SIGA O EM

Ibama multará Samarco em R$ 100 milhões

Infrações se referem ao lançamento de efluentes num rio federal, que é o Rio Doce e também pela perda de biodiversidade. Cada multa tem o valor de R$ 50 milhões

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 11/11/2015 21:05 / atualizado em 12/11/2015 17:51

Gustavo Werneck

Paulo Filgueiras/EM/D.A Press

O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) vai aplicar multas à mineradora Samarco no valor de R$ 100 milhões, informou, na noite desta quarta-feira, a presidente do órgão federal, Marilene Ramos. Depois de encontro com o governador Fernando Pimentel, em Belo Horizonte, a presidente explicou que ela e sua equipe estão avaliando laudos sobre a situação ambiental em distritos de Mariana, na Região Central, atingidos pela onda de rejeitos vazados, há uma semana, das barragens do Fundão e Santarém, em Bento Rodrigues. “Cada multa tem o valor de R$ 50 milhões, uma se referindo ao lançamento de efluentes num rio federal, que é o Rio Doce, que foge aos padrões, e também pela perda de biodiversidade”, disse Marilene.

À tarde, a presidente do Ibama sobrevoou a região de Bento Rodrigues, a mais atingida de Mariana pelo rejeito de minério. “Infelizmente, não pudemos descer no local, pois está isolado pelos bombeiros. Estamos com equipes em Mariana desde quinta-feira, e o que nos preocupa, ao ver do alto, foi que a lama continua arrastada, com riscos para as nascentes e córregos”, disse Marilene. “Estamos vendo com preocupação a situação da barragem de Germano, a terceira do complexo da mineradora. Ainda não sabemos o que poderá ser feito, embora a empresa informe que será feito o reforço”, afirmou.

Marilene informou que o desastre ambiental de Mariana servirá para que o Ibama promova um painel, com participação de especialistas nacionais e internacionais, para avaliar a situação de todas as barragens de rejeitos não só em Minas como em todo o país.

 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
Antonio
Antonio - 12 de Novembro às 09:57
Me engana que eu gosto.
 
Silvia
Silvia - 12 de Novembro às 07:44
Quem dera que o dinheiro desta provável multa fosse usado para recuperar o meio ambiente. A gente já sabe bem aonde isso vai parar...
 
Alexandre
Alexandre - 12 de Novembro às 06:35
KKKKKKKKKKKkkk O Ricardo Vescovi está se acabando de rir com 100 milhões de multa. Isto é o lucro líquido em 15 DIAS de operação da empresa! Não faz nem cócegas e não paga nem 1% do estrago....
 
Gerson
Gerson - 11 de Novembro às 23:16
A contratação de consultores internacionais é totalmente inadequado tendo em vista que não possuem experiência profissional com o tipo de solo brasileiro e especificamente "filito" com argila orgânica. Situações de outros projetos com especialistas internacionais já tiveram resultados catastróficos como o modelo estrutural do Porto de Açu / RJ que se encontra inoperante até esta data por recalques e trincas em ocorrência continua. Por qual motivo não utilizam consultores especializados em geotecnia e barragens que desenvolveram os trabalhos periciais nos maiores desastres de MG?
 
Rodrigo
Rodrigo - 11 de Novembro às 22:25
Aplicar a multa e pagá-la, há uma distância gigantesca.