SIGA O EM

Indústrias mineiras desconhecem o próprio volume de consumo de água

Entidades ligadas ao setor, que na maioria captam água de poços, bacias e rios, prometem levantamento às pressas. Especialista cobra regulação da captação

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 27/01/2015 06:00 / atualizado em 27/01/2015 07:44

Luciane Evans / , Márcia Maria Cruz

O apelo da Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa) para redução de 30% no consumo de água não depende apenas do consumidor doméstico. Em reunião com o governador Fernando Pimentel ontem, o prefeito de Vespasiano, Carlos Murta, porta-voz de 34 prefeitos, afirmou que todos devem economizar. “Não importa se é o agronegócio, grande indústria ou consumidor menor. Essa economia terá que atingir o menor e o maior consumidor”, afirmou. Apesar do apelo, entidades ligadas a esses setores não têm ainda estimativas do volume desse consumo de água no estado, mas prometem um levantamento às pressas. Para especialista, está na hora de a Copasa acionar legalmente as indústrias a reduzir a captação, principalmente em áreas onde a companhia também atua.

Geralmente, as grandes indústrias não usam o recurso da Copasa”, explica Mário Cicareli, professor de hidrologia da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e fundador da Potamos Engenharia e Hidrologia Ltda. Segundo ele, o apelo para economizar 30% não caberia a elas, uma vez que captam de poços, rios e reservatórios: “A mineração, por exemplo, dificilmente usa água da companhia. Nesses casos, a captação é feita em bacias e os índices de recirculação e recuperação da água são de 85%”.

Como a água da Copasa é tratada, segundo Cicareli, se torna cara para as grandes empresas, porque elas precisam de um volume maior para produção. “Na região metropolitana, por exemplo, o maior consumo é doméstico. Mas há indústrias que compram da Copasa para consumo mais nobre, que seria de um bebedouro para funcionários, entre outros”, lembra.

Mas, além de uma captação própria, há, prevista por lei, a feita por indústrias em áreas de interesse da companhia de saneamento. “É como se houvesse uma bacia, onde 50% da água devem ser captados pela Copasa e o restante por outros, entre eles, empresas”, diz. É nesses casos que o especialista aposta que as estratégias devem ser mais severas. Segundo ele, a Lei 9.433, da política nacional de recursos hídricos, prevê que, em caso de racionamento, o abastecimento da população é prioridade.

“Já está na hora de governo de Minas exigir isso. Nesse período de caças às bruxas, a Copasa pode requerer de imediato que a lei valha e reduzir, assim, as captações empresariais existentes que estão acima da própria captação da estatal. Isso já tem sido feito em São Paulo e lá as indústrias estimam prejuízo de 40%”, afirma.

LEVANTAMENTO

O primeiro passo para fazer valer a lei, segundo o especialista, é um levantamento completo para conhecer quantas empresas têm uso competitivo com a Copasa. “Chegou o momento de pedir a uma indústria, que estiver nesse perfil, para interromper essa captação”, avalia Cicareli. Mas, por enquanto, as próprias entidades representativas desse setor não têm dados sobre o assunto e, começam, agora, a traçar o perfil disso.

Segundo o economista da Federação das Indústrias de Minas Gerais (Fiemg), Paulo Casaca, a falta de água já afeta as empresas, principalmente, do setor de bebidas e alimentos. “Todos os empresários estão preocupados, caso haja um racionamento”, afirma Paulo, informando que um levantamento da Fiemg sobre o assunto será concluído ainda esta semana. O Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram) também fará o mesmo, porém, sem previsão de entrega dos dados.

No agronegócio, no qual a irrigação é considerada a vilã do consumo de água, economizar pode ser sinônimo de prejuízo. Isso porque, para cada cultura, é calculada a quantidade necessária para germinação, desenvolvimento, floração e colheita. “Ao cortar esse volume certo, o impacto é na produção”, avalia o analista de agronegócio da Federação da Agricultura e da Pecuária do Estado de Minas Gerais (Faemg), Caio Coimbra.

Segundo ele, o produtor tem uma outorga d’água, no qual é limitada sua captação de água. “O agronegócio não está preparado para um racionamento. AProcurada pela reportagem para informar o consumo de água das grandes empresas, a Copasa não retornou as ligações telefônicas.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
Marco
Marco - 03 de Ferveiro às 10:20
Agora acordaram?!?!?! Só depois da porta arrombada é que vão colocar a tranca? Ação de mineradoras secando os afluentes, indústrias retirando a água dos rios em quantidades exorbitantes e secando minas e a população sobretaxada pelo uso da energia e água. A culpa é nossa e vamos pagar por isso?? Políticos e gerenciadores pífios, que só fazem empurrar com a barriga os problemas, isso quando não varrem p/ debaixo do tapete, por dinheiro. Estamos perdidos e mal gerenciados.
 
FERNANDO
FERNANDO - 27 de Janeiro às 14:58
O parecer que se lê nesta matéria, " o apelo para economizar 30% não caberia a elas, uma vez que captam de poços, rios e reservatórios. De onde a COPASA, as empresas, a agricultura tiram a água que utilizam? É lógico que dos rios, do lençol freático, dos córregos, das lagoas e lagos. Eles estão secando impossibilitando o ciclo básico, evaporação, condensação e chuva. Todos usam a água , bem não renovável, de todos os tipos de origem. Deve ser um engano. Todos t^em responsabilidade principalmente os políticos que são pagos para gerenciarem bem os recursos públicos.