Estado de Minas - Acompanhe as últimas notícias sobre Minas Gerais, economia, política, nacional, internacional, ciência e tecnologia Mundo Pet

SIGA O EM

Dedicação e cuidado ajudam o animal de estimação a superar a depressão

Saber diferenciar atitudes típicas da chantagem emocional que os animais de estimação fazem para chamar a atenção dos donos dos sintomas da doença é fundamental para evitar o sofrimento dos bichos

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 13/06/2015 06:08 / atualizado em 12/06/2015 18:07

Marta Vieira

jair amaral/DA/d.a press

Se a convivência humana impõe mais desafios do que se poderia imaginar, o que dizer da adaptação dos animais de estimação à vida em comum? Para os gatos adotados Bastet, uma fêmea de 5 anos, e o macho Anakin, de 2, não tem sido nada fácil compartilhar a presença do outro na nova família constituída pelos donos, o médico-veterinário Samuel Douglas Pereira de Oliveira, de 27 anos, e o professor Wagner Patrick Nicácio, de 37. “É uma luta diária pela harmonia em casa”, resume Douglas. Com a experiência profissional, ele ajudou os felinos adotados a superar alguns sintomas da depressão provocada pela perda do reinado do qual desfrutavam há cerca de cinco meses.

Aplicação de baunilha sobre o dorso dos animais, associada à medicação antiestresse, tratou manifestações que poderiam ter se agravado. Os gatos deixaram de se limpar e de comer depois que os donos resolveram dividir o mesmo espaço. Anakin foi quem mais sentiu a mudança e partiu para a briga. Bastet respondeu à altura, fazendo xixi fora dos locais determinados e arranhando o sofá e a cama.

Álvaro duarte/EM/D.A Press
A depressão não é algo incomum até mesmo entre os animais silvestres e requer atenção dedicada dos donos. Diferenciá-la de atitudes típicas da chantagem emocional ou do charme lançado pelo bicho no intuito de manipular o dono parece ser o mais difícil. No entanto, um bom começo é entender que a depressão pode significar comportamento anormal, provocado pela percepção aguçada que os animais têm de alterações de humor dos proprietários, somadas às influências do meio ambiente.

“Comportamentos como destruir móveis e objetos, se automutilar, os latidos, a agressividade ou a prostração estão relacionados, na maioria das vezes, a um ambiente inadequado. Não podem ser interpretados como depressão”, diz a médica-veterinária Júnia Maria Cordeiro de Menezes, do Hospital Veterinário da UFMG. O estilo de vida imposto ao animal também pode levar a distúrbios de comportamento. Sedentarismo e consumo excessivo de alimentos são problemas frequentes observados pela especialista tanto entre cães e gatos quanto entre coelhos, peixes e pôneis.

“O proprietário cuidadoso é capaz de perceber alterações sutis e a medicação, quando há desvios, deverá ser usada depois de uma investigação da causa e uma vez esgotadas todas as opções de corrigir a origem do problema”, afirma. Os tratamentos incluem opções além da medicação, como cromoterapia e musicoterapia. São recomendadas atitudes como conversar e cantar.

A falta do dono pode levar à depressão, a menos que sejam preservados a segurança e o bem-estar do animal. O ambiente de luto e tristeza pode mudar as atitudes do bicho. Outra causa é a solidão para raças que vivem em matilhas e as de caça, quando passam a viver em apartamentos. É justamente em razão desses problemas que os donos devem pesquisar sobre as raças melhor adaptadas ao espaço.

Bichos sensíveis

Entre os animais silvestres, da mesma forma, a depressão pode se manifestar quando há perda de um animal companheiro da mesma espécie, observa a médica-veterinária de aves e animais silvestres Tânia Negreiros Faria, representante da Comissão Especial de Animais Selvagens do Conselho Regional de Medicina Veterinária de Minas Gerais. Não é diferente se a solidão tomar conta principalmente daqueles que vivem em sociedade, como psitacídeos, também chamados de aves de bico curto, a exemplo dos papagaios, periquitos e calopsitas. “Os sintomas mais evidentes, além das mudanças de comportamento, são a falta de apetite e o desinteresse das coisas que ocorrem ao seu redor. A perda de apetite por 24 horas já pode ser fatal e, portanto, não se deve esperar muito para procurar ajuda”, alerta.

Especialista em medicina felina, a médica-veterinária Myriam Kátia Iser Teixeira observa que o tema da depressão não está pacificado na própria literatura mundial. Os gatos sofrem estresse com facilidade. “Qualquer mudança na rotina desses animais deve ser planejada com cautela.

O médico-veterinário Samuel Douglas, dono de Bastet, destaca que ainda podem desencadear sintomas de depressão doenças comuns em gatos, a exemplo de obstrução urinária em gatos não castrados, estomatites e problemas nos dentes. Os bichanos são, de fato, animais mais independentes dos donos, mas isso não significa desamor e nem pode ser motivo de descuido com eles.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600