SIGA O EM

Comitê teme poluição de água em cidades mineiras com detritos de barragens

A Câmara Técnica de Gestão de Eventos Críticos (CTGEC) do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Doce (CBH-Doce) emitiu um alerta na noite desta sexta-feira sobre a onda de cheia e as mudanças que podem ocorrer no recurso

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 06/11/2015 20:47 / atualizado em 10/11/2015 11:37

João Henrique do Vale


A qualidade da água está sob risco de alteração nos próximos dias em cidades mineiras por causa do deslocamento da lama e dos rejeitos do rompimento das barragens da Samarco em Mariana, na Região Central de Minas Gerais. Os resíduos caíram no Rio Doce e nas próximas horas devem chegar a estações de tratamento de água. A Câmara Técnica de Gestão de Eventos Críticos (CTGEC) do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Doce (CBH-Doce) emitiu um alerta na noite desta sexta-feira sobre a onda de cheia e as eventuais mudanças.

A onda que desce pela calha do Rio Doce já provocou alterações em algumas cidades. Por volta das 10h desta sexta-feira, atingiu a Usina Risoleta Neves (Candonga). A vazão no local foi de 1,9 mil metros cúbicos por segundo. A Usina acionou o plano de emergencial e começou a liberar água do reservatório, de maneira controlada. A manobra pretende regular o nível. Foi preciso suspender temporariamente a geração de energia. As cidades atendidas pela usina continuam com luz.

De acordo com o CBH-Doce, o rejeitos devem atingir o Parque Estadual do Rio Doce (Estação de Cachoeira dos Óculos) até a manhã deste sábado. Na parte da tarde, devem chegar à estação de Belo Oriente; na madrugada de domingo à estação Governador Valadares; na tarde do mesmo dia, à estação Colatina, no Espírito Santo, e até segunda-feira a Linhares.



O risco é que a onda provoque o aumento rápido do nível da água. Por causa disso, o Comitê recomenda aos usuários que protejam suas instalações de captação durante a passagem da cheia. Disse, ainda, que a natureza do resíduo em questão implica prováveis alterações temporárias nas características da água bruta, especialmente com relação a parâmetros de turbidez, entre outros.

De acordo com informações preliminares repassadas pela Samarco, o rejeito é composto, em sua maior parte, por sílica (areia) proveniente do minério de ferro. O Senai/ Cetece aalisa o material na região afetada. Os resultados devem sair nos próximos dias.

Por causa disso, é recomendado que os operadores de sistemas de abastecimento de água incrementem a produção e reserva de água tratada até a chegada da onda de cheia e que somente retomem a captação a partir da melhoria das características físico-químicas da água, considerando suas possibilidades de potabilização.



Governador Valadares


A Prefeitura de Governador Valadares divulgou um comunicado na noite desta sexta-feira explicando como o rompimento das barragens em Bento Rodrigues pode atingir a cidade. De acordo com a nota, a lama advinda do incidente passará pelo Rio Doce na madrugada de domingo. O Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE) poderá parar as bombas até que a água seja analisada. Se não houver riscos à qualidade, o abastecimento voltará ao normal. Caso contrário, será suspenso. A Defesa Civil esclareceu que, de acordo com os dados obtidos, o que vai chegar a Valadares é lama na água do Rio Doce, o que não significa que haverá inundação, ou seja, o rio permanecerá no leito.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600