Publicidade

Estado de Minas

Expectativa para edição 2015 faz maratona do Enem continuar para muitos estudantes

Término das provas do exame mais importante do país não traz alívio para todos. Para alguns alunos, a jornada está apenas começando. Gabarito deve sair até amanhã


postado em 11/11/2014 06:00 / atualizado em 11/11/2014 06:46

"É um sentimento de que falta mais um ano, mais uma etapa. Eles (professores) ressaltaram que estamos nos preparando agora e não podemos desistir nem desafogar, pois é só o começo" - Lucas Mendonça, aluno do 2º ano, que tentou vaga em direito (foto: Fotos: Marcos Michelin/EM/D.A Press)
Se, para alguns, o término das provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) significou alívio e sensação de dever cumprido, para outros foi só o começo, uma espécie de aperitivo do que vem pela frente. No lugar da esperança de aprovação numa universidade, treineiros e candidatos com desempenho ruim já começaram a viver a expectativa da próxima edição do teste. Principalmente para alunos da 2ª série do ensino médio, ontem foi dia de avaliar o que fazer para se dar bem em 2015, o ano decisivo. A espera pela divulgação oficial do gabarito, prevista para sair até amanhã, deixa os nervos ainda mais à flor da pele.

Aluna do Colégio Magnum Cidade Nova, Gabriela Andersen Leo Pereira, de 17 anos, está no 2º ano e fez o Enem pela segunda vez. Embora não seja “para valer”, ela diz que o nervosismo não é diferente de quem está na batalha decisiva do exame. Isso porque, à medida que vai aprimorando o domínio do conteúdo e a forma de fazer a prova, cresce também a responsabilidade de aumentar a média das notas. Em relação ao ano passado, a adolescente considera que ganhou nesta edição em tempo de resolução das questões e em controle do cansaço. “Para quem está no 3º ano, mesmo com a possibilidade de tentar de novo, foi um alívio, é como tirar um peso das costas. Para mim, está apenas começando.”

Nos colégios, o Enem é o assunto da vez e o gabarito é agora o item mais esperado. “A pontuação vai mostrar o que devo fazer para melhorar em determinada área, onde não cumpri minhas expectativas e também me indicar pontos fortes e fracos. Ou seja, a gente já fica na expectativa do que fazer no 3º ano”, diz a candidata a uma vaga no curso de direito. Para Gabriela, treinar fazendo simulados ou o próprio Enem é fundamental para encarar o ano decisivo: “É um processo muito longo, não é só a 3ª série”.

Também de olho numa cadeira em direito, Lucas Henrique Filardi Mendonça, de 16, outro que fez o Enem pela segunda vez, achou o exame deste ano mais fácil, por ter voltado as questões para a formação do indivíduo e não para a decoreba de conteúdo das disciplinas. Para o jovem, o fato de ele também estar mais experiente em matéria de Enem ajuda bastante. “Hoje (ontem) foi um dia especial, pois os professores comentaram o exame em sala e corrigiram as questões mais importantes. É um sentimento de que falta mais um ano, mais uma etapa. Eles ressaltaram que estamos nos preparando agora e não podemos desistir nem desafogar, pois é só o começo.”

Coordenadora do ensino médio do Colégio ICJ, Rosa Lúcia Simões, diz que fazer a prova como treineiro é um divisor de águas na percepção dos alunos em relação à importância do exame. Na escola, quase todos os alunos do 2º ano fizeram o exame no fim de semana . “Por mais que falemos dentro de sala sobre o Enem no ano seguinte, programemos simulados e façamos exercícios focados na avaliação, ainda pensavam na prova como uma situação irreal. Quando fazem a prova, voltam diferente”, afirma. Segundo a professora, os estudantes mudam de atitude ao sentirem na pele a questão do tempo como chave-mestra do exame e vivenciarem a necessidade de resistência para responder todas as questões.

"A pontuação vai mostrar o que devo fazer para melhorar em determinada área, onde não cumpri expectativas e também me indicar pontos fortes e fracos" - Gabriela Pereira, que está no 2º ano do ensino médio e tentou vaga em direito
No início do 3º ano, a situação é outra. Meninos focados, direcionados, questionadores e mais atentos às aulas integradas. “Passa a ter um sentido totalmente diferente para eles. Com o pós-Enem, eles tendem a crescer, porque é o começo de um ano de compromisso e estudo pesado que terão pela frente”, afirma Rosa.

RESULTADO Longe das aflições do ensino médio, a psicóloga Cristina do Nascimento Rocha, de 30, fez o Enem em busca de sua segunda graduação. Ela ainda não decidiu qual curso fará, mas será na área de saúde. Há alguns anos sem estudar e não tendo se preparado para a avaliação, considera não ter ido bem nas provas e, por isso, já pensa no que fazer ano que vem. Cristina conta que, pelos gabaritos extraoficiais, acertou 70% da prova. “Fui melhor do que imaginei, tendo em vista que não estudei. Achei mais fácil esse processo que o vestibular tradicional”, diz.

Se não conseguir vaga em universidade pública, Cristina vai avaliar se usará a pontuação do Enem para tentar Prouni ou Fies em instituição particular. “Como já tenho curso superior, talvez valha a pena pagar um cursinho preparatório em vez de uma faculdade e me preparar melhor ano que vem. Ainda tenho que pensar, mas sinto que, realmente, está só começando, ou recomeçando”, afirma. Para ela, com tantas interrogações até a divulgação das notas e a abertura do Sistema de Seleção Unificada (Sisu), o Enem ainda não acabou para ninguém. Mesmo para quem foi bem, é uma hora decisiva, porque há todo um processo pela frente de escolha da universidade, tentar uma vaga, ser ou não aprovado. É o fim da prova, mas para muitos a angústia está longe de acabar.”

Os gabaritos do Enem devem ser divulgados até amanhã, no site http://portal.inep.gov.br/enem. De acordo com o Ministério da Educação (MEC), as notas da avaliação só serão disponibilizadas em janeiro. Para conferir o resultado, o candidato deverá ter em mãos o número de inscrição no exame, ou CPF e senha.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade