Estado de Minas - Acompanhe as últimas notícias sobre Minas Gerais, economia, política, nacional, internacional, ciência e tecnologia Mundo Pet

SIGA O EM

MUNDO GATO

Entre Mitos e verdades

Ideias equivocadas sobre o comportamento dos felinos são fruto de sua natureza independente

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 922702, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Gladyston Rodrigues/EM/DA Press', 'link': '', 'legenda': '', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2015/09/12/687460/20150911170746601743u.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}]

postado em 12/09/2015 00:10 / atualizado em 11/09/2015 17:27

Carolina Braga

Gladyston Rodrigues/EM/DA Press


Uma visita na sua casa. A criança ensaia uma aproximação com o gato e a mãe solta: “Cuidado, gato é traiçoeiro”. Pronto, comprou briga. Se a relação com os felinos tem uma coleção de mitos, eis a mais clichê delas e capaz de tirar do sério quem convive com o bichano. “É um animal extremamente carinhoso, companheiro que espera na porta de casa, gosta de entrar no banheiro com o dono. Não tem absolutamente nada de verdade no que falam”, garante a veterinária Tathiana Mourão dos Anjos, da clínica especializada em felinos Mia Vida.

Se os gatos são cercados por inverdades, elas foram formuladas historicamente. Como Tathiana conta, ainda na Idade Média, as mulheres consideradas bruxas foram caçadas. Elas eram, na realidade, cidadãs comuns, que não se rendiam aos dogmas da Igreja. “Como eram independentes, também foram marginalizadas. Viviam sozinhas, e nada melhor do que ter a companhia de um gato. Por isso, eram tidos como animais de bruxaria”, explica. A história de que gato preto dá azar também tem sua origem aí.

As ideias equivocadas sobre o comportamento da espécie são fruto da natureza independente. Eles são mesmos acostumados a se virar sozinhos. Esse perfil tem, inclusive, aumentado o número de pessoas que escolhem ter um felino. “Existem pesquisas que garantem que em 2022 a população doméstica felina será maior do que a canina”, informa Tathiana Mourão.

Ser independente, no entanto, não significa comportamento hostil. Tal como qualquer animal, os gatos têm suas diferenças de personalidade, mas pedem carinho e distribuem afetos. É característica do comportamento felino, por exemplo, a chamada agressão redirecionada. São os rompantes que os animais dão quando se assustam com determinada situação. Pode ser que agridam quem está na frente, mas mais por causa do susto.

REAÇÃO NORMAL
  Assim como ocorre com os cães, há diferenças de raças. maine coon e norueguês da floresta, por exemplo, são mais dóceis. Aqueles mais reservados são, sim, temperamentais com crianças que fazem a linha Felícia e gostam de ficar pegando, apertando.

Os gatos ronronam, ou seja, quando estão felizes, fazem um barulho que parece um motorzinho ligado. Graças a esse comportamento carinhoso, tem gente que acha que é transmissor de asma. Tathiana Mourão garante que não tem nada a ver. “É como se fosse o abanar de rabo do cachorro. Ronronar é um ato de demostração de alegria. Existe a situação: quando está muito doente, também ronrona. Imagina-se que seja para tentar se sentir melhor.”
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600