13°/ 22°
Belo Horizonte,
25/JUL/2014
  • (3) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Assassinato de jornalista em Ipatinga é prioridade investigativa da Policia Civil Equipes de Ipatinga e Belo Horizonte trabalham na apuração. A Polícia Federal e a Procuradoria da República devem participar das investigações. O jornalista era conhecido por denunciar crimes com suspeita de envolvimento de policiais

Estado de Minas

Publicação: 20/03/2013 11:11 Atualização: 20/03/2013 11:27

O assassinato do jornalista Rodrigo Neto de Faria, de 38 anos, que aconteceu em Ipatinga, no Vale do Aço, é "umas das grandes prioridades investigativas" da Polícia Civil de Minas Gerais, conforme informou o chefe da corporação delegado Cylton Brandão. O jornalista era conhecido por denunciar crimes com suspeita de envolvimento de policiais e de pessoas influentes na região, até mesmo os que teriam participação de grupos de extermínio. Ele fez matérias sobre o envolvimento de policiais nos crimes que ficaram conhecidos como Chacina Belo Oriente e o grupo de extermínio "Moto Verde"

Em nota, a polícia disse que as apurações sobre a morte estão concentradas em três focos, mas o delegado responsável pelo caso, Emerson Crispim de Morais, da Divisão de Crimes contra a Vida, não revela detalhes. A polícia disse que não descarta qualquer linha de investigação. Além do delegado da região estão envolvidos na apurações o chefe do Departamento de Investigação de Homicídios e Proteção à Pessoa, Wagner Pinto e policiais deslocados de Belo Horizonte para apurar o caso.

A Polícia Federal e a Procuradoria da República devem participar das investigações do assassinato que ocorreu no último dia 8. Rodrigo foi executado por dois homens em uma motocicleta depois de sair de um churrasquinho que frequentava regularmente no Bairro Canaã. Ele chegou a ser socorrido e levado para o Hospital Municipal, mas não resistiu aos ferimentos. Formado em direito, Rodrigo lutava para conseguir passar no concurso de delegado da Polícia Civil. Ele deixou mulher e um filho de 7 anos.

Nessa terça-feira, a ministra Maria do Rosário, da Secretaria Nacional de Direitos Humanos da Presidência da República, participou de audiência pública na cidade com representantes da Polícia Civil, Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), Ministério Público, Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Minas Gerais (SJPMG) e pediu agilidade na apuração do caso e punição exemplar para os culpados.

"O Rodrigo morreu por causa do trabalho de jornalista contra os grupos de extermínio. É preciso uma mudança geral na polícia de Ipatinga. Nem todos (policiais) estão envolvidos com o crime, mas alguns protegem os criminosos ou têm medo de apurar as denúncias", disparou o presidente da Comissão de Direitos Humanos da ALMG, Durval Ângelo (PT), autor do pedido de realização da audiência.
Tags: celular

Esta matéria tem: (3) comentários

Autor: Cristiano Neves da Silva
É por essas e outras que a PCivil está caminhando pelo mesmo buraco que o Judiciário em questáo de credibilidade popular: só resolvem os casos onde dá visibilidade. A mãe do pobre e coitado que vive de marmita e é assassinado, jamais verá o autor punido! No caso Bruno, a justiça foi rápida. Só assim | Denuncie |

Autor: Anderson Portilho
Caro Gilson, além da prioridade em elucidar os crimes e colocar na cadeia os seus autores e aplicar de fato a punidade. | Denuncie |

Autor: Gilson Duarte
Não entendo porque esse crime é prioridade. Porque é jornalista? Todo crime tem que ter a prioridade para ser investigado. Toda autoridade deve investigar todos os crimes sem privilégio de classe, cor, credo, grana. A prioridade deve ser elucidar todos e colocar na cadeia seus autores. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.