SIGA O EM
 col-xs-12

O papel da confiança

Credibilidade embutida nas marcas está, muitas vezes, acima da competência técnica das mesmas e determina, de maneira preponderante, o valor da empresa e de seus produtos

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 771668, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Divulga\xe7\xe3o/Rede Pit\xe1goras', 'link': '', 'legenda': 'Unidade da Rede Pit\xe1goras, uma das mais prestigiadas em Minas no ensino superior privado', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2014/12/21/601487/20141229191643159870i.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}]

postado em 21/12/2014 09:42 / atualizado em 30/12/2014 11:29

Divulgação/Rede Pitágoras

O estudo as Marcas Mais Prestigiadas de Minas, além de indicar a reputação de grandes empresas com sede no estado ou que atuam em Minas traz rankings por segmentos, avaliando a reputação das empresas em 12 setores específicos da economia. São eles: metalurgia e siderurgia, mineração, alimentos, serviços públicos, bancos, saúde, varejo, telecomunicações, construtoras e imóveis, veículos, educação superior privada e transportes.

Nos mais diversos segmentos, a credibilidade ultrapassa o conhecimento técnico dos consumidores, fornecedores ou distribuidores de produtos. “Serviços e produtos de uma empresas, são indicados por um público ou atraem investimentos pela credibilidade da empresa”, diz Marco Antônio Machado, especialista em marketing e estratégia. Muitas empresas chegam a funcionar como uma carta de recomendação a quem usa seus serviços. “É o caso, por exemplo, das universidades e faculdades, que têm a reputação medida também pelo sucesso de seus alunos”, comenta. A reputação também pode fortalecer uma marca ou deixá-la vulnerável ao mercado. “É o que ocorre agora com a Petrobras. Ninguém questiona a capacidade técnica da empresa, que continua com a mesma qualidade. No entanto, com a reputação abalada, a Petrobras, grande empresa brasileira, sofre com a perda de seu valor de mercado”, observa Machado.

A superintendente da Regional Sudeste da Kroton, grupo educacional ao qual a Faculdade Pitágoras pertence, Márcia Nóbrega afirma que a reputação é um grande ativo de todo o grupo. A marca está entre os 87 nomes pesquisados no estudo Marcas Mais Prestigiadas de Minas em 2014. “A reputação da Faculdade Pitágoras foi construída com base na inovação do ensino superior, na busca pela alta qualidade da educação e, principalmente, na relação de transparência estabelecida com alunos, professores, colaboradores e investidores”, revela.

Para ela, reputação é um ativo que só é possível manter com ações sólidas e coerentes, que transmitam a missão, visão e os valores das empresas. “Nosso objetivo é implantar as melhores práticas do mercado sem perder a proximidade com as pessoas envolvidas no processo. Para isso, na Faculdade Pitágoras, oferecemos uma formação inteligente, modelo acadêmico exclusivo e soluções de aprendizagem inovadoras, fazendo com que os alunos consigam ir além do básico e preparando-os para o mercado profissional”, conclui.

CREDIBILIDADE

Especialista e consultor em marketing, Sidney Porto diz que a qualidade se tornou imprescindível na construção da reputação das empresas e que, além dos serviços e produtos com essas características, as corporações são cada vez mais cobradas por suas atitudes em relação ao meio ambiente e às boas práticas sociais. “Por isso, as empresas hoje também se destacam em rankings de sustentabilidade e de responsabilidade social. Esses temas já são muito fortes em alguns países e tendem a se intensificar cada vez mais no Brasil.”

Com mais de 40 anos de experiência em temas ligados à credibilidade das marcas, Sidney Porto não quer o menor preço, mas o melhor produto pelo qual pode pagar. “Mesmo quando dois produtos ou serviços têm o mesmo preço, o consumidor opta por aquele que lhe inspira maior confiança”, explica. Segundo o especialista, a educação superior é um dos segmentos onde a credibilidade ganha cada vez maior peso com o ranking de avaliação dos estudantes.

Um dos itens muitas vezes destacado pelas empresas é o tempo de permanência no mercado. O especialista em marketing e estratégia Marco Antônio Machado considera que esse é um indicador relevante, mas destaca que a noção do tempo nos dias atuais, onde existe a instantaneidade das respostas e rapidez nos meios de relacionamento, é diferente do passado.

Tags:
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
Marc
Marc - 29 de Dezembro às 21:06
Essa 'matéria' tem nome, sobrenome e apelido: MATÉRIA PAGA E COMPRADA. Só fala do Pitágoras, que está ruim das pernas tem tempo...