20°/ 35°
Belo Horizonte,
01/OUT/2014
  • (17) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Sem proposta da PBH, servidores municipais mantêm greve Após Assembléia, grupo saiu em passeata da Praça da Estação em direção à Avenida Afonso Pena ocupando um terço das vias

Estado de Minas

Publicação: 06/05/2013 15:20 Atualização: 06/05/2013 18:27

 (BHTrans/Reprodução)
Servidores municipais decidiram manter a greve em assembleia realizada na tarde desta segunda-feira, na Praça da Estação, no Centro de Belo Horizonte. Após o encontro, aproximadamente 2 mil trabalhadores, de diversos setores, seguiram em direção à prefeitura, na Avenida Afonso Pena, o que deixou o trânsito lento em vários pontos da cidade. De acordo com o Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Belo Horizonte (Sindbel), como a prefeitura não negociou a pauta de reivindicações, a tendência é manter a paralisação, que teve início no dia 30 de abril.

Segundo o Secretário-Geral do Sindibel, Israel Arimar, os trabalhadores esperam que a prefeitura altere a proposta de 6,2 % de reajuste no vencimento base de todos os servidores, apresentada no dia 25 de abril. “Esse reajuste só terá validade efetiva a partir de janeiro de 2014, o que significa que eles fizeram 0% de reajuste para o ano vigente. Nossa intenção é promover o diálogo para que o prefeito repense um pouco essa proposta, pois o movimento está se ampliando cada vez mais”, explica.

Ainda segundo o secretário, 80% dos trabalhadores da área de cultura aderiram à greve nesta segunda-feira e, agora, a paralisação atinge, em média, 70% dos servidores municipais, incluindo áreas da administração, setorização, educação, saúde e cultura. “No Hospital Odilon Behrens, por exemplo, apenas 30% dos servidores estão trabalhando. Os que estão lá hoje são apenas funcionários contratados”, afirma.

Passeata


A manifestação foi encerrada por volta de 17h30. O grupo de mais de 2 mil servidores saiu da Praça da Estação em direção à Rua da Bahia. Em seguida, passaram pela Avenida Amazonas até a Praça Sete e seguiram em direção à Avenida Afonso Pena, até a sede da prefeitura.

Segundo Israel Arimar, enquanto alguns trabalhadores ainda circulavam pela Praça Sete, já havia parte dos protestantes chegando próximo à prefeitura, formando mais de quatro quarteirões de passeata. “Fizemos toda o protesto ocupando apenas uma faixa da via, obedecendo a liminar da prefeitura. Mas o que percebemos que essa proposta é um 'tiro no pé', pois o movimento foi ainda mais prolongado já que o tempo de travessia é muito maior”, explicou.

Em nota divulgada no dia 30 de abril, a prefeitura informou que o Tribunal de Justiça de Minas Gerais emitiu liminar determinando que os sindicatos, por ocasião de manifestações e passeatas, ocupem somente um terço das vias arteriais de BH sob pena de multa diária de R$ 100 mil.

Segundo o Batalhão de Trânsito da Polícia Militar, cerca de 3 mil manifestantes ocuparam uma faixa da direita desde a Rua da Bahia com Caetés até a Avenida Afonso Pena, no sentido do prédio da prefeitura. “Eles ocuparam apenas a pista da direita, mas, ao atravessar a Avenida Afonso Pena, acabaram obstruindo outras faixas, o que causou retenções no trânsito”, explicou o Sargento Márcio Roberto.

Ainda de acordo com a PM, o trânsito foi afetado até a Praça Raul Soares, no Elevado Castelo Branco e na Avenida Antônio Carlos, desde o Conjunto IAPI até o Complexo da Lagoinha, no sentido centro. “Com o horário de pico se aproximando, a quantidade de carros aumenta e a tendência é que o congestionamento sofra mais com os reflexos da passeata”, completou o sargento.
De acordo com a BHTrans, o trânsito ficou bastante complicado em toda a área Central e no Bairro Floresta.

Agora, segundo os trabalhadores, a expectativa é de que a prefeitura chame as entidades para reestabelecer a negociação. Nesta quarta-feira, os protestos prosseguem na Praça Sete, a partir das 9h, quando os servidores vão distribuir informes à população explicando o motivo da greve. Na quinta-feira, no mesmo horário, os trabalhadores se reúnem em nova Assembléia, na Praça da Estação.

Com Renata Stuart

Tags: celular

Esta matéria tem: (17) comentários

Autor: geraldo silveira
Como disse um no seu coméntário"VOCÊ DEFECA PELA BOCA" senhor Teo Fernandes!!!! | Denuncie |

Autor: Andréa Polazzi
Então o servidor público já sabendo que seu serviço é desrespeitado de todas as formas, não deve lutar por um salário digno? Existe gente dedicada ao serviço público sim, e estes, como ficam? O direito é do trabalhador independente do vínculo CLT/ Estatutário. Mais respeito pois tbm somos cidadãos. | Denuncie |

Autor: wagner oliveira silva
Que lindo, Fernando Rezende. Vista-se de preto e finja que não está vendo seus colegas colocando o pescoço lá no movimento pra fazer valer o que é direito de todo trabalhador: a recomposição salarial. Esses todos que ficam criticando funcionário públicos não sabem nem o que estamos reinvidicando. | Denuncie |

Autor: wagner oliveira silva
Bando de babacas ressentidos que não tem condições de passar num concurso público e começam a escrever bobagens. Sou servidor público, trabalho muito e não sou valorizado. Sequer respeitado. Esse pessoal defeca pela boca! | Denuncie |

Autor: Ricardo Fonseca
estranho muito este pessoal fazer greve, qdo entram no serviço publico já entram sabendo de toas estas mazelas.pq não pedem demissão e vem para a iniciativa privada, não vem pq aqui fora se tem de trabalhar para valer o salario recebido. | Denuncie |

Autor: Ricardo Ricardo
Prezado Marcos Ricaldoni, esta greve é uma delas. Por exemplo, os servidores da Fundação Municipal de Cultura exigem o cumprimento do artigo 48 da Lei Orgânica do Município que, se fosse cumprida, colocaria muitos desses citados por você na rua. | Denuncie |

Autor: Fernando Rezende
Sou professor da rede pública da PBH e concordo que devemos mudar nossa forma de luta. Portanto, os cidadão poderiam compartilhar de nossa forma de protesto. Eu e meus alunos vestiremos de preto no dia 14 de maio. Assim, mostraremos nossa insatisfação com o prefeito sem prejudicar os cidadãos. | Denuncie |

Autor: Roberto Pasqual
Não tenho nada a ver com essa manifestação, mas como todo o dia tem uma manifestação o trânsito fica todo engarrafado, tirando o direito do cidadão de ir e vir. Vai protestar lá na praça do papa.... | Denuncie |

Autor: Marcos Ricaldoni
Alguém saberia me dizer se algum dia na vida presenciou uma única greve dessa turma em que a pauta exigisse demissão de aspones,corruptos,apadrinhados políticos?É só ganharem um aumentinho e o cala-boca fica aceito. | Denuncie |

Autor: danilo crivellari
Esta greve de efeito pratico para a cidade é apenas o caos no transito. A GRANDE MAIORIA destes pseudo trabalhadores NÃO TRABALHAM, vivem nas tetas do povo. | Denuncie |

Autor: domicio junior
Cidade sem comando. | Denuncie |

Autor: Andréa Polazzi
Engraçado, não é o que me parece pois sou efetiva e não só eu como a maioria dos meus colegas está trabalhando normalmente no HOB. | Denuncie |

Autor: Reynaldo Rocha
De tanto esticar um dia a corda arrebenta. Basta ter um prefeito (ou gestor) como coragem para DEMITIR estes funcionários que, ao defender direitos, passam por cima de direitos os outros! O meu! De ir vir! Simples assim. | Denuncie |

Autor: Marcio Correa Filho
De acordo com a lei de diretrizes orçamentárias o Prefito só podeá aumentar os salários a partir de Janeiro de 2014. Caso ele o faça antes desta data ou este ano como quer os manifestantes ele perde o cargo e vai preso por improbidade Administrativa! LEI É LEI! PORTANTO DESCE A PM NELES! | Denuncie |

Autor: Diego NL
Quanto custa um deputado? um senador? um preso? Sabemos que não é barato. Mas um servidor também custa caro e produz pouco ou quase nada em muitos dos casos.... | Denuncie |

Autor: Paulo Paulo
Fala com o Aécio e o Lacerda que eles resolvem. | Denuncie |

Autor: Teo Fernandes
PRESTENÇÃO!!! Os militares tomaram o poder do Brasil na década de 60 exatamente por causa dessas passeatas e desordens que imperava no país. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.