17°/ 30°
Belo Horizonte,
31/OUT/2014
  • (1) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Fhemig demite servidores Saúde substitui contratados por concursados e diz que paralisação não prejudica atendimento à população

Pedro Ferreira -

Publicação: 28/06/2012 06:00 Atualização: 28/06/2012 06:51


A Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig) demitiu ontem 133 funcionários com contratos administrativos e convocou concursados para substituí-los. A Secretaria de Estado de Saúde (SES) informou que a greve dos servidores, iniciada no dia 14, não afeta o atendimento e a população não está prejudicada, pois não há hospitais trabalhando em escala mínima. “Dos cerca de 13 mil servidores da Fhemig, aproximadamente 10% aderiram à paralisação. Em oito dos 21 hospitais da rede nenhum servidor aderiu à greve. Além disso, a paralisação não inclui os médicos e se restringe a enfermeiros e técnicos de enfermagem”, informa nota da SES. “O governo de Minas reafirma que sempre esteve aberto a negociações”, acrescenta.

O diretor do Sindicato dos Trabalhadores da Saúde (SindSaúde), Renato Barros, disse que a Fhemig já vem fazendo, há algum tempo, a substituição dos contratos administrativos pelos concursados. “Faremos a defesa de todos os trabalhadores demitidos na ilegalidade. Agora, não temos como questionar aqueles que estão sendo nomeados em substituição aos contratos administrativos”, afirma. Segundo ele, a greve continua e a próxima assembleia está marcada para a quarta-feira da próxima semana.

De acordo com a SES, o diálogo e as negociações com sindicatos acorrem desde fevereiro. No dia 19, durante mais uma rodada de negociação com dirigentes da Asthemg e do SindSaúde, o governo apresentou proposta que atende reivindicações das entidades, com a concessão de reajustes salariais e de benefícios relativos à gratificação complementar, insalubridade, adicional noturno e de emergência. “A implementação das medidas implicará impacto anual de R$ 100 milhões no orçamento da SES”, informa a nota.

De acordo com a proposta apresentada, a gratificação complementar concedida a auxiliares de apoio, técnico operacional, enfermeiros e analistas de gestão e assistência à saúde da Fhemig aumentará de 20,7% para 30% a partir de agosto deste ano. A gratificação complementar aumenta para 40% em agosto de 2013 e para 50% em agosto de 2014. Outra proposta é aumentar em 330% a base de cálculo da insalubridade, que passaria de R$ 200 para R$ 660, além de adicional noturno de 20% sobre o valor da hora noturna para servidores que têm direito aos benefícios.

Outra sinalização é o aumento de 50% no valor do adicional de emergência, concedido a todos os profissionais do setor de urgência e emergência na Fhemig. Em relação aos profissionais que atuam na Fundação Hemominas, será criada uma gratificação complementar para equiparar o valor final da remuneração (composta pelo vencimento básico e gratificação complementar) com os profissionais da Fundação Hospitalar, contemplando auxiliares, assistentes técnicos e analistas de hematologia e hemoterapia.

Esta matéria tem: (1) comentários

Autor: fernanda rodrigues
Acho que este senhor que fez este comentário abusivo, nunca precisou do Sus para ser atendido, pois ele esta muito equivocado quanto ao nosso trabalho,graças a enfermagem que vc pode ser atendido. nós trabalhamos muito e estas pessoas demitidas são seres humanos igual a vc,apesar da falta de educação | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.