SIGA O EM

Notas de escolas mineiras no Enem exigem recuperação

Desempenho coletivo de instituições mineiras piora no ranking de 2015. Embora estado tenha colégio público mais bem colocado no país, performance também vem caindo

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 1077267, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Juarez Rodrigues/EM/DA Press', 'link': '', 'legenda': 'Dire\xe7\xe3o do Bernouli, institui\xe7\xe3o mineira em melhor posi\xe7\xe3o, destaca soma de empenho de estudantes com qualidade de professores e material', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/10/05/811024/20161005073630882430i.jpg', 'alinhamento': 'left', 'descricao': ''}, {'id_foto': 1077268, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Arte EM', 'link': '', 'legenda': '', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/10/05/811024/20161005073738240211e.jpg', 'alinhamento': 'left', 'descricao': ''}]

postado em 05/10/2016 06:00 / atualizado em 05/10/2016 10:49

Mateus Parreiras

Juarez Rodrigues/EM/DA Press
As escolas mineiras apresentaram queda no ranking do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2015, divulgado ontem pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Consideradas as provas objetivas, no ano anterior três mineiras figuraram entre as 10 instituições de ensino mais bem colocadas no país: Bernouli (quinto lugar), Elite Vale do Aço (oitavo) e Coleguium (nono). Neste ano, apenas duas estão no grupo: o Bernouli, na mesma posição, e o Colégio Fibonacci, de Ipatinga, no Vale do Aço, na nona colocação. O Colégio de Aplicação da Universidade Federal de Viçosa (Coluni) manteve o destaque obtido em nove das últimas 10 edições (exceção para 2014), e permanece como a melhor escola de ensino público do país. Porém, ocupa o 33º lugar geral, depois de já ter chegado a figurar entre as 10 primeiras colocações. A situação ilustra uma das principais conclusões sobre o desempenho no ano passado: a piora do ensino público. Um dos lados positivos foi o avanço verificado nas redações, depois de meio milhão de notas zero em 2014.


De acordo com o diretor do Colégio Bernouli, Rommel Fernandes Domingos, o resultado poderia ser ainda melhor se fosse considerado na composição das notas médias o número de alunos participantes, já que, segundo ele, há muitas escolas bem colocadas que formam grupos de estudantes de elite apenas para conseguir boas posições no exame. “É com muita felicidade e muito orgulho que recebemos a colocação. A grande satisfação do professor é ver o brilho dos nossos alunos e é esse o nosso grande retorno. E esse resultado é essencialmente do aluno que se empenhou para fazer a prova”, afirma.

Para Domingos, o resultado é fruto de três pilares. “O primeiro é o interesse do estudante, o valor que dá ao conhecimento. O segundo diz respeito aos professores: nossos profissionais têm capacidade técnica, sabem o conteúdo, mas não somente isso, sabem trabalhar com a linguagem do jovem, sabem se comunicar e isso faz a diferença para prender a atenção. O terceiro pilar é o projeto pedagógico, no nosso caso o material didático é produzido pelo próprio grupo”, afirma o diretor.

Alunos da escola, os colegas João Lucas Machado, Felipe Gomes Campos e João Victor Campos cursam o terceiro ano e demonstram otimismo. João Lucas, carinhosamente chamado de Paulista, disse que a família veio para Belo Horizonte e ele não teve dúvidas na escolha do colégio. “Estou aqui desde o primeiro ano. Sei que vou passar no curso de ciências da computação da UFMG, pois em 2015 consegui tendo apenas a base do segundo ano”, afirmou. Felipe busca uma vaga em medicina na UFMG. “Vim de Patos de Minas com o propósito de fazer os últimos dois anos aqui no Bernoulli. Sabia que o ritmo é puxado, mas tinha boas informações”, contou. O primo dele, João Campos, quer uma vaga em engenharia de minas na UFMG ou UFOP. “O momento é de estudar para passar e decidi fazer o terceiro ano integrado aqui, pois o sistema de ensino oferece condições para uma boa preparação.”

DESTAQUE E DIFICULDADE
  Embora seja a escola pública de melhor colocação do país no Enem, o Coluni, de Viçosa, na Zona da Mata, tem suas condições degradadas ano a ano, devido à falta de investimentos. A afirmação é da diretora em exercício da instituição, Renata Pires Gonçalves. “Desde 2007, somos a escola pública mais bem colocada, mas caímos do 10º lugar geral para o 33º, e isso é reflexo da falta de investimentos. Se nada for feito, a tendência é que o nível do ensino público desabe ainda mais e chegue ao ponto de nenhuma escola pública figurar entre as 100 primeiras colocações”, alerta.

De acordo com a diretora, o Coluni enfrenta dificuldades para manter o nível do ensino, sobretudo quando professores saem em licença para outras atividades e aprimoramento e falta pessoal qualificado para substituí-los. “Chegamos ao ponto de ter de contar com monitores para substituir professores. São alunos que recebem bolsas para atividades complementares, mas que não deveriam lecionar”, afirma. A própria estrutura necessita de investimentos, segundo Renata Gonçalves. “A situação está tão crítica que já tivemos de retirar lâmpadas dos corredores da escola para substituir as que queimaram dentro das salas de aula”, disse.

Mesmo com tantas dificuldades, o destaque do colégio federal se dá pela organização e estrutura ainda funcional. “Temos um grupo de técnicos e docentes que são exclusivos. Alunos passam por processo seletivo com 15% de pontuação extra para quem é do ensino público. Nossos docentes têm mestrado e doutorado, desenvolvem projetos. Conseguimos também atender no extraturno. Somos uma escola que funciona”, destaca.


A segunda instituição pública de melhor colocação em Minas Gerais foi a Escola Preparatória de Cadetes do Ar de Barbacena, em 106º lugar no ranking do Enem, seguida do Colégio Militar de Belo Horizonte, em 153º. Para o comandante e diretor de ensino da instituição da capital, coronel Ricardo Luiz Signorini, a busca pelo aprimoramento tem sido constante. “Esse é o resultado de um processo que se inicia desde o sexto ano, mesmo a gente não visando especificamente ao Enem, nossa proposta pedagógica norteia o trabalho dos professores, que por sinal é umas das chaves do sucesso: a maioria tem mestrado de doutorado”, afirma.



Abismo crescente entre redes de ensino


Mesmo não sendo ideal a comparação de resultados do Enem de um ano para outro, por ser um período muito curto para determinar uma tendência, o abismo entre o desempenho do ensino privado e público tem se agravado de forma perceptível, assim como o desempenho em geral dos alunos brasileiros, na avaliação da doutora em educação pela PUC RJ Andrea Ramal. “O resultado só confirma o baixo desempenho dos alunos do ensino médio e o crescente abismo entre o ensino público e o particular. Os colégios que mais se destacam são aqueles que se concentram e formam turmas de elite. Os que buscam formações globais, mais diversificadas, não se destacam. Por isso o Enem precisaria mudar, bem como o próprio ensino médio”, sugere.

Para a especialista, o desempenho no exame é útil para ajudar a escolher uma escola para os filhos. “Mas não deve ser o único quesito”, destaca. Ainda de acordo com ela, a formação dos professores também fez a diferença nas notas médias. “Nas escolas em que os professores são formados nas áreas em que lecionam, os resultados foram melhores. O inverso também ocorreu: e um lugar em que o professor de matemática dá aulas de física, por exemplo, os alunos tiveram notas mais baixas.”

Apenas 115 escolas de quase 15 mil em todo país tiveram média igual ou superior a 800 pontos na redação do Enem’2015. Dessas, a maior parte é particular e quatro são públicas. Esse desempenho se enquadra no nível 5, que é o mais alto grau de proficiência calculada para os estudantes. Nessas escolas, mais da metade dos alunos obteve nota acima de 800, em um total de mil pontos possíveis.

Apenas em redação e ciências humanas as notas do Enem melhoraram em relação à edição de 2014. O desempenho dos alunos foi pior em matemática, linguagens e ciências da natureza.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600