SIGA O EM

EXPEDIÇÃO CULTURAL 12/9/16

Um gigante de cordas em construção

O grupo Pigmalião Escultura que Mexe recebeu a Expedição Cultural e revelou um pouco sobre a construção em andamento de um boneco de fios de 5 metros de altura

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[]

postado em 12/09/2016 11:38 / atualizado em 12/09/2016 11:45

Pés para um lado, olhos para o outro, cabeça encostada em um dos cantos. Isopor por todos os lados. O coletivo de artistas está empenhado na construção de um boneco de fios de 5 metros de altura.

O Pigmalião Escultura que Mexe abriu as portas do seu galpão, no Bairro Floresta, Região Leste de Belo Horizonte, para a Quinta Edição do Expedição Cultural Estado de Minas. 

É difícil imaginar como vai ficar, mas todos se dedicam para a construção do gigante que dará vida a um morador de rua que vivia nas proximidades do centro da capital mineira. O projeto, que surgiu em parceria com de teatro Espanca!, está em processo de criação, mas tivemos a oportunidade de ver a planta desse trabalho que já promete arrancar palmas.

No controle do espetáculo
Mesmo com a rotina corrida, Eduardo Felix, Aurora Majnoni e Liz Schrickte contaram sobre os planos para o ano que vem, quando a companhia comemorará 10 anos, e os desafios de fazer o teatro de bonecos.

Aliar artes cênicas e artes plásticas é a proposta dos artistas que buscam por meio do teatro de bonecos contar histórias instigantes e com uma verdadeira profundidade conceitual. Rompendo as barreiras, o grupo faz espetáculo de bonecos voltado para o público adulto, buscando por meio da marionete de fios, a relação do ator com o boneco e o teatro visual.

Testando os limites da plateia
Provocação e indagação. Esses são os preceitos encontrados nos espetáculos do Pigmalião Escultura que Mexe. “Temos a pegada de trabalhar temas filosóficos. Por exemplo, “A Filosofia Na Alcova”, de 2011, é um espetáculo que provoca o público, irrita muita gente. Quando você acha que já não tem mais onde provocar, a gente provoca mais. Muita gente não fica até o final”, conta o diretor Eduardo Félix.

A peça baseada no escritor francês Marquês de Sade narra a trajetória de um jovem que é apresentado ao mundo dos prazeres pela filosofia dos libertinos, com o intuito de destruir todos preceitos morais do personagem. Temas como sexo, violência, incesto e aborto são retratados pelos atores.

Para mais informações, acesse www.pigmaliao.com 


Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600