Publicidade

Estado de Minas

Obra na Savassi atinge adutora da Copasa e provoca grande vazamento de água

Uma empresa fazia perfuração do asfalto para instalar uma rede de gás quando a escavadeira atingiu a adutora


postado em 31/01/2015 09:57 / atualizado em 31/01/2015 19:05

Ver galeria . 13 Fotos Perfuração no asfalto atingiu adutora da Copasa e provocou alagamento na Rua SergipeEdésio Ferreira/EM/D.A.Press
Perfuração no asfalto atingiu adutora da Copasa e provocou alagamento na Rua Sergipe (foto: Edésio Ferreira/EM/D.A.Press )

O rompimento de uma adutora da Copasa provocado por uma escavação na Rua Sergipe gerou um grande vazamento de água na manhã deste sábado, na região da Savassi. O dano na rede de abastecimento foi feito por uma retroescavadeira da Gasmig, que implanta um sistema de gás na via.

De acordo com um funcionário da Gasmig que trabalha na obra e preferiu não se identificar, foi feito um mapeamento da região para identificar redes de água, telefonia e energia, mas a adutora da Copasa não constava no planejamento.

Cerca de 10 minutos depois do início do vazamento, funcionários da companhia responsável pelo abastecimento de água na capital chegou ao local, que fica próximo à Avenida Cristóvão Colombo. Eles iniciaram imediatamente as medidas necessárias para interromper o fornecimento, mas devido à pressão e ao grande volume que passa pela adutora, o líquido jorrou durante mais de uma hora, alagando parte da rua e da calçada.

A cena da água jorrando na via pública causou indignação nas pessoas que trabalham em locais próximos e nas que estavam apenas de passagem pela Rua Sergipe. Muitos tiraram fotos ou fizeram vídeo registrando o desperdício.

A arquiteta e urbanista Roselena Carlos, moradora do Bairro São Pedro, também na Região Centro-Sul da capital, disse que deveria ter uma multa para as empresas que provocam esse tipo de incidente e que acabam mandado milhares de litros de água tratada ralo abaixo. "Há uma forte campanha do governo pedindo à população uma economia de pelo menos 30% no gasto com a água. A gente muda toda nossa rotina, consciente da crise. Aí saímos na rua e damos de cara com esse desperdício. É de doer o coração. Quem vai pagar essa conta?", questionou.

O motorista Vilmar de Oliveira, que trabalha em um edifício empresarial na rua, compartilha da mesma opinião de Roselena. Para ele, rompimentos de adutoras são resultados da falta de planejamento. "Além de um projeto rigoroso, funcionários da companhia de abastecimento deveriam acompanhar as empresas quando elas fossem furar a via. Mas, infelizmente, é tudo feito sem nenhum critério e o pior é que não há punição", disse.

(foto: WhatsApp/Divulgação)
(foto: WhatsApp/Divulgação)
Em nota, a assessoria da Copasa informou que uma equipe técnica da empresa chegou no local de manhã e trabalhou na manutenção da adutora até por volta das 17h. A companhia confirmou que o vazamento ocorreu devido a uma obra da Gasmig que atingiu uma rede de água no local. Também informou haver um cadastramento de todas as suas redes de água e que esse registro foi repassado para a empresa de gás, para auxiliá-los na execução das obras.

Ainda conforme a companhia, já foi feito um contato com a Gasmig para entender a situação. A Copasa informou que ainda não é possível precisar a quantidade de água perdida e que a limpeza está sendo executado pela concessionária. A água será escoada por meio das redes de drenagem pluvial.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade