SIGA O EM

Sobretaxa será cobrada de quem gastar água acima da média do ano passado

Informação foi divulgada nesta quarta-feira pelo governador Fernando Pimentel, que já admite racionamento rigoroso em três meses se consumo não cair

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 29/01/2015 06:00 / atualizado em 29/01/2015 06:57

Gustavo Werneck , Guilherme Paranaiba

BETO NOVAES/EM/D.A Press

A sobretaxa no consumo de água na Região Metropolitana de Belo Horizonte será cobrada em breve de quem gastar acima da média de todo o ano passado, informou nessa quarta-feira o governador Fernando Pimentel (PT). Ele se reuniu em Brasília com a presidente Dilma Rousseff para pedir apoio federal às obras emergenciais que o estado está preparando para ampliar a captação do Sistema Paraopeba, formado pelos reservatórios Rio Manso, Vargem das Flores e Serra Azul. O objetivo é levantar os recursos estimados em “menos de R$ 1 bilhão”, conforme o governador. “Em três meses, vamos ter que racionar severamente”, afirmou Pimentel, se não chover nem houver redução de consumo.

Ele disse que a sobretaxa já está sendo preparada e será adotada com a campanha de conscientização da população para diminuir o consumo de água em 30%. A medida depende, entretanto, da decretação de uma situação crítica dos recursos hídricos pelo Instituto Mineiro de Gestão das Águas (Igam) e pela Agência Reguladora de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário de Minas Gerais (Arsae/MG). Essa é a aposta do governo para conter o consumo e tentar evitar o racionamento. “É uma medida absolutamente necessária. Se essa campanha não for suficiente, vamos para o rodízio. Se não for suficiente, vamos para o racionamento”, afirmou o governador, que hoje fará sobrevoo de helicóptero sobre o sistema de abastecimento de BH e sobre a usina hidrelétrica de Três Marias.

Segundo o chefe do Executivo estadual, a presidente prometeu apoio ao plano emergencial mineiro e no fim de fevereiro será enviado ao governo federal o projeto detalhando as obras para aumentar a captação do Rio Paraopeba. O objetivo é conseguir mais cinco metros cúbicos por segundo para poder levar a água até o Rio Manso, e, consequentemente, aumentar a quantidade do recurso hídrico no reservatório do segundo manancial. A expectativa do poder público é terminar essas intervenções em novembro.

Já o ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, informou que o governo federal estuda a melhor forma de apoiar o projeto. Pode ser por inclusão no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), como ocorreu em São Paulo com o Rio Paraíba do Sul, ou por parceria público-privada.


A crise de abastecimento no estado também foi discutida na Assembleia Legislativa ontem. Dirigentes da Copasa participaram de uma reunião na Comissão de Direitos Humanos para debater a situação na região metropolitana e no interior. Em meio às discussões dos deputados de correntes políticas opostas sobre a responsabilidade pela dificuldade de abastecimento, o diretor de Operação Metropolitana da empresa, Rômulo Thomaz Perilli, definiu a crise como “quase colapso”. “Continuando a atual previsão pluviométrica, vamos entrar em colapso no Sistema Paraopeba até julho ou agosto, ou seja, os reservatórios do Paraopeba serão esvaziados totalmente”, disse o diretor, em pronunciamento na Assembleia.

Perilli reafirmou que, de cada 100 litros que a empresa entrega de água tratada, 40 se perdem pelo caminho, por meio de vazamentos ou conexões clandestinas por conta do sucateamento das estruturas usadas no abastecimento. O diretor prevê uma situação muito complicada. “Vamos viver nos próximos meses um desafio como a empresa nunca viveu”, completa.

Pressão

Mudança na torneira, mas com aviso prévio. A Copasa informou que passará a comunicar os consumidores da região metropolitana se houver diminuição da pressão da água. Conforme o ESTADO DE MINAS mostrou ontem, vários bairros de BH já são afetados pela redução, devido à diminuição do nível do Sistema Paraopeba. Entre os atingidos, estão Buritis, na Região Oeste, Caiçara (Noroeste), Bandeirantes e Castelo (Pampulha).

“Com a política de transparência adotada pela nova diretoria, essa medida será avisada aos consumidores.Essa é uma ação utilizada ocasionalmente pela empresa – e elogiada por especialistas – para evitar que ocorra falta d'água em outras regiões de Belo Horizonte”, diz a nota divulgada pela Copasa. No entanto, não esclareceu quando os avisos serão feitos. “Estamos na fase de ajustes”, informou a assessoria de imprensa da empresa.

Ainda ontem, a Copasa informou que, após análise, um levantamento feito pelo Departamento Operacional Metropolitana da estatal detectou que o volume no fundo do reservatório de Rio Manso, que corresponde a 0,98%, não tem qualidade para o tratamento por conter resíduos sólidos, de lama pura, e está fora dos padrões para a captação.

Enquanto isso...
…Força-tarefa busca soluções

O diário oficial do estado publicou ontem o decreto que cria uma força-tarefa formada por 12 órgãos e entidades, entre eles a Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão (Seplag), a Copasa e o Instituto Mineiro de Gestão das Águas (Igam), para tratar da crise hídrica e trabalhar com base no dados do relatório Panorama Atual do Abastecimento de Água, elaborado pela companhia de saneamento. O documento aponta como crítica a situação do abastecimento de água potável, especialmente na região metropolitana. Sociedade civil, instituições privadas, órgãos federais e outros parceiros podem ser acionados pela Seplag, coordenadora da comissão, que atuará de forma articulada com o Conselho Estadual de Recursos Hídricos. Em 180 dias, a força-tarefa deverá encaminhar ao governador relatório final com descrição das atividades realizadas e conclusões obtidas e recomendações.

 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
Adalberto
Adalberto - 29 de Janeiro às 16:08
O Fernando Pimentel foi ministro do Planejamento, o que ele fez pelo planejamento do pais? NADA. Agora vem querer aumentar as taxas de agua e depois de qualquer coisa pra colocar no caixa do governo. Tudo que vem do PT deve ser olhado com critica, pois eles só fazem coisas pros CUpanheiros e todos sabemos que o Pimentel não é flor que se cheire.
 
watchtowerbrasil
watchtowerbrasil - 29 de Janeiro às 12:51
Outro problema que está afetando e muito é o desmatamento da Amazônica. Com isso, as eventuais ZAC não acontecem mais e causando essa estiagem que estamos vendo. O governo federal e a família Sarney, que explora madeira e ainda tem um filho no partido verde, são os principais culpados. Porém o principal culpado de tudo o que estamos vendo é a população brasileira que vota em políticos profissionais. Cada povo tem a água e o governo que merecem.
 
watchtowerbrasil
watchtowerbrasil - 29 de Janeiro às 12:49
O governo fica anos e anos sem investir. A "concessionária" COPASA que deveria ter um departamento para avaliar esse risco, que faz parte do negócio dela, nada fez. Desde o ano passado estamos brigando com a COPASA que principalmente em 2014, devido as eleições, omitiu a crise para beneficiar a campanha do Aécio. Com isso, mais uma vez, a população, além de sofrer com o péssimo serviço, ainda passa a ser punida pelo descaso do poder público, no caso o governo estadual e municipal.
 
Andre
Andre - 29 de Janeiro às 12:07
opa e de novo, pra combinar com o governo federal, mais uma taxa é criada na desculpa da falta dágua. pq não dão desconto pra quem economizar??
 
edmar
edmar - 29 de Janeiro às 11:39
quer verificar onde esta indo a agua de chuva que normalmente caia no sistema serra Azul , basta inspecionar as drenagens que a Usiminas Mineraçao fez para encaminhar a suas barragens .
 
Marcos
Marcos - 29 de Janeiro às 11:28
Se me cobrar alguma coisa eu vou entrar na justiça, isso é um absurdo, não investe o necessário ainda vem me cobrar multa? Quem tem que pagar multa é a COPASA.
 
Rogerio
Rogerio - 29 de Janeiro às 10:38
O que o Glauco comentou é o correto. Pq não impõe redução às mineradores ? Sem pre é a população que paga o pato (e caro). essa sobretaxa vai acabar sendo incorporada e não se discutirá mais. Ineficácia de gestores. O Sr. Fernando Pimentel deve se voltar ao que o Governo Federal fez sobre o assunto.. NADA..
 
edmar
edmar - 29 de Janeiro às 11:48
Como ter eficiencia em uma empresa que ja tem um percentual consideravel de aposentados e estao somente completar 70 anos para se desligarem .Por que nao faz um PDV?
 
Letho
Letho - 29 de Janeiro às 11:34
ô Zé Mané vc tem idéia do tamanho dos recursos que uma Mineradora coloca no caixa do governo e no bolso do trabalhador? Pense nisso antes de vir aqui postar estas asneiras.
 
Grace
Grace - 29 de Janeiro às 10:27
Caros leitores, o maior problema não é o desperdício, e sim os milhões de reais pagos aos funcionários e indicados do PT para o ministerio do meio ambiente, O que eles fizeram nesses 12 anos? desmataram a amazônia, flexibilizaram as leis ambientais. Eles sim que deveriam pagar a conta ou devolver aos cofres públicos a remuneração recebida pela péssima prestação de serviço. vamos aceitar isso passivamente? QUE AUMENTE A CONTA DE AGUA COM A DESCULPA DE CRISE NO ABASTECIMENTO, será que EM MINAS ESSA CRISE NÃO É MAIS UMA FARSA dos PETRALHAS , para aumentar arrecadação . vamos a rua isso não
 
Letho
Letho - 29 de Janeiro às 11:33
Eu já li muita imbecilidade aqui neste espaço, mas essa sua aí ganha de todas.
 
Glauco
Glauco - 29 de Janeiro às 09:54
E as mineradoras usando água de classe especial para transportar minério nos minerodutos até o Rio de Janeiro e despejas no mar. Isto a imprensa mineira que é comprada não fala. O uso residencial é responsável por apenas 7% do consumo total e querem nos fazer acreditar que o culpado pelo problema é o cara que escova os dentes com a torneira aberta. E para "resolver" o problema vão transpor o Rio Paraopeba e causar mais um imenso impacto ambiental e, como sempre, vão dar muito dinheiro público para as empreiteiras. Dê aos políticos de Minas um limão que eles farão uma limonada... muito amarga.
 
Marcos
Marcos - 29 de Janeiro às 11:33
Lembrou muito bem Glauco, eu estava em Conceição do Mato Dentro semana passada, água da Serra do Cipó para mineradora levar minério para o Rio de Janeiro tem, pra canalizar até BH não. Ainda tem trouxa que acredita nessa politicagem.
 
Druso
Druso - 29 de Janeiro às 09:35
Tem sempre uns giricos para inverter a ordem de pensamento das coisas e propagar a teoria da conspiração. Eita povinho que só pensa pequeno...
 
Druso
Druso - 29 de Janeiro às 09:33
Os clubes de BH deveriam dar sua cota de sacrifício e reduzir horários de sauna e de funcionamento geral.
 
Marcelo
Marcelo - 29 de Janeiro às 09:22
Pergunta: Quem vai multar a Copasa que demora no mínimo 48 horas para consertar um vazamento nas ruas de BH? Essa empresa além de fazer reparos mal feitos em ruas e quem desperdiça mais água!!!
 
Venicio
Venicio - 29 de Janeiro às 09:20
SErá que entendi bem ? quem esbanjou durante todo o ano passado e alcançou uma média ALTA de consumo, vai confortavelmetne continuar esbanjando pois encontra-se longe da média normal que seria mais baixa. Já aqueles que mais cuidadosos e responsáveis que se conscientizaram antes e resolveram economizar, diminuindo a média de consumo, estarão em dificuldades pois já operam perto da média e qualquer deslize vai custar mais caro. Ou seja: o estado babá e prevaricador PUNE o cidadão consciente e RECOMPENSA o esbanjador.
 
Druso
Druso - 29 de Janeiro às 09:35
Tem sempre uns giricos para inverter a ordem de pensamento das coisas e propagar a teoria da conspiração. Eita povinho que só pensa pequeno...
 
Druso
Druso - 29 de Janeiro às 09:35
Tem sempre uns giricos para inverter a ordem de pensamento das coisas e propagar a teoria da conspiração. Eita povinho que só pensa pequeno...
 
cesar
cesar - 29 de Janeiro às 08:59
Apesar de ter chovido nos últimos dias e de termos previsões de tê-la nos próximos, ainda assim se fala de sobretaxa. Já era de se esperar o governo fazendo tanto alarde dizendo que falta agua, justamente para se incluir uma nova taxa. A coisa é bem simples: 3/4 de agua tem a terra, então será que vai faltar agua em algum lugar deste planeta? O que a copasa tem que fazer é ouvir o Gilmar e arrumar um jeito de mandar somente agua pra nossas torneiras, parar de cobrar pelo ar e cobrar somente pela agua consumida.
 
Zé
- 29 de Janeiro às 08:49
O Governo estadual deve dar o exemplo fiscalizando a própria Copasa para que ela não permita o desperdício de suas atividades; e não adianta trazer o terror para o povão que já está poupando, e aqueles que exageram no consumo devem sim dar sua contribuição e poupando muita água. Todos devem, enfim, participar sob pena de falta água.
 
welzer
welzer - 29 de Janeiro às 08:40
E tem mais, como fazer uma cobrança de sobretaxa igual para os consumidores desiguais, ou seja. o bacana da zona sul que gasta 50, 100(m3) por mês enchendo suas piscinas e lavando passeios a vontade pode ser cobrado na mesma proporção de redução dos consumidores de baixa renda que já economizam por não poderem pagar valores acima do que tem condições.
 
welzer
welzer - 29 de Janeiro às 08:36
Acorda povo, a tal "redução de pressão" no sistema, é tão somente para proporcionar aos "donos" do mundo moradores da zona sul o conforto de poderem encher suas piscinas e manter a "vassoura" hidráulica em funcionamento. É óbvio que na ponta da rede, ou seja a periferia ficará sem receber água, exatamente pela falta de pressão para fazer o líquido precioso chegar em seus reservatórios.
 
Luis
Luis - 29 de Janeiro às 08:15
Solução estúpida, tal qual foi a adotada no apagão de energia em passado recente. Mais uma vez o prejudicado será o consumidor que já poupa o ano inteiro por necessidade, ou seja, o pobre.
 
GILMAR
GILMAR - 29 de Janeiro às 07:57
Antes do Governo cobrar a Sobretaxa no consumo da água ele deveria resolver o problema dos hidrômetros que giram em disparada sem água nenhuma, só ar. Na conta é cobrado uma quantidade que na verdade não foi consumida.