Estado de Minas - Acompanhe as últimas notícias sobre Minas Gerais, economia, política, nacional, internacional, ciência e tecnologia Você, Empreendedor

SIGA O EM

Estética/Planejamento

Plano de negócios bem definido é base para sucesso no empreendimento

Mas é preciso estar alerta à instabilidade da economia, que pode tornar investimentos temerários

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 10/05/2015 06:06 / atualizado em 10/05/2015 07:54

Jorge Macedo - especial para o EM

Edésio Ferreira/EM/D.A Press

A veia empreendedora pulsa em qualquer tempo da vida financeira do país e a despeito dos momentos difíceis da economia, como 2015 está se configurando. Se há alguma vantagem para os pequenos empreendedores em tempos de crise, ela pode estar na maior disposição de investidores de aplicar recursos disponíveis gastando menos. É um dos casos de oportunidade observados pela professora e consultora em gestão empresarial Kathleen Garcia Nascimento, mas que só se concretizam com um plano de negócios muito bem definido e estruturado, regra básica para quem almeja o empreendimento próprio.

“Pode ser uma oportunidade se os financiadores desejarem fazer o empreendimento e o estudo de mercado sinalizar o retorno do investimento mais à frente”, afirma. Sem pular nenhuma das fases do planejamento estratégico do negócio, o empreendedor estará afiado com os pontos fundamentais para tomar a decisão. Kathleen Garcia enumera nessa empreitada as definições do negócio, dos produtos e serviços, análise do mercado,  marketing, estruturas organizacional e logística, equipe, planejamento físico e financeiro.

A consultora destaca que todos os fatores considerados devem estar em harmonia, como uma engrenagem em perfeito funcionamento, o que aumenta as chances de sucesso do empreendedor. “Os cuidados são necessários em qualquer momento da economia. O mercado disponível é o que determina o empreendimento”, diz a consultora.

Não se pode esquecer, ainda, de uma avaliação criteriosa das exigências legais envolvidas no negócio desejado, por determinação de órgãos como a Junta Comercial de Minas Gerais, Receita Federal, Receita Estadual, prefeitura, o Instituto Nacional de Seguro Social (INSS), sindicato patronal e, como no segmento de salões de beleza e clínicas de estética, as exigências da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Para as academias de ginástica é preciso registro no Conselho Federal de Educação Física.

Para o professor e consultor Rogério Tobias, a crise da economia pode servir, muitas vezes, como impulso para motivar um processo de criatividade e diferenciação do negócio. “As crises são cíclicas no Brasil. O negócio que não quebra, em geral, é de gente criativa e insistente para atrair uma quantidade de clientes que dão preferência à empresa”, afirma.

Com o desaquecimento da economia, neste ano, Rogério Tobias tem atendido mais empreendedores em busca de orientação. Boa parte deles só percebe num cenário de dificuldades que deixou de cuidar da boa relação com os clientes e da satisfação deles e do treinamento de seus funcionários, segundo o consultor. “Bom empreendedor tem de acreditar profundamente no negócio e fazer isso de maneira inteligente. É um trabalho duro, sempre”, afirma.

Outro alerta é o esforço para trabalhar bem o plano de negócios num ambiente em que a instabilidade da economia torna investimentos temerários. “Mais do que a crise econômica, vivemos um período de expectativas negativas. O empreendedor deve ter em mente que precisa gerar fluxo de caixa nos bons períodos para bancar eventuais dificuldades”, observa Rogério Tobias.

O valor do investimento no negócio está associado tanto ao capital disponível pelo empreendedor quanto ao desenho que ficar definido no plano estratégico. A título de exemplo, a consultora Kathleen Garcia traçou um salão de beleza avaliado em R$ 1,250 milhão, dos quais R$ 750 mil seriam reservados para a compra de equipamentos, R$ 200 mil às ações de lançamento e marketing. Custos pré-operacionais, incluindo a formalização da empresa e as despesas com estudos de mercado, foram estimados em R$ 50 mil e as necessidades de capital de giro em R$ 100 mil. A reforma do espaço físico custariam mais R$ 150 mil.

Além de desenhar o negócio, o planejamento estratégico m pressupõe definir missão, visão, valores e objetivos. “É preciso fazer um levantamento das oportunidades, ameaças, forças e fraquezas, estabelecendo as estratégias futuras. Envolve avaliar a localização adequada, considerando acessibilidade e entorno”, diz a consultora. A etapa da análise de mercado pode ser precedida de uma pesquisa de mercado.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600