SIGA O EM

UFMG utiliza poços artesianos antes mesmo da crise hídrica

Seis poços foram perfurados na universidade. Dois fornecem 40 mil litros de água por hora

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 29/01/2015 06:00 / atualizado em 29/01/2015 07:08

Estado de Minas

JUAREZ RODRIGUES/EM/D.A PRESS

Ninguém imaginava uma crise hídrica duas décadas atrás, mas a maior instituição de ensino superior do estado se precaveu e hoje tem como garantir o abastecimento. Naquela época, seis poços foram perfurados na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), com tecnologia da Companhia de Produção de Recursos Minerais (CPRM). Dois fornecem 40 mil litros de água por hora. Um é usado para irrigação das áreas verdes e o outro no Laboratório de Laquacultura da Escola de Veterinária, voltado para pesquisa e desenvolvimento de criação de peixes para consumo humano. Assim, os tanques, cuja água deve ser renovada e areada com frequência, não dependem da Copasa.

A UFMG desconhece a capacidade máxima dos poços, mas, estudo preliminar aponta ser possível substituir 60% do abastecimento feito pela companhia de saneamento pela produção própria. O que significa também diminuir, para mais da metade, o consumo de milhões de litros por ano a um custo de milhões de reais. A ideia agora é negociar com a Copasa equipamentos sanitários eficientes e de baixo de custo, como torneiras, mictórios inteligentes e descargas econômicas.

“Se formos previdentes, podemos disponibilizar essa água que viria para cá a outros setores da sociedade. A vantagem é que os poços estão prontos e a renovação da outorga, em andamento”, afirma o pró-reitor de Administração, Luiz Felipe Calvo. A expectativa é de uma reunião em breve com a Copasa para decidir a questão. Os equipamentos servirão para dar continuidade a uma tendência de sustentabilidade consolidada com os prédios construídos no câmpus Pampulha nos últimos 10 anos. Todos têm caixa para acumular água pluvial. Havendo chuva, o sistema automático guarda e bombeia o líquido para uma caixa específica, substituindo o insumo da Copasa nos vasos sanitários e pias. Somente essa unidade tem uma circulação de 50 mil pessoas por dia.

Consciência

A PUC Minas informou, por meio de nota, que prepara um amplo trabalho de sensibilização da comunidade acadêmica, que envolve mais de 60 mil pessoas, para economia de água. Além da comunicação on line, a instituição afixou cartazes em banheiros e outros pontos estratégicos, como bebedouros, para sensibilizar professores, funcionários e alunos.

Com o mote “Mais que evitar o desperdício, é hora de economizar. Água, um bem de todos”, a universidade aproveitará também os eventos de abertura do semestre para funcionários e alertar para a importância do consumo consciente da água. Outras ações de mobilização também estão sendo preparadas.

 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600