15°/ 23°
Belo Horizonte,
20/AGO/2014
  • (24) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Serra do Curral: cartão-postal mutilado Moradores do Sion e do Belvedere revelam que motociclistas e ciclistas radicais usam pás, enxadas e picaretas para abrir pistas clandestinas e obstáculos que provocam erosão na área

Mateus Parreiras

Publicação: 24/08/2012 06:00 Atualização: 24/08/2012 06:49

Pistas ilegais aumentam degradação da área, que devia ser protegida (Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)
Pistas ilegais aumentam degradação da área, que devia ser protegida
Do alto do Parque Serra do Curral, programado para ser inaugurado ainda neste ano, as buzinas da capital mineira são abafadas pelo vento e dão lugar ao canto das cigarras e dos pássaros. A partir do mirante coberto pelo cerrado amarelo, paisagens como a Lagoa da Pampulha, o Estádio Mineirão e a Raja Gabáglia se descortinam. A 2,5 quilômetros dessa área preservada, a situação da cadeia de morros símbolo da capital mineira e tombada pelo município é bem diferente. Na porção oeste dos montes, entre os bairros Belvedere e Sion, em vez de flores e arbustos típicos, despontam erosões profundas como cicatrizes na vegetação, expondo pó de minério e pedras lavadas pelas chuvas. É que, ao contrário da área preservada, frequentada por ecoturistas e amantes da natureza, o lado esquecido da serra se tornou pista de corrida para motocicletas envenenadas e bicicletas. Munidos de picaretas, pás e enxadas, os praticantes desses esportes radicais aceleram os processos erosivos em nome da adrenalina.

Basta perguntar na vizinhança, que todos conhecem a rotina dos motoqueiros e ciclistas. A professora Martha Tavares, de 54 anos, conta que da Rua Correias, no Sion, já viu a turma de jovens em mountain bikes descendo da encosta da serra para o asfalto, onde uma caminhonete os aguardava. “Eles trazem as ferramentas para fazer rampas de saltos, quebra-molas, buracos. Aí, entram na trilha pelo Belvedere, descem até aqui e depois são levados de novo, pelos amigos, de volta ao Belvedere, para mais descidas”, conta. A mulher acha um absurdo a atitude, que ela classifica como vandalismo. “A Serra do Curral é de todos. Ninguém tem o direito de destruir uma coisa que está aí para embelezar a cidade onde a gente vive”, disse.

Outra vizinha da serra, a bióloga Tânia Costa, de 36, diz que nos fins de semana ficou arriscado fazer caminhadas para ver a cidade do alto do mirante do monte por causa da velocidade dos praticantes de cross. “Eles descem rápido, pulando e levantando poeira. Assim não dá para caminhar, admirar o dia e os pássaros”, lamenta.

De acordo com o geólogo e professor aposentado da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Edésio Teixeira de Carvalho, esse tipo de atividade e as intervenções feitas por meio de ferramentas podem causar danos progressivos e acelerar a erosão do solo daquela porção da Serra do Curral. “Principalmente com as chuvas, a água vai abrindo sulcos na terra desprotegida. E o pior é que há formas de recuperar isso tudo depois, mas não é uma prática e uma política comum aqui no Brasil. Então, é melhor que não se façam intervenções no solo sem orientação apropriada, porque depois o terreno não vai ser recuperado”, afirma.

Ainda segundo o especialista, esses solos, dos quais ajudou a fazer os mapas geológicos da capital mineira, os vales da Serra do Curral, como partes do Buritis, Belvedere, Mangabeiras e Sion, são compostos por rochas chamadas filito e quartzito. “O filito é formado por camadas que aprisionam água e quando seca se esfarela como se fosse um talco. Essa poeira acaba sendo lavada pelas chuvas, abrindo as erosões”, afirma.

CAMINHADAS PERIGOSAS

As trilhas que muitos usavam para caminhar estão repletas de marcas dos pneus das bicicletas e motocicletas. Nos fins de retas e descidas, onde podem ganhar velocidade, os pilotos empilharam pedras removidas dos arredores e as cobriram com terra que retiraram de pontos próximos para formar rampas e propiciar saltos. Esses buracos abertos pelas pás e a água desviada pela própria rampa já provocaram intrincados sulcos que vão se propagando à medida que a água das chuvas desce o morro. Onde o caminho tem mudanças mais fechadas de direção, a quantidade de pedras e solo removido é maior e serve para construir curvas inclinadas e altas, onde os motociclistas descem tombados, quase tocando o solo.

Além de não ser uma área nobre como as partes dos parques das Mangabeiras e da Serra do Curral, o espaço que vem sendo degradado confunde os próprios órgãos que deveriam protegê-lo. A reportagem procurou a Secretaria Municipal de Meio Ambiente, que informou não ter responsabilidade sobre o local e recomendou procurar a Fundação de Parques Municipais. A pasta que cuida das unidades de conservação e lazer informou que a área não pertence a nenhum parque implantado ou já consolidado e que, por isso, não lhes cabe nenhuma ação.

A Secretaria Municipal da Coordenação de Gestão Regional Centro-Sul chegou a dizer que a Guarda Municipal deveria cuidar do espaço, por ser “tombado pelo município”. A Guarda Municipal informou que, como se trata de um crime ambiental, a Polícia Militar do Meio Ambiente deveria ser procurada e as denúncias encaminhadas ao 190. A reportagem tentou entrar em contato com o Departamento de Meio Ambiente e Trânsito (Dmat) da PM, mas a corporação não designou um porta-voz para o assunto.
Tags: celular

Esta matéria tem: (24) comentários

Autor: Pedro Henrique
Reportagem mediocre, não conhecem NADA a região, nao falou com ninguem que pratica esporte ali, não conhece o histórico de trilhas da região (ali tinham MUITAS outras trilhas, em pessimas condições, inclusive outras que erodiram toscamente por causa de motoqueiro) e é uma asneira comparar bike e mo) | Denuncie |

Autor: Daniel Amorim
O local é usado por atletas, esportistas, e não vândalos como descrito na reportagem e o dano é mínimo. Agora, dizer que uma trilha de 1 metro de largura está destruindo a serra é muita hipocrisia. Aquele buraco de quilômetros que a mineração fez não aparece na reportagem neh! | Denuncie |

Autor: Álvaro Teixeira
a Serra do Curral é de todos? Sério? e aquela mansão lá em cima onde o proprietário cria até lhama, posso entrar lá? EPuta falta de assunto essa matéria, por que não se preocupam com o péssimo estado de conservação da trilha que dá acesso à Praça JK, cheia de valas e erosões? | Denuncie |

Autor: Prime Time 85
Eles andam pela Serra pois não existe lugar na cidade com estrutura para isto. Tudo improviso, culpa do PT | Denuncie |

Autor: Prime Time 85
Aquela linha férrea desativada na fronteira dos municípios, se depender do [P]refei[T]o de NL, vai continuar assim até a serra inteira ser rasgada por essas motos. Tomara que destruam tudo, mesmo!!! Já tá um lixo!!! | Denuncie |

Autor: dalcio araujo
Na natureza motocicletas barrulhentas estressam os animais e as pessoas, abrem buracos e destroem tudo por onde passam, só para o prazer egoista e preguiçoso de seus praticantes. Além da maioria transitar livremente sem placas e sem pagar os impostos. Um absurdo. | Denuncie |

Autor: vicent tenorio
esta destruição acontece não só na serra do curral, Varzea das Flores está acabando por causa dos "Marginas" em cima de Motocicletas, são verdadeiramente destruidores, erosões, desmatamento, além de velocidades acima do normal, e as autoridades?Agora bicicletas provocar erosões? Isso é brincadeira .. | Denuncie |

Autor: joao zschaber
E RESOLVEU ACHAR RUIM..... SERIO LEIO TODOS OS DIAS ESSE JORNAL MAS APARTIR DE HJ VOU FAZER DE TUDO PARA QUE EU E MINHA FAMILIA NAO ENTRAR MAIS NESTE SITE CAPITALISTA QUE SO PENSA EM MONEY... | Denuncie |

Autor: Ark Souza
É muito simples, feche as trilhas e arrume um lugar alternativo para pratica de esportes radicais... | Denuncie |

Autor: joao zschaber
O PESSOAL OLHAS AS MINERADORAS O TANTO QUE JA DETONARAM COM A SERRA DO CURRAL........PQ NAO FALAM DELES?? E ISSO DE MOTO BICICLETA, ESTRAGAR, GENTE COM PÁ, ISSO NAO EXISTEM... ISTO É ALGUEM DE GRANDE ESCALÃO DESSE JORNALZINHO MEDIOCRE QUE MORA AI PERTO.. UM DIA TAVA DE MAL HUMOR A VIU A MOTO PASSAR | Denuncie |

Autor: Marcelo
Pronto. Não demorou para a mineirada reacionária aparecer. Definitivamente, em BH o negócio é beber cachaça. Só hipócrita!!! | Denuncie |

Autor: Teo Fernandes
A população aumenta na planeta em 200 mil pessoas POR DIA (já descontadas as mortes) e os habitantes cada vez mais agressivos com o planeta...estamos com os dias contados. | Denuncie |

Autor: Alexandre Maciel
Quanta hipocrisia! Mineirar a área pode (vejam senhoras e senhores, no Google Earth quem de fato destrói a área!), passar e bicicleta não! | Denuncie |

Autor: Bruno Melo
Quanta bobagem. As mineradoras acabaram com a Serra. Agora o sujeito vai lá fazer caminhada, trilha e qualquer outro passeio e não pode? É obvio que deve haver fiscalização, mas quem destrói a serra não são estes que estão na reportagem. | Denuncie |

Autor: Bruno Alberto
O povo que acha a serra um cartão postal já a viu de cima? | Denuncie |

Autor: Alexandre Maciel
Ora, então que se regulamente os esportes motorizados, esses sim causam erosões, e que haja fiscalização (e punição) para quem depredar o local. Agora proibir as bikes é uma covardia. A décadas ali foi caminho para a linha ferroviária desativada de Nova Lima. BH: cidade inimiga das bikes! | Denuncie |

Autor: ricardo cardoso
E isso ai tiao junior,so sabem proibir,mas nao dao solucao de nada.O melhor e ficar fumando maconha . Mente fazia e oficina do diabo-se existir .NAO CONHECO NEM ORGAO QUE QUEIRA FAZER PARTE DO SOCIAL ,SO QUEREM ESTORQUI O CIDADAO | Denuncie |

Autor: Alexandre Maciel
Que absurdo! Já estão justificando a proibição antecipada das bicicletas no local. Querer comparar um esporte não motorizado com um motorizado é um absurdo! O ciclistas já não podem andar pelas ruas, agora serão impedidos de passar pelas trilhas... BH: cidade inimiga das bikes! | Denuncie |

Autor: valmir marques
eles derrubam cercas, assustam bichos, atropelam pequenos animais...uma praga esse negocio de trilha, rally..coisa de mentecaptos. | Denuncie |

Autor: Elvio Luiz Correa
É muito engraçado, quem pratica esporte na serra é ruim degrada e tal. As mineradoras que aleijam a serra são legais. | Denuncie |

Autor: Pedro Henrique
BH é assim mesmo! TERRA SEM LEI! Voce liga pro 190 pra reclamar de barulho mandam ligar pra pPBH, voce liga pra PBH manda ligar pro 190, e vira um loop sem fim.. ESTAMOS SOZINHOS E A POPULACAO TEM QUE SE UNIR ARRUMAR UMA FORMA DE COBRAR OS IMPOSTOS QUE PAGAMOS! BH = TERRA SEM LEI! parabens EM! | Denuncie |

Autor: domicio junior
Cade o IBAMA para proteger a area.O que acontece que quem faz trilha geralmente é endinheirado ou seja fica impune. | Denuncie |

Autor: Fábio Nunes
Vamos valorizar primeiro a vida humana, tem criança com fome morando debaixo de viadutos... | Denuncie |

Autor: Sebastião Junior
Tem alguma coisa errada! Motociclista usando pás, enxadas e picaretas????? Essa eu nunca vi. Mas como aqui é o curral da proibição, logo fecham tudo. Nos EUA e outros desenvolvidos a prática do esporte é incentivada e são criados parques para isso. Aqui, a solução é sempre proibir e fechar tudo. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.