Policial militar atropelado e arrastado em blitz tem morte cerebral em Divinópolis

O soldado continua respirando através de aparelhos, que serão desligados às 20h desta terça. Ele foi arrastado por mais de 50 metros, após ser atingido por uma caminhonete conduzida por um homem com extensa ficha criminal

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 17/09/2013 14:59 / atualizado em 17/09/2013 15:12

Simone Lima

Reprodução Facebook
Foi confirmada na tarde desta terça-feira a morte cerebral do policial militar que foi atropelado em uma Blitz, na manhã de ontem, em Divinópolis, no Centro-Oeste de Minas. O soldado Edgar Porfírio, de 29 anos, continua respirando através de aparelhos, que serão desligados às 20h. Só então, o Hospital Santa Mônica e a Polícia Militar se manifestarão sobre o óbito.

Familiares e amigos passaram à tarde na porta do Hospital Santa Mônica, aguardando notícias do soldado. Nenhum deles quis conversar com a imprensa, mas militares comentaram que o clima na corporação é de tristeza e revolta. Edgar participava de uma Blitz no viaduto da Rua Castro Alves, no bairro São José, quando foi surpreendido pelo motorista de uma caminhonete Strada. Ao invés de parar o veículo, Tiago Henrique Pereira Santos, de 24 anos, acelerou e acertou o soldado em cheio. O militar foi arrastado por mais de 50 metros.

Thiago conseguiu fugir e, horas depois, ligou para PM para denunciar um assalto. Ele afirmou que bandidos haviam roubado sua caminhonete Strada. Os policiais desconfiaram da atitude suspeita do rapaz, que entrou em contradição várias vezes. Ele acabou assumindo o crime e foi preso em flagrante pelos crimes de tentativa de homicídio, omissão de socorro e desobediência, sendo conduzido para Floramar.

O proprietário do veículo, um rapaz de 21 anos, possui 17 passagens pela polícia, a maioria por infrações e crimes de trânsito, além de ameaça e lesão corporal, e atualmente cumpre pena em regime semi-aberto. O veículo foi encontrado na comunidade rural de Trindade, em São Sebastião do Oeste, com os vestígios do atropelamento.

Edgar estava na corporação há sete anos. Ele seria promovido a cabo no ano que vem.
Tags: