SIGA O EM

Termina greve dos técnico-administrativos da UFMG; categoria volta ao trabalho amanhã

Fim da paralisação significa a normalização de serviços essenciais à vida acadêmica, como biblioteca, laboratórios e colegiados

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 07/10/2015 12:11 / atualizado em 07/10/2015 12:13

João Henrique do Vale

Os servidores técnico-administrativos em educação da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) decidiram encerrar a greve iniciada há 132 dias. Em assembleia realizada nesta quarta-feira, os servidores decidiram voltar ao trabalho nesta quinta-feira. Na prática, o fim da paralisação significa a normalização de serviços essenciais à vida acadêmica, como biblioteca, laboratórios e colegiados.

Os 12 mil profissionais da UFMG, do Centro Federal de Educação Tecnológica (Cefet-MG), da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) e o Instituto Federal de Minas Gerais (IFMG), voltam ao trabalho nesta quinta-feira. “Aprovamos o retorno ao trabalho. Na terça-feira, foi assinado o acordo que já tinha sido aprovado anteriormente”, explica Cristina Del Papa, coordenadora geral do Sindicato dos Trabalhadores das Instituições Federais de Ensino (Sindifes).

Os técnicos administrativos concordaram com o acordo fechado com o governo federal que garantirá a recomposição de 10,5% no salário. O percentual será em duas vezes: 5,5% em 2016 e 5% em 2017. Os servidores pleiteavam um reajuste de 27,3% no piso da tabela, considerando as perdas de janeiro de 2011 a julho de 2016.

Fim da greve também na Universidade Federal de Lavras (UFLA), no Sul de Minas Gerais. A decisão de voltar ao trabalho amanhã foi tomada também nesta quarta-feira durante uma assembleia com a participação de professores e técnico-administrativos. A greve dos docentes durava há 91 dias e dos outros funcionários completaria 133 dias. Mesmo com a decisão ainda não há data definida para o retorno às aulas.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
Célio
Célio - 07 de Outubro às 13:34
Quem aceitou o aumento foram os sindicalistas (governistas), o servidor não aceitou o aumento, e sim, foi obrigado a aceitar o que o Governo propôs. Os sindicalistas tentam preservar a imagem do PT, que infelizmente não anda nada favorável. Os contratados da EBSERH, que são funcionários terceirizados do Hospital das Clínicas tiveram um aumento maior que os servidores da UFMG. Parabéns a pessoal da EBSERH! Isso prova que sindicato sabem pra que lado jogar. E os filiados que se danem! Que Deus abençoe o Nosso Brasil!