SIGA O EM

Carroceiros fazem protesto em BH e cobram regulamentação de lei

Trabalhadores reivindicam melhores condições de trabalho na capital

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 910469, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Beto Novaes/EM/D.A Press', 'link': '', 'legenda': 'Carroceiros na Avenida Pedro II, em Belo Horizonte', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2015/08/19/679827/20150819103824797766o.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}]

postado em 19/08/2015 09:35 / atualizado em 19/08/2015 12:13

Rafael Passos

Beto Novaes/EM/D.A Press
Cerca de 60 carroceiros realizam um protesto na manhã desta quarta-feira, em Belo Horizonte. Os trabalhadores se concentraram na Avenida Pedro II, na altura no Anel Rodoviário e seguiram até a sede da Prefeitura da capital, no Centro. A BHTrans informou que, por volta das 11h30, os charreteiros se encontravam na Rua Goiás, entre a Avenida Álvares Cabral e Rua da Bahia.

Segundo com Giovani Roberto Soares, presidente da Associação de Condutores de Tração Animal, eles pretendem entregar ao prefeito Marcio Lacerda um ofício cobrando a regulamentação da Lei 10.119/2011 que dispõe sobre a circulação de carroceiros na capital. "Prestamos um grande serviço para a cidade. Queremos apoio e regras claras para trabalhar", opinou. Soares informou ainda que a associação reivindica um plano de aposentadoria para os carroceiros.

Ainda sem regulamentação, a legislação define regras sobre circulação de veículo de tração animal e de animal, montado ou não, em via pública do município. Entre outras normas, a legislação determina que a carga transportada deve ser compatível com o porte físico do animal e que o condutor deve respeitar as leis de trânsito durante o serviço.

Além disso, os animais devem estar saudáveis e em condições de segurança. O transporte só pode ser feito em dias úteis e no sábado, sendo reservado o domingo para descanso dos bichos.

Conforme a assessoria de comunicação da PBH, o decreto que regulamenta a lei está em fase final de discussão entre diferentes secretarias da prefeitura e a sociedade. A publicação deve acontecer em setembro.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
Marcio
Marcio - 19 de Agosto às 14:28
Sou a favor da lei que remove esse pessoal de forma definitivamente das ruas!
 
Mario
Mario - 19 de Agosto às 13:24
Que país é esse!!!!!!!!!!!!!! A que ponto chegamos!!!!!!!!!!!
 
Samuel
Samuel - 19 de Agosto às 12:40
Já não basta o mercado central com aqueles aninais todos maltratados "legalmente" agora querem uma lei para regulamentar isto em pleno século XXI, é ser muito provinciano e outra vcs acham que eles fazem descartes dos resíduos nos locais corretos ??
 
ricardo
ricardo - 19 de Agosto às 11:57
fazer passeata em cima do lombo do cavalo e facil.
 
ricardo
ricardo - 19 de Agosto às 11:55
tinha que proibir carroça numa cidade deste tamanho com subida e descidas, quem sofre e o cavalo.covardia pura.
 
Douglas
Douglas - 19 de Agosto às 11:53
Na cidade da invasão de terreno público (vide anel rodoviário e centenas de invasões) e com liminar do STJ, dos ambulantes que vendem bugigangas com liminar de defensor público pago pelo imposto do dono da loja que é prejudicado, dos milhares de moradores de rua, e da meca dos "pixadores", o único empreendimento que sobrará para a cidade de BH será os carroceiros. O último que sair apague a luz
 
Rafaella
Rafaella - 19 de Agosto às 11:36
Piada pronta esses carroceiros exigindo regulamentação do trabalho. Esse tipo de transporte primitivo não deve existir e ponto! No final das contas, quem paga o pato, com o perdão do trocadilho, são sempre os animais.
 
Ramon
Ramon - 19 de Agosto às 11:19
Detesto carroceiro, não pela profissão e sim por maus-tratos !!
 
Tercio
Tercio - 19 de Agosto às 10:56
No século atual, não podemos ter esse tipo de transporte na cidade. Os animais não possuem condições de moradia e alimentação adequadas. Tem que fazer um trabalho social de adaptação dos trabalhadores. Crir opção de renda para eles.
 
Marco
Marco - 19 de Agosto às 10:10
E só falar que é carona remunerada que as portas se abrem em bh.