Suspeito é procurado pelo desaparecimento de menina após a morte da mãe em Valadares

O homem morava na casa da vítima há mais de dois anos. Polícia não soube dizer se os dois mantinham um relacionamento

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 14/02/2012 15:05 / atualizado em 14/02/2012 20:44

João Henrique do Vale

Polícia Civil/Divulgação
A polícia já tem um suspeito pelo sumiço da menina Nívea Victória Leite, de 2 anos, e pelo homicídio da mãe dela, Renata Aparecida Leite, de 26. O delegado Clériston Lopes de Amorim, da delegacia de Homicídios de Governador Valadares, na Região do Rio Doce, informou que o homem, que setá sendo procurado, morava na casa da vítima há mais de dois anos. Ele já tem quatro mandados de prisão em seu desfavor.

Gilmar Alves dos Santos, de 42, chegou a dar depoimentos à polícia, mas com um nome falso. “Conversamos com ele, mas o depoimento não contribuiu para nada. Aqui em Governador Valadares ele se apresentava como Rodrigo e apenas agora descobrimos o nome verdadeiro dele”, afirma o delegado Clériston Lopes.

A garota Nívea Victória Leite está desaparecida há quase um mês. Ela foi vista pela última vez no dia 27, junto com a mãe que era dona de um salão de beleza. O corpo de Renata foi encontrado quatro dias depois, num matagal às margens de uma estrada vicinal no Distrito Industrial de Valadares. Segundo a polícia, a mulher teria sido morta a tiros e facadas. Policiais fizeram buscas, mas nenhum vestígio da menina foi encontrado.

Polícia Civil/Divulgação
Um suspeito do crime chegou a ser preso, mas deve ser solto nos próximos dias. “Pedimos a prisão temporária de 10 dias para ele, que vence ainda esta semana. Vamos avaliar para ver se ele teve participação no crime e se vamos pedir a manutenção da prisão”, afirma o delegado.

Os policiais intensificaram as buscas por Gilmar Alves. Um mandado de prisão temporária já foi expedido contra ele. “Já fizemos várias diligências em cidades do Vale do Aço, Região do Mucuri e até em Belo Horizonte, mas não o encontramos”, diz Clériston Lopes.