SIGA O EM

Rede de água da Copasa em BH tem seis vazamentos por hora

Força-tarefa com 80 técnicos começa a procurar danos. Em 2014, foram 54 mil, que se somaram aos 'gatos' e geraram 40% de perda de água

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 05/02/2015 06:00 / atualizado em 05/02/2015 07:12

Mateus Parreiras

Edésio Ferreira/EM /D.A Press

O desafio de impedir que os vazamentos joguem fora água captada pela Copasa antes que chegue às torneiras dos consumidores da Região Metropolitana de Belo Horizonte pode exigir esforços ainda maiores do que os 80 técnicos da força-tarefa reunida pela companhia para identificar e sanar esse desperdício. Só em BH, por exemplo, foram identificados e corrigidos 54 mil pontos onde a água se perdeu por trincas, fissuras e encanamentos quebrados no ano passado, segundo a empresa. A média é de 148 vazamentos por dia – seis por hora – drenando a água do sistema de distribuição. Ainda de acordo com a Copasa, obras e intervenções com perfuração do solo que danificam as tubulações são as principais causas de danos. Já o número de conexões clandestinas chegou a 1.044 no ano passado. Vazamentos e “gatos” são responsáveis pela perda de 40% da água potável.

Em dezembro, por exemplo, quando a crise hídrica se agravou, a média de vazamentos detectados e reparados foi de 138, sendo que a quantidade de pedidos de consertos feitos pelo número 155, da Copasa, foi de 250 ao dia. Isso se explica porque há mais de um pedido de intervenção por ponto danificado, de acordo com a empresa. Os números, contudo, não levam em conta vazamentos que ocorrem dentro de imóveis, em caixas d’água, hidrantes e encanamentos domésticos, que não são de responsabilidade da Copasa.

Hoje, a força-tarefa começa a caçar os vazamentos na região metropolitana e tenta baixar para menos de nove horas de trabalho a média de solução dos casos. Os técnicos usarão coletes específicos de identificação e veículos com adesivos para facilitar o recebimento de denúncias dos consumidores nas ruas sobre redes de distribuição com defeitos e até de desvios feitos por “gatos”.

E não são apenas as obras particulares que rompem a rede de distribuição de água. Em janeiro , por exemplo, as obras de instalação de rede subterrânea de gás natural da Gasmig fizeram jorrar água potável da Copasa por várias horas na capital. O primeiro incidente foi no dia 21, na esquina das ruas Cláudio Manoel e Rio Grande do Norte, no Bairro Funcionários, Região Centro-Sul. No sábado passado, o estrago foi ainda maior com o rompimento de uma adutora que inundou a Rua Sergipe, entre a Rua Santa Rita Durão e a Avenida Cristóvão Colombo. Os reparos levaram cerca de uma hora e a água tratada que escoou foi parar na drenagem das ruas, seguindo direto para o Ribeirão Arrudas.

A falta de chuva deixou os reservatórios vazios. Desde 25 de janeiro, quando a Copasa passou a divulgar diariamente o nível das represas, a queda é frequente. O volume do Sistema Paraopeba (represas de Serra Azul, Vargem das Flores e Rio Manso) caiu de 30,26% para 29,6% (-2%). No mesmo período, caíram também os níveis das barragens de Vargem das Flores (-1,8%) e Rio Manso (-1,6%). Já o Sistema Serra Azul cresceu de 5,89% para 6,4% (8,6%).
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
CÉSAR
CÉSAR - 09 de Ferveiro às 09:48
A culpa dos vazamentos nunca é da Copasa,, com uma rêde velha e podre. Culpam sempre empreiteiras que estouram a rêde, mas se á Copasa acompanhasse as obras com mapas informando onde passa á rêde , nada disso aconteceria. Outra coisa ,, a Copasa terceiriza todo seu serviço de manutenão e não acompanha o trabalho deles.
 
Márcia
Márcia - 05 de Ferveiro às 15:39
Será que dá para explicar para os leitores deste jornal que esses vazamentos são consequência da má gestão anterior, quando não houve investimentos em manutenção da rede ? Obrigada; de nada.
 
dalcio
dalcio - 05 de Ferveiro às 08:28
Senhores, o serviço de manutenção da Copasa é amador, péssimo. Tenho como exemplo um vazamento no meio da rua Porto Seguro, 1200 no Nova Vista, é perene, há anos vaza o tempo todo, sempre ligamos, custa mas chega uma equipe com uma má vontade danada, faz um remendo superficial, fecha o buraco com terra solta e vai embora, todos os meses eles tem que voltar, depois de insistirmos e fazem o mesmo reparo amador e porco, eu disse há anos!!! Esta informação de quantidade de vazamentos está errada, se todos forem bons assim, deve ser menos, a incompetência que é grande. Alguém vai multa-los?
 
Geraldo
Geraldo - 05 de Ferveiro às 08:26
COPASA, a melhor água do Brasil! CEMIG, a melhor energia do Brasil! São apenas 12 ANOS de inércia de ambas EMPRESAS. Muita 'propaganda enganosa' e MUITA 'gente' MAMANDO NAS TETAS. Esse foi o (des)governo do PSDB em Minas Gerais. Enquanto isso, os 2 principais (ir)responsáveis estão hoje no SENADO; e 'ninguém' move uma palha sequer para 'prender' (ou 'responsabilizar') essa 'dupla dinâmica'. É demais, viu! E vão continuar fazendo mais do tipo: 'déficit zero', 'Lei 100'... ACORDA, BRASIL!!!
 
Márcia
Márcia - 05 de Ferveiro às 15:40
Concordo plenamente