SIGA O EM

EXPEDIÇÃO CULTURAL 13/9/16

Trama sobre as loucuras cotidianas

Espetáculo do grupo Pigmalião Escultura que Mexe usa temas de Foucault e Goya para falar sobre as loucuras não diagnosticadas do cotidiano

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[]

postado em 13/09/2016 15:29 / atualizado em 13/09/2016 17:54

A casa é dos ratos, dos gigantes, da realeza, dos moradores de rua, das idosas. Um universo inteiro concentrado em um só lugar hipnotiza os olhos de quem visita o galpão do grupo Pigmalião Escultura que Mexe. As cabeças e marionetes de porcos espalhados pelas prateleiras se destacam entre as outras diversas máscaras.

A família suína é a protagonista do espetáculo “O quadro de todos juntos” (2015), que une Foucault e Goya para contar uma história que tem como enredo as loucuras cotidianas. A partir de visitas a um hospital psiquiátrico e a análise do quadro “A família de Carlos IV”, pintura de Francisco de Goya (1746-1828), o grupo construiu a personalidade dos personagens.

“A ideia surgiu do livro ‘Escola da loucura’, de Michel Foucault (1926-1984), e então começamos a frequentar um hospital psiquiátrico para ouvir histórias. Em nosso contexto encontramos e tratamos de uma loucura mais familiar, não a loucura diagnosticada, mas aquela corriqueira que a gente já está acostumado. A loucura da sua mãe, da sua tia, a sua”, explica Eduardo.
 
 

Realismo no palco
Sentado na plateia, o espectador pode até se confundir sobre quem são marionetes e quem são atores com cabeças de porcos. A proposta de estudar a movimentação realista nos faz esquecer que existe alguém por trás dos fios.

A mensagem é clara: O Pigmalião Escultura que Mexe exala originalidade e rompe a tradicionalidade cristalizada do teatro de bonecos associado a trabalhos para crianças. “O teatro de bonecos como entretenimento já existe muito e funciona. Então por que não usar essa ferramenta na arte contemporânea com objetivo de provocar a reflexão?”, indagou Eduardo. O grupo  trata de temas com profundidade filosófica, como máscaras sociais, aborto, sexo, comportamento de massa e violência e busca criar bonecos realistas.


Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600