaliar a situação do manancial. Prefeitos da Região Leste de Minas estão participando do encontro. O prefeito de Galileia, Rômulo Gonçalves (PMDB) informou que os cerca de 8 mil moradores estão completamente desabastecidos, pois a única captação é do Rio Doce. "Estamos desde terça-feira sem água, uma situação extremamente complicada. Fiz o pedido de seis caminhões-pipa para a Samarco e tive a notícia que dois já estão sendo enviados", afirma o prefeito que também decretou calamidade pública na cidade.

 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
Wagner
Wagner - 12 de Novembro às 13:33
Esse é o novo risco, com a calha do rio entupida, quando chegarem as chuvas que todos esperam que limpem o rio não será bem assim e novas tragédias pois o transbordo e inundações terão maior alcance e gerarão muito mais danos, não ficou nem mata ciliar para ajudar a segurar e prevenir enchentes.