SIGA O EM

Pelo menos cinco bairros de Governador Valadares estão sem água

Passagem de onda de lama pelo Rio Doce inviabiliza a captação da cidade e a população já sente as torneiras secas

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 10/11/2015 15:42 / atualizado em 11/11/2015 08:05

Guilherme Paranaiba , Renan Damasceno

Gladyston Rodrigues/EM/D.A.Press

Pelo menos cinco regiões de Governador Valadares já estão sentindo a falta de água causada pelo mar de lama das barragens que se romperam em Bento Rodrigues, subdistrito de Mariana, na Região Central de Minas Gerais. A reportagem do Estado de Minas constatou a falta do recurso em três bairros e a prefeitura da maior cidade da Bacia Hidrográfica do Rio Doce já confirmou a carência em mais dois. Foi necessário interromper a captação para o abastecimento de 280 mil moradores do município e os reflexos começaram a aparecer nesta manhã. Como a água que está passando pela região não tem condição de ser tratada, é necessário esperar a onda de lama cessar completamente antes de retomar o abastecimento. Não há prazo para isso ocorrer.

A água já está faltando na Ilha dos Araújos, conhecida pelas enchentes históricas do Rio Doce, em áreas do Bairro São Pedro, em parte do Centro e nos bairros Santa Terezinha e São Paulo. A Samarco disponibilizou 13 dos 80 caminhões-pipa solicitados pela prefeitura, que estão buscando água em Frei Inocêncio, a 40 quilômetros, e Ipatinga, a 100 quilômetros de Valadares.

Desde a sexta-feira, a população da cidade está correndo para estocar água, sem saber por quanto tempo pode sofrer com desabastecimento. O comerciante Mauro Lott, 44 anos, estocou 3 mil litros em uma caixa, para consumo de quatro pessoas da família e também para seu comércio. "Acho que consigo passar uma semana com essa quantidade. Na mercearia, só uso para molhar as verduras e legumes. O banheiro está interditado", afirma.

Gladyston Rodrigues/EM/D.A.Press


LAMA NO RIO DOCE Enquanto a cheia do Rio Doce já será percebida amanhã em Linhares, última cidade do Espírito Santo antes da foz no Oceano Atlântico, o Serviço Geológico do Brasil (CPRM) acaba de divulgar uma previsão específica para a onda de lama mais densa que circula pela calha do manancial. Com base na estimativa do órgão federal, o grosso do barro proveniente das barragens só vai entrar em Linhares na terça-feira.

O último monitoramento do CPMR mostra que a cheia do Rio Doce chegou a Colatina, já no Espírito Santo, nessa madrugada, enquanto a massa de água com elevada concentração de lama ainda está entre Governador Valadares e Tumiritinga.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600