Estado de Minas - Acompanhe as últimas notícias sobre Minas Gerais, economia, política, nacional, internacional, ciência e tecnologia Mundo Pet

SIGA O EM

Filho mais novo

Escolha da raça deve levar em conta perfil da família

Consultar um veterinário, adestrador ou criador nesse momento pode ser um bom começo para acertar

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 09/05/2015 06:13 / atualizado em 09/05/2015 07:32

Juliana Cipriani /Estado de Minas

Cristina Horta/EM/D.A Press

Eu, você, dois filhos e um cachorro! Para quem topou a proposta de família desenhada na música do sertanejo Luan Santana, é hora de avançar para um segundo passo: a escolha do peludo ideal para quem já mora na casa. E o que não faltam são opções. É bom observar detalhes como o espaço disponível para o animalzinho e o perfil das pessoas com as quais ele vai conviver. Vai ser um cão de guarda? Fazer companhia para idosos ou crianças? Acompanhar o dono nas atividades físicas? Feita essa análise, é só se informar sobre o porte e o temperamento do pet e abrir as portas para ele. Consultar um veterinário, adestrador ou criador nesse momento pode ser um bom começo para acertar.


Para quem é estreante, o veterinário Fernando Bretas, professor da UFMG e juiz de exposições caninas, dá algumas dicas que devem ser levadas em conta e lembra que todo cão é bom, desde que se adapte ao seu estilo de vida. “Ter o pelo mais longo ou curto pode influenciar na escolha, principalmente para quem mora em apartamento ou é alérgico. Tem que ver se ele é muito agitado, se late muito, é mais obediente ou independente. Outra coisa  é a longevidade da raça e a possibilidade de ocorrência de doenças genéticas que podem determinar problemas no futuro.”

Pessoas que tenham alergia, por exemplo, devem optar por cães de pelagem curta, como foxter terrier brasileiro e o pinscher. Já o pug deve ser evitado, pois solta muito pelo, assim como labradores e os golden retrievers. As pequenas raças de companhia, como poodle, yorkshire, maltês, shih-tzu, lhasa apso e pequinês, se adaptam a espaços pequenos e podem ser boas opções para quem tem criança em casa. A recomendação do veterinário é que crianças com menos de 7 anos não tenham um cão, para evitar transtornos.

Para o veterinário Marcos Xavier Silva, professor da UFMG, escolher um cachorro pela raça dá ao novo dono a vantagem de saber que ele tem chance de responder a um temperamento pré-estabelecido. Por exemplo, apesar do tamanho e da aparência, o boxer é uma raça consagrada internacionalmente como a melhor para conviver com crianças. Também são indicados os cães pastores, como o pastor-alemão. “Eles têm como índole conviver com grupos. Já o pinscher é agitado e menos tolerante, o que pode causar problema”, afirma.

O QUE OBSERVAR
Algumas raças recomendáveis

Para crianças

Boxer, cães pastores e de companhia, como poodle, yorkshire, maltês, lhasa apso e pequinês. Evitar pinscher

Casas grandes
Os cães de guarda, como fila brasileiro e rottweiler, e os de porte gigante, como mastiff inglês, napoliano e dog alemão

Casas pequenas
Cães de pequeno porte e temperamento mais tranquilo, como yorkshire, maltês e whippet, e os treinados

Para idosos
Collie (lessie), pastor-alemão, akita e algumas raças de companhia como yorkshire, schnauzer e bichon frisé

Para os esportistas
Labrador e golden retriever

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
Fernando
Fernando - 09 de Maio às 17:04
Animais não-humanos não são objetos para serem colocados à venda. Devemos adotar cães e não comprá-los. Criadores são pessoas que lucram reproduzindo e vendendo animais, o que é um absurdo. Enquanto pessoas compram cães na mão de criadores, milhões de cães apodrecem e morrem nas ONGs esperando um adotante que nunca aparece. As OINGS tem cães/gatos de todos os tipos e temperamentos, que se adaptam a qualquer família. Não é necessário comprar animal nenhum.
 
Full
Full - 09 de Maio às 21:05
Que coisa mais idiota essa de tratar cães como se fossem gente. Só muita carência afetiva explica isso.