SIGA O EM

EXPEDIÇÃO CULTURAL 20/9/16

O impacto transformador da dança urbana

O Grupo Impacto tem conquistado cada vez mais seu espaço com trabalho que alia o hip-hop à dança contemporânea. Trupe nos recebeu para um bate-papo

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 1073401, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Reyner Ara\xfajo/Divulga\xe7\xe3o', 'link': '', 'legenda': 'Encena\xe7\xe3o do espet\xe1culo Cromossomo Y, uma das seis montagens do repert\xf3rio atual do grupo', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/09/20/805895/20160920102730678465a.jpg', 'alinhamento': 'left', 'descricao': ''}, {'id_foto': 1073402, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Em/D.a Press', 'link': '', 'legenda': 'Integrantes do Grupo Impacto ao lado dos seus alunos ap\xf3s aula de hip-hop em Vi\xe7osa', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/09/20/805895/20160920102821857701i.jpg', 'alinhamento': 'left', 'descricao': ''}]

postado em 20/09/2016 10:19 / atualizado em 20/09/2016 10:30



O objetivo é levar a arte onde não tem. A Expedição Cultural foi a Viçosa, na Zona da Mata, para conferir a história de 12 jovens da periferia que compartilham o mesmo desejo: usar as danças urbanas como mecanismo de transformação e resgate social. Homens que nunca haviam ido ao teatro, encontraram nas ruas a paixão pelo hip-hop e a vontade insaciável de pesquisar, desenvolver e aperfeiçoar os movimentos dessa arte da rua.

Recebida pelas diretoras da companhia, Patrícia Lima e Lidiane Jacento, a Expedição Cultural fez sua primeira parada na cidade no Bairro Nova Viçosa. Ao lado do irmão caçula e da mãe, os irmãos Rafael Tiko e Rariel Escolástico, mais conhecidos como Tiko e Teko, abriram as portas de casa para conhecermos as suas histórias.

Acompanhado de um café quentinho, eles, que compõe o Grupo Impacto há seis anos, nos contaram sobre o importante poder da influência do hip-hop e dos sonhos para o futuro.
 
Em/D.a Press
 
 
Bate-papo com a trupe
Retornando para o Bairro de Lourdes, no Núcleo Academia Unidade Serraria, nos encontramos com os outros integrantes do Grupo Impacto: Adriano Luis Ramos, Alex Luis Ramos, Cleison Lana, Felipe Viana, Jean Carlo do Nascimento, Luis Filipe Claudino, Marco Antônio de Jesus, Rafael Gregorio, e Wellington Júlio.

Sentados no chão de uma das salas de dança fluiu um bate-papo que possibilitou conhecer ainda mais sobre a intrigante história da companhia e os desafios de ser uma companhia do interior do estado. No início as respostas foram tímidas, mas ao longo da entrevista os dançarinos se soltaram e as risadas tomaram conta do espaço.

Aliando o hip-hop à dança contemporânea, a proposta do Grupo Impacto se consagra a cada dia mais no segmento das danças urbanas. Pudemos vê-los em ação durante o ensaio no Espaço Fernando Sabino, teatro da Universidade Federal de Viçosa (UFV). Convidados para dançar no último domingo em comemoração aos 90 anos da universidade, o grupo usou o espaço para ensaiar o espetáculo “Três Gritos”.
 
Reyner Araújo/Divulgação
 
Espetáculos no repertório
Com 20 anos de existência, foi há seis anos que o projeto de profissionalização do grupo foi realizado pelo Instituto Asas, ligado ao Núcleo de Arte e Dança de Viçosa, Minas Gerais, e aprovado pela Lei Estadual de Incentivo à Cultura do Governo de Minas Gerais.

A trajetória do grupo é contada por diferentes coreógrafos. Atualmente, o grupo mantém seis montagens em repertório que contam de forma poética a vida do Grupo Impacto. São eles: “No Alto da Rua”, de Mario Nascimento, “Obstáculos”, de Alexandre Snoop, “InSanidade”, de Alexandre Snoop, “Cromossomo Y”, de Octávio Nassur, “Universo Lúdico”, de Octávio Nassur  e “Três Gritos” de Mario Nascimento.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600