Estado de Minas - Acompanhe as últimas notícias sobre Minas Gerais, economia, política, nacional, internacional, ciência e tecnologia Mundo Pet

SIGA O EM

Big brother pet

Donos filmam os bichinhos para entender como eles se comportam sozinhos em casa

Quem deixa seu pet muito tempo sem companhia em casa deve ficar atento. Se o cão apresentar mudanças significativas de comportamento ele pode estar sofrendo de ansiedade da separação

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 905085, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'arquivo pessoal', 'link': '', 'legenda': 'Donga e Mel ficam tranquilos e comportados quando est\xe3o sozinhos', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2015/08/08/676342/20150807174053139756a.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}, {'id_foto': 905086, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'REPRODU\xc7\xc3O DA INTERNET', 'link': '', 'legenda': '', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2015/08/08/676342/20150807174207459034e.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}]

postado em 08/08/2015 05:53 / atualizado em 08/08/2015 13:29

Juliana Cipriani /Estado de Minas

arquivo pessoal


Bono aproveita quando a 'mãe' não está por perto e pula em cima da mesa. Em dias de sorte, consegue até roubar docinhos de casamento – os preferidos são os de damasco. Donga e Mel aproveitam a ausência dos 'pais' para dormir quase o dia todo. Já Dory gosta de dar voltinhas no terraço para tomar um ar e depois volta para a escada, onde fica à espera de seu tutor. Em comum eles têm o fato de ter nascido cachorros e ficar sozinhos boa parte dos seus dias. A curiosidade sobre como passavam o tempo levou Sarah, Marcelo e Luiz Fernando, assim como outros tantos responsáveis por pets, a filmar seus animais, ao melhor estilo Big brother.

Nas cerca de nove horas que passa sozinha, Dory, uma golden retrievier de 1 ano e 4 meses, não para quieta. Ela se diverte com brinquedinhos, sobe para o terraço para correr um pouco, deita, brinca de novo e vai para perto da escada quando vai se aproximando a hora da chegada do tutor, o administrador de redes Luiz Fernando Piantino, de 34 anos. 'Vi esse tipo de vídeo na internet e também queria ver o que a Dory aprontava quando não estou em casa. O que me surpreendeu foi que ela está sempre explorando alguma coisa', conta Luiz Fernando, que mora em Passos, no Sul de Minas.

O administrador fez um vídeo em time-lapse, sistema que tira uma foto a cada três segundos, e condensou tudo em uma versão de 13 segundos. Em outra ocasião, ele também acoplou uma câmera na cadela para ver o mundo do ponto de vista dela. 'Saí correndo e ela veio atrás para brincar. É bem engraçado porque a visão é diferente', afirmou.

A economista Sarah Guimarães Guedes, de 30, resolveu filmar seu maltês Bono, de 7 anos, para tentar descobrir como o pequeno consegue subir na mesa. 'Acho que ele sobre no braço do sofá e pula, mas não consegue descer. Fica lá em cima sem comer, beber ou fazer xixi e quando chego em casa se desorienta.' Até o fechamento desta edição, as tentativas ainda não tinham sido bem-sucedidas, mas Sarah registrou momentos de sono e curiosidade do 'filho', que se mostrou atento à gritaria de crianças brincando no prédio, na região Centro-Sul de Belo Horizonte. Ele sobe e desce do sofá, derruba a almofada e cheira e olha quase enfeitiçado para seu alvo preferido: a mesa.



TEMPO REAL

'O Bono já desembrulhou e comeu bem-casado que deixei na mesa. Uma vez tinha um pote de damasco selado, ele destruiu e comeu. Ficou três dias vomitando', lembra a economista. Outra 'arte' do maltês foi tirar um iPod de dentro de uma mochila e mastigar seu fone. O aparelho sobreviveu. Em um dia típico, o cãozinho fica até 12 horas sozinho, já que Sarah trabalha e estuda.

A preocupação com o comportamento dos cães lhasa apso, que ficam sozinhos no apartamento em Juiz de Fora, na Zona da Mata, levou o casal Marcelo de Oliveira e Silva, de 37, e Daniele Novais da Silva, de 29, a acompanhar o dia dos dois em tempo real. O gerente de projetos Marcelo se conectou por skype aos 'filhos' Donga, mais conhecido como Don, de 4 anos, e Mel, de 5. 'Tinha medo do temperamento deles. Queria saber se ficavam tristes ou choravam, porque os vizinhos sempre disseram que são muito quietos e não latem. Descobri que ficam muito tranquilos, comportados, brincam entre eles quando acordados, mas a maior parte do tempo ficam dormindo', conta Marcelo. Mel gosta mais de ficar no sol e Don procura a sombra. Eles só latem quando o casal chega em casa.

REPRODUÇÃO DA INTERNET

Os bichos nas telinhas

A fantasia sobre o que os animais fazem na ausência dos donos inspirou o filme Pets, a vida secreta dos bichos, cujo trailer foi lançado recentemente pela Universal Pictures. A animação, com estreia prevista no Brasil para o segundo semestre de 2016, mostra as rotinas de cães, gatos, peixes e pássaros de uma forma bem-humorada. Veja trailer oficial (2016) HD no YouTube.


Separação pode causar traumas


Quem deixa seu pet muito tempo sem companhia em casa deve mesmo ficar atento. Se o cão começar a apresentar mudanças significativas de comportamento ele pode estar sofrendo de ansiedade da separação. Nessa condição, o animal pode ter diferentes reações, na tentativa de chamar a atenção do seu tutor. Pode passar a fazer as necessidades nos lugares errados, latir ou chorar muito, ficar prostrado ou mesmo manifestar excesso de euforia. Outra característica do estresse é a automutilação e o excesso de lambeduras.

Segundo a professora de terapêutica veterinária da UFMG Gilcinéa Santana, os bichos que sofrem da ansiedade da separação podem ainda ficar mais suscetíveis a doenças de pele ou respiratórias, apresentar imunidade baixa ou perda de peso. “Quando essa separação é muito extensa e, às vezes, a pessoa chega em casa e tem outras prioridades, sem dar atenção ao animal, isso gera ansiedade.”

passeios Pelo bem do seu pet, o ideal, segundo a veterinária, é evitar se ausentar por longos períodos e, quando sair, enriquecer o ambiente com brinquedos e objetos para ele morder. Deixe comida e água à vontade. Antes de sair e ao chegar em casa, é preciso sair com ele para passear.

Outra dica é tentar evitar os rituais que possam ser associados à separação: por exemplo, uma despedida dramática que muitos costumam adotar.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
Marcos
Marcos - 09 de Agosto às 09:32
Me incomoda essa moda de substituir animais de estimação no lugar de filhos e de idosos. Vejam a que ponto hipócrita chegamos: "pet" significa cão nessa reportagem....Estão sendo movimentado bilhões de reais num mercado de franca e contínua expansão e essas mesmas pessoas em sua maioria sequer são capazes de doar recursos para pessoas necessitadas ou dedicar uma hora da sua semana de forma voluntária à causas de contexto social. Nada contra ter bichinhos de estimação( já tive vários ). Mas essa hipocrisia de valorizar mais um animal em detrimento do ser humano me revolta!
 
Marcelo
Marcelo - 09 de Agosto às 11:44
Marcos, acho normal algumas pessoas gostarem mais de bichos do quê de gente! É só dar uma olhada nas mazelas que o homem cria pelo mundo que você vai entender! A palavra hipocrisia não cabe a quem assume a sua preferência de forma clara e honesta. Não fique revoltado, apenas respeite quem pensa e age diferente de você! Detalhe: Gosto tanto de animais, como de pessoas.
 
Marcelo
Marcelo - 08 de Agosto às 21:13
Muito melhor que a porcaria do Big Brother da globo!!!
 
FelipeGuerra
FelipeGuerra - 08 de Agosto às 11:59
Eu mesmo instalei câmeras de alta definição em casa, só para ver imagens da minha Kika, quando estou no trabalho. De vez em quando, bate aquela saudade e aí eu vou no tablet ou no PC e mato a saudade de vê-la. É tão engraçadinha quando fica sozinha. Eu choro de rir. Amo a Kika.
 
Full
Full - 08 de Agosto às 19:16
Que delicadeza...