SIGA O EM

Defensoria Pública avalia situação de desabrigados em Mariana

Órgão estadual não descarta entrar na Justiça para garantir o cumprimento dos direitos básicos dos sobreviventes do rompimento de duas barragens em Bento Rodrigues. Moradia e escola são os mais importantes

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 10/11/2015 10:24 / atualizado em 10/11/2015 11:27

Valquiria Lopes , Guilherme Paranaiba

Valquiria Lopes/EM/D.A PRESS

Uma equipe com cinco defensores públicos de Minas Gerais chegou hoje à Mariana para avaliar a situação dos desabrigados e conversar com os sobreviventes do rompimento das duas barragens da Samarco em Bento Rodrigues. O objetivo é saber qual é o número de pessoas atingidas pela catástrofe e tentar buscar uma solução imediata para garantir os direitos básicos das pessoas, que pode até ser uma ação na Justiça.

Entre as preocupações dos defensores estão principalmente a questão da moradia e a escola das crianças que estão sem aulas desde quinta-feira passada, data da tragédia. A defensora Júnia Roman, coordenadora da Defensoria de Direitos Humanos, disse que ainda é cedo para dizer quais são as medidas que serão adotadas, mas é possível que a Justiça seja acionada para garantir todos os direitos da população.

"Vamos fazer o levantamento dos dados para definir um modo de atuação da defensoria e para não agirmos de forma desconectada. Há possibilidade de entrarmos com alguma ação na Justiça ou firmarmos um termo com a mineradora para diminuir esse impacto sobre a vida das pessoas atingidas", diz a defensora. 
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
ALFREDO
ALFREDO - 10 de Novembro às 13:22
Lá vão os estagiários da Defensoria Pública atrás de holofotes.