Publicidade

Estado de Minas

Depoimento de testemunha complica situação de policial suspeito de 21 mortes

Laércio Soares de Melo, de 48 anos, o 'Cabo Melo', principal suspeito da morte do despachante Francisco Santos Filho, o Chiquinho Despachante. Além disso, pode estar envolvido em mais mortes e já foi definido pela polícia como psicopata


postado em 27/03/2012 09:06 / atualizado em 27/03/2012 11:38

Laércio Soares de Melo, de 48 anos, o %u201CCabo Melo%u201D,(foto: Jornal de Notícias)
Laércio Soares de Melo, de 48 anos, o %u201CCabo Melo%u201D, (foto: Jornal de Notícias)
Uma testemunha ouvida na segunda-feira pelo delegado Rodrigo Bossi, da Delegacia de Especializada de Homicídios de Belo Horizonte, complicou a situação do cabo da Polícia Militar Laércio Soares de Melo, de 48 anos, o “Cabo Melo”, principal suspeito da morte do despachante Francisco Santos Filho, o Chiquinho Despachante. Segundo a polícia, o PM também é suspeito de ser um matador em série, com a possibilidade de envolvimento em 21 assassinatos.

O cabo da PM, que está preso em Montes Claros desde a manhã de domingo, foi definido pelo delegado como um psicopata, que sempre adota a mesma tática: aproxima de alguma pessoa que lida com negócios e adquire a sua confiança, ao ponto de a vítima transferir carros e imóveis para seu nome, além de emprestar dinheiro. Depois disso, elimina a vitima e fica com seus bens.

Conforme o delegado Rodrigo Bossi, foi ouvido ontem um rapaz que revelou detalhes sobre o envolvimento do cabo Melo com o desaparecimento do despachante, que foi visto pela última vez na tarde de 30 de dezembro de 2009, em companhia do PM, sendo que o seu corpo jamais apareceu. A testemunha também prestou informações sobre atitudes adotadas pelo cabo Melo após o sumiço de Chiquinho Despachante e que comprovariam a ligação dele com o desaparecimento da vítima. “Conseguimos muitos avanços nas investigações. Mas ainda não podemos revelar detalhes, porque ainda temos que são os possíveis co-autores do crime do Chiquinho”, assegurou Bossi. O rapaz ouvido ontem foi incluído no Programa de Proteção de Testemunhas – Pro-Vida, do governo federal.

Na semana passada, foi ouvido um outro morador de Montes Claros, cujo depoimento foi considerado pela policia como a chave para o esclarecimento do crime. Ele revelou ter recebido oferta de R$ 5 mil de Laércio Melo para matar o despachante, mas rejeitou a proposta contou Bossi. O rapaz, que teria sofrido ameaças, também foi incluído no programa de proteção de testemunhas do governo federal.

No início da noite de segunda, o advogado de Laércio de Belo, Julio Antonio Canela, disse que tomou conhecimento do depoimento da testemunha. “Fiquei sabendo que a testemunha prestou informações que estariam ligadas à incriminaççao do meu cliente, mas não tive acesso ao inquérito. Até estive com o delegado Rodrigo Bossi, que disse que o inquérito está à nossa disposição. Mas, só amanhã (hoje), quando ler o inquérito que poderei emitir qualquer parecer em relação a defesa técnica”, afirmou Canela. O advogado anunciou que ainda nesta semana vai pedir a revogação da prisão do cabo, que está recolhido no 10º Batalhão da Polícia Militar de Montes Claros.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade